Crie ou Acesse seu email


terça-feira, 30/09/2014

Prédio onde funciona sede do comitê central de Dilma pega fogo

[ad]Um incêndio atingiu o oitavo andar do edifício onde funciona a sede do comitê central da campanha da candidata Dilma Rousseff em Brasília (DF), por volta das 18h30 desta segunda-feira. O fogo já foi controlado. Segundo testemunhas, o prédio foi evacuado assim que o incêndio começou e ninguém se feriu.

 

De acordo com síndico do prédio, Mário Ferreira, o edifício, construído há 20 anos, não tem alarme de incêndio e as pessoas souberam do fogo quando viram a fumaça. “O nobreak de uma empresa de eventos começou a pegar fogo. As pessoas ficaram apavoradas e desceram pra chamar os seguranças, que ligaram para o Corpo de Bombeiros”, disse.

 

Foto: Valter Campanato(Agência Brasil)

 

O médico José Costa, que trabalha no mesmo andar onde aconteceu o incêndio, diz que soube do fogo quando ouviu os gritos de pessoas do prédio vizinho. “Eu estava com um paciente e descemos desesperados. Aí os brigadistas desse e de outros prédio correram para tentar apagar o fogo, mas tiveram que chamar os bombeiros”, contou. De acordo com Costa, os bombeiros tiveram dificuldades para chegar ao prédio, devido à quantidade de veículos estacionados ao redor.

Agência Brasil

 

 

 

 

 

 

 

 

segunda-feira, 29/09/2014

Adolescente de 16 anos mata padrasto

 

[ad]SÃO JOÃO DO ORIENTE -  A Polícia Militar atendeu uma ocorrência de homicídio ocorrida na madrugada dessa segunda-feira (29) em São João do Oriente, no colar metropolitano no Vale do Aço.

Um adolescente, de 16 anos, confessou ter matado o padrasto, identificado como Marcelino Mariano da Silva, de 45 anos.

O homem foi morto com golpes de pá e a facadas. O jovem foi detido após relatar como teria praticado o homicídio.

Segundo a PM, o delito ocorreu na residência da vítima na rua Messias Costa Soares, no Monte Alto.

Segundo o adolescente,  o padrasto chegava bêbado em casa e  lhe espancava desde os oito anos de idade até ele completar 14 anos. O adolescente também alega que sua mãe era constantemente espancada por Marcelino.


Detalhes

O adolescente detalhou para a Polícia os fatos que antecederam o fato e também como o homem foi morto. Segundo ele,  Marcelino teria ficado até as 22 horas conversando com um primo dele, e após ingerir bebida alcoólica, chegou a sua residência e começou a procurar por um punhal de sua propriedade, ameaçando a mãe do adolescente, dizendo que iria matá-la caso o objeto não aparecesse.

paFoto: divulgação PM

Ainda segundo as palavras do autor confesso, ele, temendo pela sua integridade física e da sua mãe, se apossou de uma pá e a levou para seu quarto.

Por volta da 1h, Marcelino, ainda alcoolizado, teria ido quarto do menor e, xingando, lhe perguntou novamente pelo objeto desaparecido. Nesse momento, o adolescente o atingiu com a pá. O homem caiu ao chão. O menor foi até a cozinha, pegou uma faca, e atingiu a vítima várias vezes até matá-lo. Em seguida, arrastou o corpo pela casa e o jogou na calçada.

Em conversa com a mãe do adolescente, ela corroborou com a versão do menor, acrescentando que por volta das 10 h do domingo, já teria tido um desentendimento com a vítima, a qual saiu de casa por volta de 12h e retornou por volta de 18h.

Uma testemunha  relatou que ouviru Marcelino ameaçando a mulher, pela  manhã,  e que ela era agredida fisicamente constantemente pelo amasio, chegando a se esconder na residência da testemunha em várias ocasiões.  A mulher contou para a Polícia que ajudou o filho a limpar as manchas de sangue no chão do imóvel.

Foi acionada a perícia técnica, comparecendo ao local o perito Daniel Santos Carvalho, que, após realizar os trabalhos de praxe, liberou o corpo para a funerária a fim de conduzi-lo até o IML de Caratinga/MG.
 

segunda-feira, 29/09/2014

15ª edição do Festival Arte Viva de 7 a 31 de outubro em Timóteo

[ad] TIMÓTEO - No ano em que a Aperam South America completa 70 anos e a Fundação Aperam Acesita comemora seu 20º aniversário, o que não faltam são motivos para comemorar. Um dos motivos é a 15ª edição do tradicional Festival Arte Viva.

Com mais de 25 atrações entre os dias 7 a 31 de outubro, divididos entre o Centro Cultural e o Bosque da Fundação Aperam Acesita, o mês promete ser o verdadeiro palco da cultura em Timóteo.
 
A programação deste ano inclui shows, exposição, apresentações teatrais, oficinas e muitas outras atividades que contemplam diversas faixas etárias do público adulto. E para as crianças, uma programação super divertida, especialmente na semana dedicada a elas.

