Crie ou Acesse seu email


segunda-feira, 24/02/2014

Caseiro é preso por portar armas e munições em Fabriciano

CORONEL FABRICIANO- Na manhã dessa segunda-feira(24), a Polícia Militar recebeu informações de que Ovídio Alves Neto, 69 anos, residente na avenida Ikê no bairro Caladão estaria armazenando e fabricando arma em sua residência. Conforme relatos, ele mora e trabalha como caseiro em uma chácara pertencente á Jose Riscalo Abnir Filho, sendo que a sede da chácara fica aos cuidados de Ovídio.

Após terem a entrada franqueada pela esposa de “Vivi”, como é popularmente conhecido o suspeito, os policiais encontraram dentro de um quarto, quatro espingardas polveira, uma espingarda cal.28 e uma espingarda cal.36, além de munições.

Segundo os policiais, ele é suspeito ainda de fazer manutenção em outras armas quando solicitados por indivíduos da região. Conforme a Polícia há informações de que tais armas seriam de propriedade de Marcos Vinicius dos Santos, vulgo "Gago", indivíduo com diversas passagens pela sistema da Polícia.

Ovídio já foi preso por porte ilegal de armas no ano de 2011 e 2012. Ao suspeito foi dado voz de prisão em flagrante e ele foi conduzido para a delegacia com os materiais apreendidos.

quinta-feira, 05/11/2009

Relator acolhe segunda denúncia contra Eduardo Azeredo no STF, por lavagem de dinheiro

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa acolheu também a denúncia de lavagem de dinheiro contra o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG). Ele é acusado de envolvimento em um suposto esquema de caixa dois durante sua campanha para reeleição ao governo de Minas Gerais, em 1998, que ficou conhecido como "mensalão mineiro".

Caso foi embrião do mensalão, diz relator


Ontem (4), o ministro Barbosa, que é relator da ação, já tinha aceitado denúncia referente ao crime de peculato (desvio de dinheiro público). "Considero haver indícios suficientes da prática do crime de lavagem de dinheiro e por isso recebo denúncia contra o acusado também contra o crime de lavagem de dinheiro."

Os outros ministros ainda devem se manifestar sobre a denúncia apresentada pela Procuradoria Geral da República, para saber se ela será ou não aceita. Em caso positivo, o Supremo abrirá uma ação penal contra o senador, que se tornaria réu. Se a denúncia for rejeitada, o inquérito será arquivado.

18.02.2009 - Alan Marques/Folha Imagem

O senador Eduardo Azeredo é acusado de participar de um suposto esquema de caixa dois durante sua campanha de reeleição para o governo de MG


Na segunda etapa do voto, apresentada nesta quinta, o ministro pronunciou-se sobre os supostos crimes de lavagem de dinheiro, apontando a existência de indícios de que empréstimos foram utilizados como manobra para tornar lícitos recursos oriundos de empresas estatais, que seriam destinados à campanha eleitoral.

O relator relembrou que a defesa de Azeredo argumentou que o então governador não tinha responsabilidade pela administração financeira de sua campanha à reeleição. "Deveria Azeredo responder por eventuais crimes? O senhor presidente da República responderia por crimes de dirigentes da Petrobras e do Banco do Brasil por serem estas empresas estatais e ele, presidente da República? Deve ele (Azeredo) responder por ser governador de Estado e candidato à reeleição?", questiona a defesa.

O relatório nega que esta tenha sido a linha da denúncia. "A acusação está pautada em inúmeros indícios e situações fáticas que permitem ao Supremo Tribunal Federal seu recebimento e instalação de processo criminal contra o acusado".

Pouco antes do reinício do julgamento, o senador concedeu entrevista para falar sobre o caso, dizendo que não tinha conhecimento dos patrocínios citados na denúncia e afirmando achar "estranho" o tratamento que estava sendo dado ao "mensalão mineiro" em comparação com o mensalão que envolveu a base governista e foi denunciado por Roberto Jefferson.

O relatório aponta que as empresas do publicitário Marcos Valério como intermediárias do processo de lavagem de dinheiro. Por meio delas eram contraídos empréstimos fictícios em uma instituição financeira que depois eram quitados com dinheiro de estatais. Oficialmente, as estatais estavam patrocinando eventos esportivos mas, na verdade, de acordo com o relatório, os recursos eram desviados para a campanha eleitoral e também serviam para remunerar os sócios das empresas pela operação de lavagem de dinheiro. Azeredo teria ordenado, na qualidade de governador, a transferência de recursos para as empresas de publicidade.

"Constitui um indício bastante forte o fato de os recursos financeiros oriundos dos empréstimos obtidos por Marcos Valério e seus sócios terem sido depositados, conforme laudos periciais, na conta do acusado. Os empréstimos em questão seriam quitados com recursos oriundos das estatais, pelo menos parcialmente, ainda de acordo com laudo pericial".

O relatório cita trecho da denúncia relativo aos diversos telefonemas de Marcos Valério para Eduardo Azeredo (seriam mais de 70) e a presença constante do publicitário no comitê de campanha eleitoral, além da participação das empresas na transferência de recursos para a campanha como "indícios fortes da acusação de lavagem de dinheiro".

Na entrevista concedida nesta quinta, Azeredo afirmou que "apenas 30 e poucos" desses telefonemas se completaram e "apenas dois tiveram retorno meu". "Se isso é comprovação de relacionamento muito próximo, não sei mais o que é relacionamento próximo", reclamou o senador.
 

 

Do Uol.

 

quinta-feira, 22/10/2009

Lula sobrevoa região mas não consegue aterrissar devido ao mau tempo

 

Desde o início da manhã, a equipe do portal Plox estava no local onde Lula daria entrevista, todos estavam eufóricos com a chegada do presidente, haviam fixado faixas de boas vindas no aeroporto e no centro da cidade.  