 Oswaldo Montenegro. (Foto: divulgação/Aperam)

No palco passarão desde artistas regionais já conhecidos e consagrados pelo público como o grupo Grupo Santinha do Pau Oco, Sô Zé e Banda Ema. Mas a programação também traz artistas já consagrados nacionalmente, como o comediante Mateus Ceará e os cantores Oswaldo Montenegro e Guilherme Arantes.

 Guilherme Arantes. (Foto: divulgação/Aperam)
 
Toda a programação é gratuita e os ingressos podem ser retirados na bilheteria do Centro Cultural, mediante à doação de um (1) litro de leite (caixa). Todo o leite arrecadado será doado para instituições sociais do Vale do Aço.

 Sô Zé. (Foto: divulgação/Aperam)
 
Cada pessoa de posse de um litro de leite poderá retirar até três pares de ingressos, sendo um par para eventos do teatro, e dois pares para eventos do bosque. Todos os ingressos para os espetáculos são limitados à capacidade do local.

 Matheus Ceará. (Foto: divulgação/Aperam)
 
Para as apresentações que serão realizadas no teatro, os ingressos podem ser retirados na semana que antecede o espetáculo. Já para os espetáculos do Bosque, os interessados devem procurar a bilheteria do Centro Cultural, no período de 1º a 31 de outubro, das 10h às 18h.
 
Mais informações sobre a programação da 15ª edição do Festival Arte Viva no site www.aperam.com/brasil.

 

 

 

 


 

segunda-feira, 29/09/2014

Pesquisadores mineiros usam fungos da Antártida para criar medicamentos

[ad]A possibilidade de desenvolver medicamentos para a cura ou tratamento de doenças como dengue, leishmaniose, de Chagas e malária a partir de fungos encontrados somente na Antártida é o objetivo do projeto MycoAntar, coordenado pelo professor Luiz Henrique Rosa, do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), cujos integrantes partem em novembro rumo ao continente gelado, para coletar esses micro-organismos.


Mas engana-se quem pensa que essa equipe é formada por “marinheiros de primeira viagem”. Esta será a sétima vez que o professor Luiz Henrique vai à Antártica e, pelo que parece, o interesse em torno da identificação de fungos com potencial de produzir medicamentos está aumentando. “Até então, nosso trabalho com fungos era parte de um projeto voltado ao estudo de micro-organismos. Tanto que nossas coletas se concentravam na península antártica (parte mais próxima à América do Sul). Agora, o foco do projeto, que vai até 2017, é apenas a coleta de fungos”, explica o coordenador, contando que os resultados dos estudos iniciados em 2006 renderam diversas publicações científicas, o que deu mais visibilidade ao estudo.

 

Foto: Luiz henrique Rosa/ MY Coantar/ Divulgação

 

Se a viagem está marcada para novembro, os preparativos já começaram há muito tempo. O coordenador de cada projeto desenvolvido na Antártida precisa mapear as regiões onde existe o interesse de passar, para estabelecer a rota que o navio vai seguir. De acordo com Luiz Henrique, a embarcação tem uma boa estrutura de laboratórios, mas é preciso enviar os equipamentos específicos para sua pesquisa. Como a Antártida é uma região inóspita, quem vai para lá precisa passar por um treinamento, dado pela Marinha do Brasil, a fim de conhecer suas particularidades e perigos e como lidar com eles.
 

Luiz Henrique, que já esteve lá por seis vezes, afirma que, na Antártida, o trabalho se desenvolve em função do clima, que muda muito rápido. “Ao mesmo tempo em que, às 9h, você tem céu azul, às 10h podem chegar ventos de 100km/h e, às 11h, uma tempestade de neve. Então, se o tempo ficar fechado, não há muito o que fazer. De repente, a previsão é de cinco dias bons e todo mundo trabalha muito, ainda mais que lá não tem noite”, conta.

 

Quem está indo para a Antártida pela primeira vez e já passou pelo treinamento é a estudante de ciências biológicas Débora Amorim Saraiva Silva, de 22 anos. “Ainda não caiu a ficha que eu estou indo para a Antártida, um lugar onde poucos têm a oportunidade de ir. Profissionalmente, é uma oportunidade única e uma trilha para seguir a carreira acadêmica”, disse. Segundo o coordenador do projeto, esse início de formação de um graduando é uma característica importante. “A prioridade é dos mestrandos e doutorandos, que precisam disso para escrever suas teses, mas tento sempre guardar uma vaga para um graduando”, conta Luiz Henrique.

O trabalho

 

Foto: Luiz henrique Rosa/ MY Coantar/ Divulgação


Nesta próxima temporada, as coletas de material para o estudo dos fungos estão focadas no gelo, neve e lagos. Até então, foram coletados materiais em solos, rochas, sedimentos e plantas. Depois de recolher o material, ele é enviado para um laboratório para análise, que pode ser no próprio navio, na Estação Antártica ou no próprio ICB. No laboratório, os fungos são isolados e identificados, para posterior cultivo. Quando a cultura está pronta, é a hora de se obter um extrato, que é enviado para pesquisa na Fiocruz, um dos parceiros do projeto MycoAntar.