A Presidência da República informou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não compareceu a inauguração da Usina Hidrelétrica de Baguari por causa da forte chuva que caiu na região. A cerimônia estava marcada para a manhã desta quinta-feira, com participação da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, o governador do Estado Aécio Neves e alguns ministros. A informação sobre o cancelamento da visita do presidente e sua comitiva á inauguração, foi transmitida aos jornalistas também pela prefeita de Governador Valadares, Elisa Costa.



Mesmo sem a presença de Lula, a inauguração de uma das quatro turbinas da Hidrelétrica de Baguari aconteceu, sendo comandada pela prefeita do Município. O presidente,  tentou um pronunciamento por telefone viva voz, mas não foi possível, sendo assim transmitiu a prefeita Elisa a promessa de que voltará em breve ao município para a inauguração de uma das três turbinas que ainda não foram inauguradas.

O presidente e a ministra chegaram a sobrevoar a área da usina  por um período de aproximadamente uma hora e trinta minutos , em um avião Legacy, mas não houve condições de pouso .Tentaram pousar no Aeroporto de Ipatinga (Santana do Paraiso), mas devido as fortes chuvas também foi inviável.  Segundo informação distribuída pela Presidência da República, a usina é uma obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), com potência a ser instalada de 140 megawatts (MW) e capacidade para fornecer energia a 500 mil habitantes.

O presidente e sua comitiva retornaram a Brasília. Assessores afirmaram que devido o mau tempo ter acometido grande parte das regiões de Minas, o presidente cancelou toda a sua agenda no Estado, onde estava previsto além da inauguração da Usina de Baguari, eventos nas cidades de Uberlândia e Uberaba. 

 


 

 

 

 

 

quinta-feira, 02/07/2009

Julgamento de Quintão é adiado mais uma vez

 



O desembargador Baía Borges que iria votar após o juiz Maurício Torres que votou a favor do retorno de Sebastião Quintão, não deu seu voto. O desembargador pediu vistas ao processo e a votação deste caso foi interrompida.

Segundo o juiz Maurício Torres, o conceito de renda não se confunde com a situação econômica do candidato. "Ele dispunha de meios para bancar os gastos da campanha eleitoral e respeitou o limite de gastos estabelecido pelo partido". Segundo ele, não existiu abuso de poder econômico. "Os valores auferidos pelos rendimentos dos cartórios poderiam ser utilizados na campanha." Quanto à divergência entre quantidade de sacas de café, "não se pode caracterizar tal fato como abuso do poder econômico".
 
O desembargador Baía Borges pediu vista, ressaltando que Ipatinga é uma cidade de porte, de reconhecida importância em Minas Gerais. Segundo ele, é importante que se julgue com segurança o caso.



 


O Julgamento foi adiado para o dia  8 de julho , quarta feira, quando estão previstos também  os julgamentos de mais dois recursos de Quintão contra decisões da juíza eleitoral de Ipatinga. Será julgado o recurso 7708, contra a cassação decidida em uma Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (1971) apresentada pelo Ministério Público Eleitoral de Ipatinga. Neste caso, o fundamento foi de uso abusivo das obras e programas municipais, sob ameaça de deixar de beneficiar moradores do Bairro Nova Esperança com os benefícios do Programa Morar Melhor, além de corte de outros benefícios como o Bolsa Família. O candidato conseguiu, junto ao TRE, suspender os efeitos dessa decisão, para que permaneça no cargo até o julgamento do recurso.

Também será julgado na próxima quarta-feira o Recurso Eleitoral 6763, contestando a decisão de primeira instância que decretou a inelegibilidade de Sebastião Quintão (por três anos), a partir de fundamentos semelhantes ao da Ação de Impugnação de Mandato Eletivo 1971 (abuso de poder nas últimas eleições). Entre outras ações envolvendo o caso, também estão em tramitação no TRE, ainda sem data para julgamento, o Recurso Eleitoral 7879 (para o qual ele também conseguiu efeito suspensivo), contestando a cassação de Quintão em primeira instância por conduta vedada a agente público, e o Recurso Contra Expedição de Diploma 50, por abuso de poder econômico e captação ilícita de sufrágio.
  
Juiz Maurício Torres

O Procurador Felipe Peixoto Braga Netto esteve presente em substituição ao procurador José Jairo Gomes. Hoje não houve pronunciamento da procuradoria no processo de Quintão.
 

 O prefeito interino de Ipatinga, Robson Gomes (PPS), acompanhou a sessão atentamente na primeira fila.



O presidente Almeida Melo chegou  atrasado pois se encontrava em outra audiência no Tribunal de Justiça. O voto dele será decisivo no caso de empate na próxima semana.

O Prefeito afastado de Ipatinga, Sebastião Quintão, não foi visto no local.

Este caso começou a ser julgado na última terça-feira, o juiz Benjamim Rabello votou confirmando a cassação, os juízes Renato Prates e Mariza Porto votaram pelo retorno de Quintão ao cargo . Na sessão da última terça-feira, o julgamento também foi interrompido por um pedido de vistas do juiz Maurício Torres que nesta quinta-feira votou a favor de Quintão.

O placar no momento é de 3 a 1 a favor de Quintão.
 


Estaremos de novo aqui no TRE-MG em Belo Horizonte na próxima quarta-feira (8) para fazer a cobertura do caso Quintão. Espera-se que nesta sessão o caso seja definido.
 
PLOX, O portal do Vale do Aço, demonstrou hoje mais uma vez o comprometimento com a informação imparcial.
 
Nosso registro de audiência nos indica que quebramos mais um recorde.
 
Obrigado por sua participação.
 
Ajude a divulgar o PLOX.

 

domingo, 12/04/2009

Cão cabe em xícara e busca título de menor do mundo

Ele tem um terço do tamanho de um porquinho da índia e pesa 85 gramas.
'Ficaria surpreso se ele crescer mais 2,5 ou 5 centímetros', disse dono.Ele é um terço do tamanho de um porquinho da índia --pesa apenas 85 gramas--, mas o cão chamado Tom Thumb pode ser um bom negócio quando se trata de recordes mundiais, segundo reportagem do jornal inglês "Daily Mail".
De acordo com o periódico, Tom Thumb é um sério concorrente para o título de menor cão do mundo. Ele nasceu há três semanas em uma ninhada da cadela chihuahua chamada Spice.
Os proprietários Susan e Archie Thomson, que moram em West Dunbartonshire (Reino Unido), disseram que ficaram encantados quando Tom Thumb nasceu. Ele é três vezes menor que os demais e cabe dentro de uma xícara. 

Experiente na criação de cães chihuahua e de outras raças, Thomson acredita que Tom Thumb provavelmente não vai crescer mais do que isso. "Pelo tamanho de suas patas e cabeça, eu ficaria surpreso se ele crescer mais 2,5 ou 5 centímetros", afirmou ele.
Segundo o jornal "Daily Mail", o menor cão do mundo em comprimento é Heaven Sent Brandy, uma cadela chihuahua, de quatro anos, que vive com sua dona na Flórida, nos EUA, é mede 15,2 centímetros de comprimento.
No entanto, o Guinness considera como menor cão do mundo (tamanho e peso) outra chihuahua chamada Boo Boo, Em 12 de maio de 2007, ela vivia com sua dona, Lana Elswick, em Kentucky, tinha 10,16 centímetros de altura e pesava 675 gramas.
 
Fonte: Globo on Line.
quarta-feira, 01/04/2009

Não Mais Eu, Mais Cristo

   Deus quer operar algo muito profundo em nossas vidas. Algo que realmente coloque no lugar o eixo de nossa vida cristã. Ele não quer somente restaurar o louvor, a adoração, avivar as reuniões, levantar ministérios ou derramar dons.Ele quer você! Sua vida! Tendo completamente a você, a mim e a nós todos, progressivamente ele fará aquelas demais coisas.

 Por quê há tanta diferença entre a vida que Deus planejou e a nossa realidade? A resposta é simples. É porque ainda somos nós que estamos vivendo !! Precisamos reconhecer e crer sinceramente que “em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum” (Rm7:18). Mas “Cristo em mim é a esperança da glória” (Cl1:27). 
Precisamos perguntar: É este o tipo de vida que estou vivendo? Sou justo como Jesus? Perdôo como Jesus? Sou humilde como Ele? Amo como Ele? Sou manso como Ele? Sou vitorioso sobre o pecado?
 Precisamos nos humilhar, a fim de ver nossas falhas e receber a graça de Deus (Tg 4:6). Se na sua vida diária existe inveja, incredulidade, crítica, falta de oração, falta de consagração, adultério, apegos excessivos, pensamentos impuros, gula, dureza de coração, falatório, irritação, falta de interesse pela Palavra, desejo de sempre levar vantagem, pecados encobertos, etc. 
Então precisamos nos humilhar e reconhecer que temos falhado e fracassado em viver a vida que Deus quer. Devemos nos voltar para a Palavra com coração quebrantado e pedir ao Espírito Santo que opere em nós com sua maravilhosa graça.
 
Vou relacionar abaixo apenas alguns itens os quais creio que fazem parte da vida abundante que Deus tem para TODOS nós:
1) Uma vida liberta dos pecados (Mt 1:21)
2) Uma vida que tem íntima comunhão com Deus (Lc1:69,74-75)
3) Uma vida que se satisfaz plenamente com Jesus (Jo 4:14)
4) Uma vida liberta do poder do pecado (Rm 6:14)
5) Uma vida que comunica vida (Jo7:37-38)
6) Uma vida que não se abala com as circunstâncias (Rm 8:35-37)
7) Uma vida que pratica o bem (Ef 2:10)
8) Uma vida cheia de Luz (Jo8:12)
9) Uma vida totalmente santificada (1Ts5:23)
É possível viver esta vida ?...
Eu diria que sim, pois se não fosse para se cumprir, Ele não teria dito. Amén?
 
Vamos primeiro ver como entrar, depois trataremos da essência da vida abundante.
            “Eu vim para que tenham vida, e vida em abundância.” Jo10:10
Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim.”
 Considero este texto a chave para todo o desvendar de uma verdade das Escrituras: Cristo vive em nós! O centro do texto é realmente a essência da vida abundante, “não sou mais eu quem vive, mas Cristo vive em mim”. Cristo é a vida abundante e esta vida está dentro de mim porque Cristo habita em mim! 
Este tipo de vida é uma dádiva, porque é Deus quem nos dá. É uma vida obtida e não conquistada. É uma vida substituída e não modificada, pois “não sou mais eu quem vive, mas Cristo vive em mim”.
Eu preciso e nós precisamos compreender que somps herdeiros em Deus e co-herdeiros em Cristo Jesus!
Declaramos que “Tudo que Jesus conquistou na cruz, é direito nosso e nossa herança”.   
                                                                  Declarar é crer!
Ricardo de Paula Meneghelli
terça-feira, 27/01/2009

Sophia Loren está de volta aos cinemas

A atriz Sophia Loren, verdadeiro ícone do cinema mundial durante anos, vai estrelar um filme produzido pela rede de tv italiana RAI, contando sua história desde a infância pobre até o reconhecimento internacional. A atriz interpretará o papel de sua mãe, Romilda Villani, uma aspirante a atriz, vencedora de um concurso de sósias de Greta Garbo em 1932, que não teve permissão da família para realizar seu sonho em Hollywood.



O título do filme, dividido em duas partes, será "La Mia Casa e Piena di Specchi" e é baseado no livro de memórias da irmã mais nova da atriz. A história vai desde o período da infância no bairro pobre até o ano de 1962, quando ela ganhou o Oscar por "Duas Mulheres", de Vitório de Sicca. Ainda não foi divulgado o nome da atriz que irá interpretar o papel dela quando mais nova. A previsão de estréia é para 2010.