 

A Fiocruz faz ensaios para descobrir se aquele extrato tem alguma atividade contra determinada doença. Caso positivo, começa o trabalho de identificação e isolamento da substância que combate a doença. “Mas, dificilmente, essa já será a droga pronta, e sim um protótipo, que vai precisar ser modificado. E isso demora em média de 10 a 15 anos”, explica o professor Luiz Henrique.

 

Hoje, o acervo de fungos coletados na Antártida pelo ICB é de 5 mil linhagens. O incêndio que ocorreu em 2012, na Estação Comandante Ferraz, chegou a destruir todo o material armazenado ali. Mas como o acervo do ICB era completo, o principal prejuízo computado no projeto foi a perda da estrutura de apoio no local. Essas linhagens podem ser divididas em dois grupos: os cosmopolitas, encontrados em várias regiões do mundo, e os endêmicos, que existem apenas na Antártida. A riqueza dos fungos endêmicos está no fato de eles serem capazes de produzir substâncias bioativas únicas. Mas as linhagens cosmopolitas também têm sua função: o estudo das mudanças climáticas, como o aquecimento global, pode ser constatado justamente pela redução das linhagens endêmicas e o aumento das cosmopolitas.

 

Foto: Luiz henrique Rosa/ MY Coantar/ Divulgação

 

A expectativa desta temporada é a coleta de um material mais vasto, já que a busca será feita numa região muito maior, expandindo o número de amostras, a possibilidade de identificar novas linhagens de fungos e, consequentemente, as chances de encontrar curas ou tratamentos para doenças. “Como a verba que banca a pesquisa é pública, buscamos usá-la para trazer benefícios para a população brasileira. Mas é um processo lento, e isso nem sempre é compreendido”, conta o coordenador do MycoAntar.


Com essa declaração, Luiz Henrique se refere à percepção que a população em geral tem a respeito de seu trabalho. “Já li comentários de pessoas revoltadas por estarmos coletando fungos na Antártida, declarando que essa verba deveria ser usada para construir hospitais. Ali, ficou claro que poucos conseguem enxergar que esse trabalho pode ser responsável pela cura de várias doenças no futuro”, explica.

 

E é para corrigir essa lacuna que entra o trabalho de Juliana Botelho, coordenadora do projeto de divulgação científica MycoProjector junto a mais três profissionais da comunicação. “O próprio edital da pesquisa previa que deveria ter um trabalho de divulgação. Nossa missão é dar visibilidade e, de alguma forma, justificar para a sociedade o investimento público, uma espécie de prestação de contas”, diz Juliana.

 

O objetivo do MycoProjector vai muito além de produzir alguns vídeos para hospedá-los no YouTube. O trabalho que vem sendo feito é a criação de uma plataforma que também possibilite a interação com o público. O plano de comunicação de Juliana envolveu a criação de um site sobre o MycoAntar, divulgação por meio de redes sociais, além dos planos de fazer, ao fim do projeto, um livro virtual e uma exposição fotográfica. Outro objetivo importante é promover a inclusão, por meio da produção de material acessível aos cegos e surdos-mudos.

Geopolítica

O coordenador do MycoAntar chama a atenção para a questão estratégica, que é a realização de pesquisas científicas na Antártida, um imenso continente inabitado e que tem porções reivindicadas por diversos países, mas que, por meio de um tratado, não pertence a ninguém. O continente guarda preciosidades, como o maior reservatório de água potável do mundo. Por isso é tão importante, geopoliticamente, atuar por ali.

Em

segunda-feira, 29/09/2014

Patrola desgovernada quebra muros de residências em Ipatinga

[ad] IPATINGA – Na manhã desta segunda-feira (29), por volta das 10h, uma patrola destruiu muros de duas residências localizadas na rua Faisão, no bairro Vila Celeste em Ipatinga.

O acidente ocorreu após o condutor tentar trafegar por um trecho íngrime para o veículo.

A patrola começou a descer de ré e atingiu os muros. Ninguém sofreu ferimentos e um morador disse que o condutor se comprometeu a pagar pelos danos causados.

A Polícia Militar e peritos compareceram ao local. O condutor da patrola afirmou que fez o possível para que o veículo não atingisse uma creche. 

 



 

 

segunda-feira, 29/09/2014

Carro "invade" ciclovia em avenida de Ipatinga

[ad] IPATINGA – Na madrugada desse domingo (28), por volta das 3h, um veículo Chevrolet Astra, placas DLM-4555, de Ipatinga, colidiu contra o meio-fio e "invadiu" a ciclovia da avenida Minas Gerais, no bairro Canaã, em Ipatinga, nas proximidades da Igreja Batista Getsêmani.

Segundo informações, o condutor do carro apresentava sinais de embriaguez e fugiu do local na garupa de uma motocicleta.