Embora seja um fato curioso, essa não é a primeira vez que uma das divas do cinema estrelou um filme sobre si mesma. A rede de tv americana NBC, produziu em 1980 o filme "Sophia Loren", onde ela interpretou os dois papéis. Sua última aparição da Loren no cinema foi em 2004.  Atualmente, ela está filmando "Nine", uma adaptação de Antony Minguela (O talentoso Ripley) dirigida por Rob Marshal (Chicago).

segunda-feira, 01/09/2008

Leia a carta de Sorín à torcida celeste

"Obrigado! Muito obrigado a vocês criadores do weblog Volta Sorín.

Eu fiquei muito emocionado ao olhar as imagens, ao ler os comentários e, fundamentalmente, sensibilizado e conectado aos torcedores da Nação Azul como se o tempo não tivesse passado.

Claro que volto!! Claro que fico!! Com a alegria e a emoção de estar outra vez na nossa segunda casa!

Sempre falo que somos, minha mulher Sol e eu, argentinos-mineiros. Por nossos amigos em BH, por nossos sentimentos, e por nosso agradecimento ao carinho que vocês deram para a gente.

Estamos contentes de voltar, porque voltar foi e é a nossa escolha!! Porque escolhemos com o coração.

E por tudo isso, estou com a ilusão de  vestir outra vez a camisa azul que tantas satisfações, títulos e experiências me deu. 

A preparação:

Será uma etapa distinta. Será, no inicio, uma preparação para mim. Desde maio que estou sem jogar e treinar com o grupo. Então preciso de tempo e muito treino para estar 100 por cento fisicamente e com ritmo de futebol. E depois, quando esse momento chegar, aí terei a possibilidade de atuar. Sempre dialogando com o treinador Adilson Batista, e já entrosado com o grupo de jogadores que estão fazendo uma temporada excelente.

Pelo bom relacionamento e a confiança que existe com a diretoria, decidimos juntos deixar a porta aberta para talvez jogar este ano ainda. No primeiro contato a idéia era só voltar para me preparar.

Meu contrato e simbólico, e eu vou a Belo Horizonte pelo mesmo caminho que tudo mundo conhece, o caminho da verdade e da esperança.

E com muita felicidade e sonhos, como sempre.

Espero que o físico me acompanhe e que possa voltar aos gramados para me divertir e tomara trazer novas vitórias para o nosso time.

Escolhemos Belo Horizonte pela energia da sua gente, pelo respeito que eu e minha família sentimos cada vez que estamos lá, e porque somos muito felizes em Minas. 

Um grande abraço

Até logo!!

Sorín"

domingo, 23/11/2014

Famílias ficam ilhadas em casas alagadas depois de chuva forte

[ad]A chuva forte que atingiu Belo Horizonte neste domingo (23), alagou avenidas e casas na capital e na região metropolitana. O Corpo de Bombeiros precisou resgatar moradores que ficaram ilhados em três residências. O trânsito também ficou lento com a inundação de algumas avenidas da cidade.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, em Ribeirão das Neves, na região metropolitana da capital, cinco pessoas da mesma família ficaram presas depois que a casa deles alagou no bairro São Miguel Arcanjo e precisaram de ajuda do bombeiros para sair. Na mesma cidade, no bairro Papine, moradores também ficaram ilhados no segundo andar da casa, depois que o primeiro ficou completamente alagado.

 

 

Foto: Wilian Fernandes de Macedo

Chuva forte deixa avenida Otacílio Negrão de Lima alagada na Pampulha

Foto: Wilian Fernandes de Macedo

Chuva forte deixa avenida Otacílio Negrão de Lima alagada na Pampulha

Foto: Wilian Fernandes de Macedo

Chuva forte deixa avenida Otacílio Negrão de Lima alagada na Pampulha

Foto: Wilian Fernandes de Macedo

Chuva forte deixa avenida Otacílio Negrão de Lima alagada na Pampulha

Já em Vespasiano, também na região metropolitana da capital, a água invadiu uma casa no bairro Sévia e deixou os moradores desalojados. Os bombeiros ajudaram a família a retirar alguns moveis do local.  No entanto, por causa do alagamento, a família foi para casa de parentes. Segundo os bombeiros, a residência, que fica em uma ladeira, onde alagamentos são comuns, ficou bastante danificada.

Em Belo Horizonte os bombeiros avaliam o risco de queda de um muro de uma residência que fica no bairro Jardim Leblon, em Venda Nova. Segundo os bombeiros não há risoc de queda iminente e a família foi orientada a acionar a Defesa Civil Municipal.  Também na capital, a avenida Otácilio Negrão de Lima alagou na altura do número 11.840, na região da Pampulha. Pela manhã o trânsito ficou lento no entorno do Mineirão e também no Anel Rodoviário por causa de alagamentos.

O Tempo

 

domingo, 23/11/2014

Sobe para três o número de ônibus incendiados no Calafate

[ad]Sobe para três o número de ônibus incendiados por moradores em represália a uma ação da Polícia Militar que terminou com um morto na noite de sábado em um aglomerado no Bairro Calafate, Região Oeste de Belo Horizonte. O terceiro veículo foi queimado nas proximidades da Avenida Tereza Cristina. O ônibus, placa OQW 5481, da linha 6780 (BH-Ipê Amarelo), ficou parcialmente destruído.


O incêndio foi no mesmo momento que outro coletivo estava sendo queimado na Tereza Cristina. O motorista viu o veículo à frente em chamas e tentou desviar o itinerário com medo de se tornar vítima do vandalismo. Porém, não houve tempo para espaçar e o coletivo foi cercado por pessoas jogando pedra. Além de apedrejado, o ônibus foi atingido por coquetel molotov e queimou até a chegada de policiais de militares.

Foto: Edésio Ferreira EM D.A Press

Por sorte, ninguém ficou ferido. Havia cerca de 15 passageiros, entre eles crianças, que desceram rapidamente antes das chamas espalharem. De acordo com o tenente Dante Lelis da PM, nenhum responsável pelos três incêndios foi preso. A presença policial é intensa na tarde deste domingo na região. O primeiro ataque aconteceu na noite de sábado quando os moradores revoltados cercaram um coletivo a Via Expressa. Segundo os bombeiros, foram gastos 3 mil litros de água para combater o fogo.

O clima é tenso no local desde a noite passada. As versões da polícia e dos moradores divergem. De acordo com a PM, consta no boletim de ocorrência que uma equipe fazia uma incursão no Beco Biguatinga, que fica no Aglomerado Bimbarra. O beco é conhecido como ponto de venda de drogas.

A equipe se dividiu nos dois extremos do beco e um dos policiais abordou um adolescente de 15 anos, que estava com oito pinos de cocaína. O policial apreendeu o menor e chamou os outros colegas. Enquanto aguardava o reforço, ele foi abordado pelo pai do adolescente e outros três homens, que tentaram impedir a apreensão. O homem tentou tomar o filho e os outros homens agrediram o policial com socos e chutes. Durante a ocorrência, um grupo de 50 pessoas foi para o local e hostilizou a ação, agredindo os outros policiais.

O adolescente conseguiu escapar durante a confusão generalizada. Ainda de acordo com a polícia, um jovem de 23 anos entrou em luta corporal com um PM e tentou tomar sua arma, momento em que houve um disparo. O rapaz identificado como Alexandro de Souza foi atingido na cabeça. Ele foi levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Oeste, mas não resistiu.

A confusão continuou e a viatura dos policiais foi danificada a pedradas. Os policiais chegaram a usar balas de borracha e uma bomba de efeito moral para conter os moradores. Ninguém foi atingido. Ainda no tumulto, moradores se revoltaram e incendiaram o primeiro coletivo.

 

EM

domingo, 23/11/2014

Motociclista é morto com 11 tiros na BR-116

[ad]DIVINO (MG) - O motociclista de Divino, Francisco de Assis Vieira, 25 anos, foi executado com 11 tiros na BR-116, neste sábado, 22/11.

A Polícia Rodoviária Federal registrou a ocorrência. O crime aconteceu por volta das 18h às margens da BR 116, localidade Corte Grande, região do município de Fervedouro.

Francisco de Assis Vieira foi executado com 11 tiros. Foram nove disparos de calibre 38 e dois calibre 12.

A vítima foi socorrida por uma ambulância de Fervedouro e levada ao hospital, mas não resistiu ao ferimentos.

O corpo foi removido para o Instituto Médico Legal (IML), onde passou por exame de necropsia e foi liberado a família.

Segundo a polícia, o assassinato pode ter sido motivado por uma briga anterior envolvendo a vítima e os suspeitos.

Foto: Jornal O Campeão

Foto: Jornal O Campeão

PortalCaparaó

domingo, 23/11/2014

Atentado suicida em jogo de vôlei mata 50 no Afeganistão

[ad]Cinquenta pessoas morreram e outras 60 ficaram feridas neste domingo em um atentado suicida durante uma partida de vôlei na província de Paktika, no leste do Afeganistão, anunciou à AFP o vice-governador provincial.
"O suicida estava em uma motocicleta e detonou os explosivos que carregava no meio de uma partida de vôlei", declarou à AFP Attaullah Fazli, vice-governador de Paktika.
Um primeiro registro fornecido pouco antes pelo Ministério do Interior informava sobre 25 mortos e 70 feridos.
Entre as vítimas há civis e policiais locais.
O presidente afegão, Ashraf Ghani, condenou rapidamente o ataque, indicou seu porta-voz na rede social Twitter.
"O presidente Ashraf Ghani condena nos termos mais enérgicos o atentado suicida no distrito de Yayha Khail em Paktika", acrescentou depois a Presidência em um comunicado.
"O presidente condena este ataque desumano e não islâmico, e acrescenta que esse tipo de massacre brutal de civis não pode ser justificado", prossegue o texto.

Foto: SHAH MARAI / AFP
O porta-voz do governo provincial, Mukhlis Afghan, declarou que a competição envolvia três distritos e atraiu um grande público.
"Por volta das 17h00 locais, quando a partida estava em seu apogeu, o suicida que - segundo acreditamos - estava em uma moto, detonou seus explosivos no meio da multidão", acrescentou, confirmando o registro de 50 mortos e 60 feridos.
Ninguém reivindicou a autoria do atentado até o momento. Os talibãs, que atacam geralmente as forças de segurança afegãs, não costumam reivindicar atentados contra civis.
O último ataque de grande violência contra civis no Afeganistão ocorreu no dia 15 de julho, quando 40 pessoas morreram em um atentado suicida cometido com um carro cheio de explosivos em um mercado da mesma província de Paktika.
O atentado deste domingo ocorre no momento em que as tropas da Otan se preparam para deixar o país, transferindo a responsabilidade da segurança para as forças afegãs.
Em 2015, apenas uma força estrangeira residual de 12.500 homens permanecerá no país para se dedicar principalmente à formação de integrantes das forças locais.

EM

domingo, 23/11/2014

Jovens contam como conciliam início da vida universitária longe da casa dos pais

[ad]A escolha da profissão veio com o novo jeito de viver: mais independente e longe da família. Anna Caroline Soares, 19 anos, deixou Palmas para estudar engenharia elétrica na Universidade de Brasília (UnB) no segundo semestre do ano passado. “Seria melhor estudar aqui do que em uma faculdade da minha cidade”, justifica. A jovem começou a se preparar para o voo solo ainda no ensino médio e com o apoio da mãe. Ainda assim, encontrou dificuldades quando desembarcou na capital do país. “No começo, eu morava em um pensionato e não gostava muito. Não conhecia muita gente e ficava muito tempo dentro do quarto sozinha. Minha mãe não me deixava mudar porque não tinha ninguém para morar comigo", conta.

A primeira tentativa em dividir um apartamento não deu certo, Anna não se sentiu confortável. “Era com a filha de uma amiga da minha mãe, mas tinha muitas exigências. Faltava tempo para muita tarefa doméstica”, diz. Depois de alguns meses tentando se acostumar com a vida longe de casa, a jovem encontrou uma nova companheira de apartamento. “No começo deste ano, eu passei a dividir uma quitinete com uma amiga que morou comigo no pensionato. Com ela, dá certo.”