Não havia informação que confirmasse se o condutor era o proprietário do veículo.



Carro seguia sentido ao bairro Bethânia quando colidiu contra o meio-fio.

segunda-feira, 29/09/2014

Seminário “Arborização Urbana – Saúde Pública e Qualidade de Vida” em Ipatinga

[ad] IPATINGA - O salão de eventos do hotel San Diego, no bairro Horto, ficou lotado nesta sexta-feira (26), durante toda a manhã, no Seminário “Arborização Urbana – Saúde Pública e Qualidade de Vida”, promovido pela Prefeitura de Ipatinga em parceria com a Infrater e a Sociedade Brasileira de Arborização Urbana (SBAU).

Entre os presentes, um grande número de estudantes universitários, ambientalistas, dirigentes de Associações de Moradores e entidades, além de servidores de outros municípios da região.

O seminário foi aberto pela prefeita Cecília Ferramenta, que destacou a retomada de investimentos e programas para fazer de Ipatinga uma referência na área ambiental.

A Prefeitura destaca que a arborização é uma das principais marcas da cidade, que tem hoje uma das maiores áreas verdes por habitante do país. São aproximadamente 100 mil árvores plantadas em áreas públicas e um programa inovador de produção de doação de mudas à população.

Esse “patrimônio verde”, conforme Cecília Ferramenta, tem que ser cuidado por todos. Ela observou que a Prefeitura faz um grande esforço para manutenção das áreas verdes, mas é preciso que os moradores também se empenhem. “É preciso despertar nas pessoas o sentimento de ‘pertencimento’, mostrar que a cidade é de todos e que todos precisam ajudar a cuidar. Uma árvore representa mais do que a sombra: conforto térmico e melhoria da qualidade do ar são alguns dos muitos benefícios”, afirmou a prefeita.

De 9h até as 12h30, os participantes do seminário puderam assistir a quatro palestras, a principal delas com o biólogo gaúcho André Duarte Puente, presidente da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. O especialista destacou a necessidade de se fazer um planejamento e um trabalho permanente em defesa das árvores. Ele falou também sobre a legislação e as normas técnicas do setor. “Podar uma árvore não é tarefa simples, é preciso ter técnica e seguir uma série de normas”, ressaltou.

André Puente falou sobre a sua experiência como servidor da Prefeitura de Porto Alegre (RS) e sobre o trabalho da entidade que preside desde o início do ano. “Pela sua importância para o meio ambiente, e para a própria vida, precisamos conciliar as árvores com o desenvolvimento urbano, com a indústria, com as redes aéreas, ruas e calçadas públicas. A árvore está relacionada à saúde e à qualidade de vida, por isso temos que seguir normas para plantio e podas, e evitar, ao máximo, a supressão de qualquer espécie. As pessoas não podem fazer esse trabalho sem orientação, sem seguir as normas, pois o que seria uma solução, o plantio ou a poda da árvore, poderá se transformar num grande problema”, finalizou Puente.

Outro palestrante do seminário foi Rafael Fernandes Castro, gerente da Infrater, que presta serviços à PMI na área ambiental. Ele destacou a preocupação da atual Administração com a arborização, cuja manutenção é permanente. Rafael elogiou também o Viveiro Municipal, no bairro Jardim Panorama, que produz aproximadamente 25 mil mudas por mês, de espécies variadas, que são plantadas em áreas públicas e distribuídas gratuitamente à população. “É um trabalho que, além de técnica, requer paciência, zelo e bom senso”, observou.

Rafael Castro comemorou o resultado desse trabalho, que pode ser visto em 5 milhões de metros quadrados de áreas verdes e 36 mil m² de jardins espalhados pela cidade. De acordo com o gerente da Infrater, poucas cidades no Brasil têm uma infraestrutura ambiental como Ipatinga, mas ressalta que é preciso que a população se conscientize e ajude a cuidar desse “patrimônio verde”.

“É louvável a atitude de quem planta uma árvore, mas é preciso que isso seja feito com critérios: a espécie mais adequada para cada local, os cuidados para a sua conservação e outros detalhes. Da mesma forma, é preciso seguir as normas para podas, de modo que essas intervenções não acabem por matar a árvore. Com o envolvimento da população, fica mais fácil cuidar da cidade e ajudar a fiscalizar. Iniciativas como esse seminário ajudam a criar essa harmonia de que tanto precisamos”, concluiu Rafael Castro.

QUALIDADE DE VIDA

A importância das árvores em relação à saúde e à qualidade de vida foi abordada nas outras duas palestras do seminário, com o médico do trabalho Luiz Felipe Gonçalves e com o engenheiro agrícola Daniel Martins, professor da Unipac. Ambos mostraram que as árvores têm relação direta com as pessoas, e enquanto um dos palestrantes mostrou sua importância para a saúde, como a redução da incidência de doenças respiratórias, o outro fechou o ciclo falando sobre os reflexos da arborização da cidade na rotina dos moradores.