Foto: Minervino Junior CB D.A Press

Ana Caroline veio de Palmas pra estudar na UnB e fala com os pais diariamente 

Para Anna, a parte mais difícil da rotina é não poder estar junto da família “Aos domingos, todo mundo se reunia na casa da minha avó para almoçar. É uma coisa de que eu sinto muita falta.” Apesar da distância, ela tenta se comunicar com os pais diariamente. “Quase toda noite, meu pai me liga. E minha mãe me manda mensagem sempre.” As ligações não são a única estratégia da jovem para matar a saudade de casa. “Fiz um álbum com algumas fotos e tento não ficar sozinha”, diz. “Lembrar que está compensando ajuda muito.”

Marco Antônio Teixeira, professor do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), ressalta que a saudade de casa é um sentimento comum a jovens que precisavam fazer mudanças para dar início à vida profissional. Nesse momento de transição, alerta o especialista, o apoio dos pais é essencial. “Eles normalmente não se sentem muito confortáveis com os filhos saindo de casa e expressam as preocupações, o que é importante. Mas é preciso apoiar também para que o jovem não se sinta desamparado, sem ter uma noção muito clara se pode ou não entrar em contato quando tiver que enfrentar um desafio maior.”

Teixeira também explica que não há como definir como será a adaptação de cada pessoa quando deixa de morar com a família e muda de cidade. “É uma oportunidade de crescimento. Pode ser um grande desafio para uns, outros podem lidar melhor com isso.” O especialista também ressalta a importância de evitar que as mudanças na rotina não impacte na estreia da vida universitária. Um mal-entendido ou uma frustração pode ser determinante quando se está começando a conhecer uma carreira. “A passagem do ensino médio para o superior é um modo de aprendizado diferente. Exige mais autonomia na hora de estudar. Essa mudança costuma assustar os alunos, podendo dificultar a adaptação.”

Mudança de estado
Segundo o Ministério da Educação, só no ano passado, mais de 15 mil pessoas mudaram de estado para fazer o curso superior em instituições públicas. O Paraná é a unidade da Federação com maior índice de calouros migrantes, 27% dos matriculados em 2013. Depois, vêm Santa Catarina (25%), Distrito Federal (23%) e a Paraíba (20%).

Taísa Godoy, 23 anos, viveu a experiência mais de uma vez. Aos 17 anos, ela saiu de Bela Vista, em Mato Grosso do Sul, para estudar em Dourados, no mesmo estado. “No começo, foi difícil. Eu queria voltar para casa por causa da pressão. Entrando na faculdade, passei a sentir dificuldade com os estudos, com as notas. Mas a gente se acostuma, amadurece”, conta . Depois de se formar em biotecnologia, em 2013, Taísa mudou de cidade de novo. “Fui para o Tocantins fazer um mestrado.” Ela ficou sete meses na cidade e teve que se mudar mais uma vez. “Meu orientador me aconselhou a vir para Brasília porque os laboratórios daqui são melhores”, explica.

Apesar de tantas mudanças nos últimos seis anos, Taísa não acha difícil se adaptar a novas cidades. Ela conta que uma das únicas dificuldades que sente é na hora de fazer as novas amizades. “Sou uma pessoa bem reservada. Por isso, tenho um pouco de dificuldade em conhecer as pessoas.” A saudade também está no topo dos obstáculos da trajetória trilhada. “Eu sinto muita falta das pessoas que foram ficando. Falo todo dia por telefone com meus pais e mantenho contato pelas redes sociais com os meus amigos.” Mesmo gostando da cidade em que mora há um ano, a biotecnóloga se prepara para seguir caminho. “Não pretendo voltar para a minha cidade, mas vou voltar para o meu estado e ficar mais perto da minha família”, planeja

Foto: Arquivo pessoal

Amanda da Silva não se adaptou à vida em São Paulo e conseguiu transferir sua pós-graduação para Brasília 

Tem que planejar
Amanda da Silva, 26 anos, saiu de Brasília para fazer pós-graduação assim que entregou o projeto final do curso de economia. “Fiz seleção em três lugares, além daqui. Dos que passei, preferi Campinas porque o instituto de lá é muito bom”, explica. Mas a mudança para São Paulo não saiu da maneira que a estudante havia planejado. “Tinha a ideia de ficar só um ano e voltar para fazer a parte prática. Não aceitaram meu projeto e me passaram um orientador que morava em Ribeirão Preto. A cada 20 dias, tinha que pegar um ônibus e ir para Ribeirão participar do meu projeto. Foi muito cansativo”, lembra.

Amanda da Silva não se adaptou à vida em São Paulo e conseguiu transferir a pós-graduação para Brasília (Arquivo Pessoal)
Amanda da Silva não se adaptou à vida em São Paulo e conseguiu transferir a pós-graduação para Brasília
Professor de psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Cloves Amorim ressalta que o planejamento exerce grande influência na hora da adaptação, mas os jovens precisam estar preparados, emocional e financeiramente, para os imprevistos. “Algumas vezes, há muitas fantasias que não se realizam.” Para lidar com as decepções, ele aconselha pensar em “um projeto mais consistente e realista; analisando os fatores e revendo estratégias.”

A nova realidade dificultou a adaptação de Amanda em São Paulo. “Foi muito difícil. Não gostei muito da cidade, achava tudo ruim. Juntando com a saudade da família, ficava ainda mais complicado. Uma duas ou três vezes, pensei em desistir, achei que não ia dar conta”, lembra. Outro ponto que pesou para a estudante foi o fato de ele ter feito a mudança muito rápido. “Eu apresentei minha monografia na sexta-feira e, na quarta seguinte, já estava indo. Foi tudo muito rápido e não tive tempo de absorver como seria.”

Depois de um ano em Campinas, Amanda conseguir voltar para Brasília para concluir a pós-graduação. Além da dificuldade na adaptação, um problema de saúde na família aumentou a vontade de voltar para casa e convencer a faculdade sobre a importância do retorno. “Eu expliquei o que estava acontecendo e eles aceitaram um projeto novo.”

Enquanto ainda morava em Campinas, a estudante procurou manter contato com a família para amenizar os problemas da nova rotina. “Eu vinha para Brasília mais ou menos uma vez por mês. Conversava com meu pai todos os dias por telefone. E, uma vez na semana, conversava por Skype com minha mãe e minha irmã. Sempre mantive contato.”

Amorim ressalta a importância do uso da tecnologia na fase de adaptação. “Ela facilita bastante a vida e proporciona uma transição mais segura e com o apoio virtual da família”, explica. Segundo o especialista, a relação construída anteriormente também é determinante no enfrentamento das dificuldades. “Uma família democrática, em que o sujeito vive regras e afetos na medida ideal, aumenta a probabilidade de ele desenvolver autonomia e resiliência para situações desafiadoras”, explica.

Em casa desde dezembro do ano passado, Amanda não se arrepende da experiência vivida: “Saí da minha zona de conforto. É complicado ir para um lugar onde você não conhece absolutamente ninguém, ter de se readaptar, começar tudo do zero. Apesar de ter sido muito difícil, a gente amadurece muito”, avalia.

UAI

domingo, 23/11/2014

Açúcar é um dos ingredientes mais questionados da alimentação diária

[ad]Vilão ou mocinho? O açúcar, colocado em xeque assim como o sódio e a gordura, é salvo por uns e apontado como “do mal” por outros. No entanto, profissionais da saúde concordam que o perigo está no excesso. Nina Rosa de Castro Musolino, presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), confirma que, há um ano, a entidade, ao lado da indústria e com o conhecimento do Ministério da Saúde, tem feito palestras e conversado a respeito de um possível acordo sobre a redução de açúcar nos alimentos industrializados. “É o primeiro passo para, futuramente, numa ação progressiva, conseguir o mesmo que ocorreu com o sódio.” Não existe um cronograma para redução do ingrediente nos alimentos industrializados. “Pedimos, neste momento, uma colaboração da indústria, mesmo porque a população terá dificuldade de aceitação. Reduzir o açúcar é um aprendizado.”

 

Foto: KHALED HARIRI

Segundo Nina, “o açúcar está presente nos alimentos, no leite, frutas, carboidratos, que na digestão libera a glicose, e é fonte de energia. Mesmo o açúcar refinado é aceitável, desde que dentro de quantidade razoável. O problema é o abuso do fast food, carboidratos, sucos industrializados, refrigerantes, guloseimas… O ideal é que a conscientização comece na infância. Prefira sempre fontes de nutrição como as frutas que, além da sacarose, têm fibras e vitaminas. É melhor fonte de açúcar do que o refinado, já que no processo de refinamento são adicionados produtos químicos.”

Além da obesidade, diabetes, dislipidemia (níveis elevados de lipídios no sangue), doenças mais comuns ligadas ao açúcar, a presidente da SBEM cita como riscos aumentados pelo seu consumo o da acidez gástrica (úlcera), a hipertensão e o desequilíbrio de um grupo de bactérias, que pode desenvolver doenças. “Por outro lado, estudos provam que um pouco de açúcar ajuda a manter a flora intestinal normal.” O problema, alerta Nina Musolino, é que vivemos a “tendência do radicalizar, uma onda de tirar o glúten, a lactose, o açúcar, o sal... A verdade é que todos os alimentos fazem parte e têm papel na nossa nutrição. E todos devem ser usados com moderação”.

Força na dança

Foto: Marcos Vieira EM D.A Press

A designer e analista de comunicação da Vallourec Débora Nunes Vera, de 40 anos, teve de aprender a limitar o açúcar para não adoecer. Ela conta que “nasceu gordinha” e com 8 meses seu pediatra já recomendava à sua mãe cortar o açúcar da sua alimentação. “Era leite puro e nada de mingau.” Mas na escola... “Não teve jeito e, como sempre gostei demais de doce, foi difícil me controlar. Balas, chocolates e sorvetes são perdições. Adulta, além de continuar a comer, aprendeu a cozinhar doces, torta holandesa, pavê, trufa... Com 7 anos já fazia brigadeiro e com 15 para 16 anos pesava 120kg. O doce passou a ser uma necessidade física. Tratei com psicóloga, endocrinologista e a grande preocupação da minha mãe era não tomar remédio. Ela me exigiu a dieta da boca e com 20 e poucos anos meu peso caiu para 98kg.”

No entanto, lembra Débora, o açúcar sempre a rondava. “Nunca consegui largar o doce. É aquela história: nervosa, feliz, triste, merecimento, sempre arrumava desculpa para um chocolate. Há três anos, num exame periódico, minha glicose deu bem alta, um pré-diabetes, e o triglicérides também, mesmo com o peso regular. Encontrei o endocrinologista Geraldo Santana, passei a fazer uma dieta seletiva e restritiva de carboidratos. Foi um desafio. Agora, cheguei aos 76kg, minha meta é 73kg, e os exames estão normais. Percebi minha relação estreita com o açúcar, já que se relaxar, a glicose sobe”.

Ela aconselha todos a terem moderação. “O açúcar dá uma falsa sensação de animação e felicidade. Quanto cortei, fiquei de baixo astral, mas com o tempo a animação foi maior e tenho mais energia. Agora, meu açúcar vem dos carboidratos, legumes, frutas, da alimentação balanceada. E chocolate só o amargo, 80% de cacau. Reeduquei meu paladar, acordo melhor e mais disposta, trabalho com tranquilidade e desde 2012 passei a dançar flamenco, minha atividade física. Sei que preciso viver com muito menos açúcar e tudo bem. É possível.”