Em comum a todos os palestrantes foram os elogios à presença do “verde” em Ipatinga. “A quantidade e a diversidade de árvores na cidade chamam a atenção e encantam a todos. Uma cidade arborizada é mais saudável e alegre, pois as árvores são aliadas nº 1 da vida”, afirmou Luiz Felipe, que mora em Belo Horizonte. “Fico feliz quando conheço uma cidade que prioriza o meio ambiente e as árvores, que embelezam e dão vida”, completou o gaúcho André Puente.

 

 

 

 

segunda-feira, 29/09/2014

A uma semana da eleição, Dilma e Marina apostam na TV e Aécio faz esforço final

[ad]

BRASIL - As duas líderes da disputa presidencial escolheram estratégias semelhantes para a última semana da campanha. Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB) estão apostando no poder da televisão, seja na propaganda eleitoral, seja na participação em debates e aparições em telejornais, para forjar sua atuação antes do segundo turno. Correndo por fora, em terceiro lugar, o tucano Aécio Neves tentará seu último esforço de olho no voto anti-Dilma e apostando em dissidências no voto de Marina.

Nos últimos dias, Dilma cancelou sua participação em três grandes comícios da campanha em função do desgaste da presidente. Ela se ausentou em eventos que foram realizados em Pernambuco, no Rio Grande do Sul e em Brasília. Dilma tem dado sinais de desgaste na voz e até reclamado disso durante entrevistas coletivas. Esse cansaço de final de campanha é o principal motivo para que a presidente priorize agora suas aparições na TV.

Na última sexta-feira (26), a presidente gravou junto com o ex-presidente Lula para o programa eleitoral que será usado nesta última semana. Além disso, a presidente deverá dedicar um dia na preparação para o debate que será realizado na Rede Globo, na quinta-feira (02), considerado o mais importante debate da campanha. Corpo a corpo mesmo, Dilma fará em duas oportunidades como os dois grandes eventos de encerramento da campanha no primeiro turno.

eleiçõesFoto:Divulgação Ig

A presidente vai a São Paulo nesta segunda-feira (29) para um ato ao lado de Lula e do ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que disputa o governo paulista, mas ainda não foi capaz de atrair votos e patina na terceira posição numa campanha que deve ser definida em favor do tucano Geraldo Alckmin no primeiro turno.

Dilma também participará de uma carreata ao lado do ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Fernando Pimentel, que lidera a disputa pelo governo mineiro. O percurso inclui bairros da capital mineira e cidades da grande Belo Horizonte. Além desses dois atos, Dilma deverá chamar novas coletivas no Palácio da Alvorada e assim aproveitar o espaço nos telejornais.

Marina Silva

A exemplo de Dilma, Marina também deverá ter uma última semana sem grandes atividades. Marina deverá evitar viagens na última semana justamente para poder dedicar tempo a gravações do horário eleitoral e preparação para o debate da Rede Globo. Ela reservou esta segunda para um ato ao lado do candidato do PSB ao governo pernambucano, Paulo Câmara (PSB-PE), que recentemente ultrapassou o adversário Armando Monteiro (PTB-PE) nas pesquisas eleitorais. Sua passagem pelo estado será para atender a um pedido especial de Câmara, que solicitou o reforço final de Marina.

“Sobrevivemos a essa onda grande de ataques e a campanha se manteve resistente em meio a esse arsenal de Golias. Nossa avaliação é que a campanha deu certo”, diz Walter Feldman (PSB), um dos porta-vozes da campanha socialista. “Foi uma campanha que não se utilizou do vale tudo, foi uma campanha programática e não tem porque mudar isso agora. Vamos fazer na reta final aquilo que nos trouxe até aqui, manter a coerência e a linha programática”, acrescenta ele.

Sobre ataques dos adversários, Feldman assegurou que Marina não deverá gastar o pouco tempo que tem até o dia da eleição atacando adversário e que também deverá evitar entrar na onda de bate-boca de final de campanha. “Não vamos perder tempo com isso. Além do mais, quando nos atacam, nossos adversários gastam seu tempo. Os adversários perdem tempo atacando Marina”, afirma ele. “Vamos mostrar que é possível avançar nas conquistas sociais muito mais do que o que foi feito por esse governo do atraso”, acrescenta ele.

Além da passagem por Pernambuco, Marina também deverá cumprir agenda no Rio de Janeiro e fazer um ato em São Paulo, reforçando a campanha no maior colégio eleitoral do país e assim permanecendo próxima ao seu comitê sede e aos locais de gravação da propaganda eleitoral. “Não dá muito tempo para sair daqui” por causa de debates e gravações para o horário eleitoral”, diz Feldman.