A designer Débora Nunes, que chegou a pesar 120kg aos 16 anos e sempre teve que lutar contra a balança, tem na dança flamenca importante aliada para manter a forma (Marcos Vieira/EM/D.A. Press)
A designer Débora Nunes, que chegou a pesar 120kg aos 16 anos e sempre teve que lutar contra a balança, tem na dança flamenca importante aliada para manter a forma


Na medida certa

O nutrólogo Enio Cardillo explica que “o açúcar é novo na civilização. Antes era uma especiaria só consumida por quem podia pagar. Com o caminho das Índias, ele foi disseminado na alimentação, nos últimos 500 anos”. Cientista, professor de bioquímica por anos na UFMG e membro da Academia Mineira de Medicina, ele ressalta que “o açúcar é uma fonte de energia e de prazer. O excesso é prejudicial porque aumenta a glicemia e leva à supersecreção de insulina pelo pâncreas, com consequências ruins a médio e longo prazo. A decisão correta não é proibir, mas não abusar.”

Cardillo desmistifica a ideia de que o açúcar branco refinado é o terror se comparado ao mascavo, demerara ou mesmo ao mel. “A única diferença entre o branco e o mascavo é que o segundo tem mais minerais. É uma opção, mas em termos de saúde é tudo igual. E a qualidade do mel é só ser gostoso. Nada medicinal. Aliás, tem muita frutose, que é três vezes mais doce do que o açúcar.”

Quanto aos adoçante, qual seria o mais indicado - aspartame ou sacarina? Sucralose ou stévia? Cardillo é taxativo: “A população precisa ter consciência de que há uma guerra entre a indústria do açúcar e a do adoçante. Não existe nada comprovado de que o adoçante provocaria câncer, por exemplo. Sem abuso, o adoçante é uma opção. Há restrição para grávidas, já que ele poderia ter efeito sobre o feto”, afirma.

A diferença básica entre os adoçantes é que a sucralose não é absorvida. A stévia é uma planta, natural. O gosto deforma o paladar, mas não tem nada de errado. O ideal é consumi-la após refeições ricas em fibras, já que elas retardam a absorção da glicose.”

Compulsão
O diretor clínico do Instituto Mineiro de Endocrinologia, Geraldo Santana, reforça que o açúcar “não é diferente de outros carboidratos de absorção rápida, como os farináceos, arroz e batata cozida. Nosso organismo está preparado para lidar com quantidades moderadas. É um alimento que praticamente só contém energia, sem nutrientes como vitaminas, minerais ou aminoácidos. Não há nada de errado no seu consumo por crianças e adultos de peso normal, que praticam exercícios e têm bom gasto de energia. Para a população carente, é fonte de energia e alimento barato. Não teria justificativa tirá-lo da alimentação. Açúcar não é veneno, mas o fato é que 50% da população brasileira está acima do peso, esse, sim, um problema de saúde pública.”

O endocrinologista lembra que “no cérebro o açúcar estimula neurotransmissores que ativam os centros cerebrais de recompensa, detonando necessidade de quantidades cada vez maiores. É o caminho para que algumas pessoas mais predispostas se sintam dependentes. Aí já é preocupante, pois torna-se uma compulsão alimentar por alimentos doces”.

 

EM

domingo, 23/11/2014

Gordofobia se manifesta na família, no trabalho, na rotina

[ad]O Brasil despertou, nas duas últimas semanas, para uma forma de preconceito pouco debatida: a gordofobia. O estopim para isso foi o protesto de quatro misses plus size de topless na frente do Congresso Nacional, em Brasília.

O episódio que motivou o protesto foi o comentário de uma recepcionista de hotel, afirmando que a cama seria pequena para elas. Mas o preconceito contra os gordos vai muito além dos comentários maldosos e das piadas.

Em julho deste ano, a professora Mariana Cristina Justulin foi aprovada em um concurso público da rede estadual de ensino de São Paulo, mas não pôde assumir o cargo por conta de seu Índice de Massa Corporal (IMC), que era de 43 – o recomendado é entre 18,5 e 24,9. Em 2012, um estudo das universidades de Manchester e Monash, na Austrália, constatou que obesos sofrem mais preconceito em seus locais de trabalho.

Foto:Arquivo pessoal

Os julgamentos também vão além de ofensas explícitas. “Nós somos discriminadas no dia a dia. Se você é gorda e está chupando um picolé na rua, todo mundo vai olhar. Eles vão pensar ‘por que ela está tomando esse picolé se ela está daquele tamanho?’. Se um gordo está sentado sozinho em um restaurante, todo mundo vai olhar para o prato dele. Eu fico com vergonha de almoçar sozinha porque sei que vou ser julgada”, reclama Flávia Gon Soares, 29, Miss Brasil Plus Size Baixada Santista, que estava no protesto.

Foto: Adriana Líbini

Em muitos casos, a própria família discrimina o membro com peso acima do considerado ideal. “Em visitas a tias, não importava se fosse num intervalo de uma semana, um mês ou um ano, ao me ver, o primeiro comentário era se eu tinha emagrecido. Quando era recebida sem comentários sobre emagrecimento, era um sinal de que eu tinha engordado e o assunto surgiria algum tempo mais tarde”, conta a gerente de marketing Tereza Dias, 29.

Segundo a pesquisadora australiana Deborah Lupton, professora da Universidade de Canberra e autora do livro “Fat” (“Gordo”, em tradução livre), o preconceito contra obesos vem da imagem que se construiu de pessoas com esse biotipo. “Há uma ideia de que, se a pessoa deixa seu corpo ficar desse tamanho, ela é preguiçosa, gulosa, não tem autocontrole e não liga para sua saúde”, afirma.

Outro ponto que reforça o preconceito é a luta médica contra a obesidade. “Este é um dos problemas que os gordos identificam: nós deveríamos focar em aconselhar sobre estilos de vida saudáveis para pessoas de todos os tamanhos. Magros podem estar muito fora de forma e ter uma dieta pobre, então, o tamanho do corpo não representa, por si só, uma doença”, defende a pesquisadora.

O Tempo



Política de Privacidade | Entre em contato
© 2008-2014 plox.com.br Todos os direitos reservados. Primeiro portal de notícias e entretenimento do Vale do Aço