Tudo ou nada

A campanha tucana vai para o tudo ou nada. E nesse esforço final a ideia é otimizar os recursos partidários. E por recursos, ênfase aos recursos humanos. O PSDB planeja nesta última semana fazer uma campanha frenética para tentar levar Aécio ao segundo turno. O partido deverá usar seus principais quadros para buscar votos ao eleitor anti-Dilma e anti-PT e também o eleitor que ainda não está totalmente seguro quanto a Marina. Daí pretendem explorar muito ataques a candidata do PSB sob o argumento de inexperiência.

Nessa estratégia, José Serra, Geraldo Alckmin, Aloysio Nunes e todos os nomes de peso do partido serão acionados para reforçar esse discurso. O próprio Aécio, ao contrário de suas adversárias, não deverá diminuir o ritmo da campanha, que aliados reconhecem, tem sido intenso para o próprio Aécio. O comitê tucano identificou tendências de queda nos índices de Marina e pretende explorar esse ponto fraco da adversária com vigor. Daí abusará do discurso da experiência e do preparo de Aécio e vender a ideia de que Marina não tem condições de realizar a mudança que o eleitor desejaria.

Durante os atos, os tucanos procurarão passar uma imagem de otimismo e de crença na virada que poderia levar Aécio a disputar o segundo turno. A regra é empenho total até o último instante. Os candidatos a disputas proporcionais também deverão ter papel importante nesse trabalho final da campanha, já que os aliados de Aécio ainda apostam que é preciso combater o desconhecimento do nome do candidato. Por isso, os candidatos a deputado poderiam fazer um trabalho de formiga levando o nome de Aécio ao eleitor.

 

Ig

segunda-feira, 29/09/2014

Brasileiro vai para a Ucrânia lutar junto com separatistas

[ad]

A vontade de servir ao país e de ser militar sempre existiu. Mas, ao que parece, o sonho do ativista Rafael Marques Lusvarghi, 30, extrapolou aquilo que o filho mais velho de uma professora de biologia e de um pequeno empresário havia imaginado para si mesmo.

Primeiro brasileiro a integrar a equipe de voluntários da “Brigada Continental”, um braço armado da “União Continental”, o combatente, que já se autodeclarou “de esquerda e stalinista”, está na Ucrânia, na região denominada pelos rebeldes separatistas como Nova Rússia, que surgiu a partir da fusão das cidades de Lugansk e Donetsk, em maio deste ano. Em entrevista exclusiva a O TEMPO, ele contou sobre sua decisão de servir junto aos rebeldes pró-Rússia, falou do dia a dia em território ucraniano e do apoio que recebe da família.

Paulista, de Jundiaí, o ativista ficou conhecido durante as manifestações na Copa do Mundo, no Brasil. Acusado de ser um dos líderes do movimento black bloc e de atos violentos durante o Mundial, Rafael chegou a ficar 45 dias preso em São Paulo. Ele foi solto em agosto deste ano, após a Justiça de São Paulo absolvê-lo das acusações de liderar protestos com depredações portando explosivos.

ativistaFoto:Reprodução/facebook

Para Lusvarghi, o conflito na Ucrânia faz parte de uma guerra global que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e os norte-americanos têm feito no mundo. Esse, segundo ele, teria sido um dos motivos que o levaram ao leste ucraniano. “Eu decidi responder ao chamado internacional que foi feito por eles (União Continental). Esse grupo decidiu defender a população da região de Donbass que pegou em armas legitimamente contra a agressão da junta de Kiev. Os separatistas são, na verdade, os de Kiev, pois quiseram forçar a população a abandonar suas tradições e conexões com a Rússia”, revela Lusvarghi, acrescentando que foi muito bem recebido e que ficará até a “vitória final”.

Dia a dia Vivendo uma rotina de uma unidade militar, que inclui guarda, organização e disciplina, o ativista conta que, por hora, participa de treinamentos. “Tenho a responsabilidade de chefe de grupo, pois fui legionário no 2º Regimento Estrangeiro de Paraquedistas”. Além de participar da formação de voluntários sérvios, russos e franceses, Lusvarghi diz que apesar de já ter treinamento militar, ele está recebendo especialização em armamentos soviéticos, que foram recuperados no estoque do Exército ucraniano.

Tendo como comandante o colombiano Victor Alfonso Lenta, o combatente afirma que a presença de um latino o faz sentir mais a vontade, apesar da boa recepção dos russos. E enfatiza que gostaria de ver mais voluntários latino-americanos junto ao grupo. “Eu gostaria muito que outros latino-americanos viessem para cá, pois é necessário que a América Latina recupere sua veia revolucionária”, elucida Lusvarghi.

Organização

Sérvia. A União Continental foi criada em Belgrado, na Sérvia, em janeiro de deste ano. Segundo definição de Rafael Lusvarghi, ela é uma síntese entre o Hezbollah e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Família apoia ‘paixões e ideologia’

O mais velho entre quatro irmãos, Rafael Lusvarghi diz que a família o apoia. “Meu irmão Lucas era a favor que eu ficasse no Brasil, mas respeita minhas paixões e a minha ideologia. Meu irmão Fernando inclusive me deu apoio material para que pudesse vir à Rússia. Tenho também uma irmã de 5 anos que não entende muito, mas, segundo minha mãe, gosta de me ver em uniforme”, revela.

Quanto aos pais, o ativista afirma que eles têm suas preocupações, que são normais, mas espera que eles já estejam acostumados.

Otempo

segunda-feira, 29/09/2014

Após anos de reinado virtual orkut será desativado amanhã

[ad]

Ele parou no tempo. E isso, no universo frenético em que está inserido, é pecado mortal. Outrora a maior rede social do Brasil – chegando, no auge, a 40 milhões de usuários – o Orkut dá seu adeus definitivo no próximo dia 30 (quarta), quando o Google vai tirá-lo do ar, fechando um ciclo que começou em 2004. A notícia não chegou a ser uma surpresa, já que não é de hoje que ele vai mal das pernas. No entanto, não deixou de ser um baque, não só para os muitos usuários que ainda se mantinham ativos – eram 6 milhões em dezembro do ano passado, segundo a consultoria de mensuração de audiência comScore –, mas para outros tantos que guardam um carinho especial pelos tempos áureos da rede e que dela sentem “sdds” (saudades, em abreviação comum na internet).

A nostalgia é justificada, afinal o Orkut tem um papel fundamental na história da internet no Brasil. “Foi uma grande revolução social mesmo, porque, como não tinha hierarquia, o meu espaço lá dentro era igual ao do milionário e do cara lá no sertão”, explica Bia Granja, fundadora do youPIX, plataforma focada em discutir a cultura da internet.  “Ele acabou mostrando um Brasil verdadeiro pra quem vivia numa bolha. Daí, inclusive, veio a expressão ‘orkutização’, que seria quando as pessoas mais pobres se apropriam de uma coisa e a estragam. Mas não é estragar, é usar do modo delas. Outro legado importante foi como lugar de mobilização, em que a fala de pessoas comuns começou a ter mais peso. Um exercício de empoderamento que acabou culminando com os protestos de junho de 2013”, diz.

fãFoto: Moisés Silva

Muita gente, inclusive, passou a usar o computador e a internet pra poder entrar no Orkut, como lembra o pesquisador da área de engenharia de software e “provocador-chefe” da rede de empreendedores Ikewai, Silvio Meira. “Para um número muito grande de pessoas que não consome cultura num sentido mais formal (indo a um concerto, por exemplo), o que importa é o relacionamento com as pessoas, com os amigos. E isso criou no imaginário de milhões a necessidade de entrar na internet, o que acabou contribuindo para o processo de inclusão digital no país”, explica.

Há muito tempo, no entanto, Meira previu que a ferramenta estava fadada ao óbito. Em 2011, antes mesmo de o Facebook ultrapassar oficialmente o Orkut em número de usuários, o especialista deu uma entrevista à revista “Veja” dizendo que a rede social já estava morta do ponto de vista da inovação e do negócio. “Teve gente que me perseguiu, disse que eu era um idiota, mas antes de 2009 já era óbvio que o Google não tinha nenhuma estratégia para garantir a sobrevida do Orkut, que foi um acaso tecnológico dentro da empresa”, explica.

Diário virtual

Muito antes do anúncio oficial do fim, usuários brasileiros já davam indícios de que sentiam falta da “internet arte, internet moleque” dos tempos de Orkut. Sinal disso são as páginas “sdds orkut” e “Unidos Pelo Orkut”, criadas no Facebook em agosto de 2012. A primeira tem mais de meio milhão de curtidas e, no início, trazia “pérolas” retiradas do Orkut. Hoje não se restringe mais ao que acontecia naquela rede, publicando qualquer imagem que traga em si o “espírito” que ela trazia. A segunda, com cerca de 65 mil curtidas, se dedica a comparar o Orkut a outras redes sociais, mostrando como ele era melhor – sempre com muito humor. Há ainda a “Comunidades do orkut”, criada no início de 2013, que tem 24 mil seguidores e reúne comunidades com propostas engraçadas, uma das principais características da rede social.

orkutFoto:Divulgação

No site “BuzzFeed”, um post elenca os “30 motivos que fazem do Orkut o melhor e mais louco site de todos os tempos”, foi visto mais de 130 mil vezes. Nele são lembradas práticas muito específicas do tempo orkutiano que nenhuma outra ferramenta absorveu, como o envio de “depoimentos” para homenagear os amigos, as avaliações de quão “confiáveis, legais e sexies” eles eram e práticas como só adicionar quem deixasse “scrap” (recado), além do uso dos depoimentos como mensagens privadas, já que o sistema próprio do Orkut para isso era falho. Outro traz “27 imagens que vão convencer o Google a cancelar o fim do Orkut”.

Para o autor dos posts, o redator do site Rafael Capanema, a comoção é motivada muito mais pela lembrança de uma época do que pela falta da plataforma em si. “Não é que as pessoas queriam voltar, senão elas estariam lá. O que vai fazer falta é o espírito mais livre que existia naquele tempo”, diz.

O que não quer dizer que o Orkut não tenha mérito por provocar isso nas pessoas. Afinal, o mensageiro instantâneo MSN Messenger chegou a ter cerca de 50 milhões de usuários no Brasil e sua aposentadoria, em abril do ano passado, sequer gerou frisson. Para Bia Granja, isso tem a ver com a forma de apropriação de cada plataforma. “O MSN era só uma ferramenta de bate-papo, não era repositório da vida, do que eram as personalidades, não tinha as comunidades que as definiam. O Orkut foi grande diário pessoal de muita gente durante muito tempo e ninguém joga diário fora”.

Chineses podem por em risco supremacia do Face

Desde que suplantou o Orkut, o Facebook reina absoluto como maior rede social do Brasil (com 76 milhões de usuários atualmente) e no mundo (1,15 bilhão, no total). E a professora do departamento de comunicação social da UFMG, Joana Ziller, acredita que essa supremacia deve continuar. “No curto prazo, é bem provável que ele mantenha a força. Mas a gente começa a ver outras que vão se afirmando sem substituí-lo, como o Instagram e o WhatsApp”, diz. Ambas, inclusive, foram compradas pela empresa de Mark Zuckerberg. A compra faz parte de sua estratégia de se manter no topo.

Daqui a alguns anos, no entanto, o pesquisador de engenharia de software Silvio Meira acredita que farão parte da nossa realidade as ferramentas chinesas. “O gigante de comércio eletrônico Alibaba Group entrou na bolsa de valores na semana passada levantando US$ 21,8 bilhões. Para se ter uma ideia, o Facebook, quando entrou, levantou US$ 16,01 bilhões. Lá, as empresas de tecnologia têm liberdade para crescer sem a concorrência das grandes ocidentais e chegam aqui já com um mercado gigantesco”, explica. Meira diz que, no futuro, provavelmente vamos ouvir falar das redes sociais chinesas QQ e Sina Weibo.

Nova tentativa

O próprio Orkut Buyukkokten, turco criador da rede social que batizou com o próprio nome, está em uma nova empreitada nesse ramo: a Hello Network.

A página do projeto que ainda não foi lançado oficialmente o descreve como “uma comunidade única de usuários que celebram a amizade, imaginação, expressão e engajamento autêntico em um ambiente seguro”. Além de ter uma identidade visual roxa, como o Orkut, a rede também deve se organizar sob a lógica das comunidades.

MEMÓRIAS DOS ÓRFÃOS DO ORKUT

Colecionar scraps, dar uma conferida na sorte do dia, fazer novas amizades, discutir, e até mesmo brigar nas comunidades, trocar depoimentos, vibrar quando aumentava seu índice de “legal”, “confiável” e “sexy”, colecionar fãs, achar informações sobre qualquer assunto que você pesquisasse. E, posteriormente, brincar com os aplicativos, como o Colheita Feliz e o Buddy Poke. Mais do que curtir tudo o que foi proposto no projeto ‘Orkut’, o brasileiro foi além.

Berço da “zoeira” na internet, a rede social foi apropriada de maneiras que devem ter deixado seu criador de cabelo em pé. Um dos principais exemplos disso são as comunidades, que foram de espaço para a reunião de pessoas em torno de determinado assunto a piadas em si mesmas – com as duas funções coexistindo.

Um dos maiores criadores de comunidades-piada foi o hoje publicitário paulistano Bruno Predolin, 27. Usando um perfil em que se identificava apenas como “B!” e não mostrava seu rosto – para ter liberdade de inventar sem ser considerado “sem noção” –, ele foi o autor de 715 delas, como as autoexplicativas “Leitores de Livro Alheio” e “Enganadores de Si Próprios” e a “Meu Plano de Fuga na Infância”, cuja descrição era “Dizia que ia sair de casa, arrumava as coisas, batia a porta e saía gritando ‘Nunca mais vou voltaaaar’. Dava uma volta no quarteirão e voltava chorando para casa”. Todas tinham mais de 3.000 membros (número grande para a época).

“Era uma forma de exercitar a criatividade. Basicamente, eram ideias que eu tinha durante o banho e o sono – dormia com um caderninho do lado cama e, no dia seguinte, criava as comunidades”, lembra. As boas ideias da época do Orkut acabaram rendendo a ele um emprego. “Eu comecei a colocar que era o ‘B!’ no meu currículo e isso gerava assunto nas entrevistas. Acabei conseguindo uma vaga para trabalhar com redes sociais”, conta.

Menos popular, mas carregado do mesmo espírito era o comportamento do designer belo-horizontino Ródney Arôuca, 26, que criava perfis falsos (“fakes”, como eram chamados) ou alterava o seu para fazer graça. “Eram praticamente meus heterônimos, eu mudava minha atitude completamente”, diz. “Uma vez, eu mudei o meu perfil de forma a fazê-lo parecer com um de um padre, entrei numa comunidade sobre ‘Pokémon’, cheia de adolescentes, e escrevi um texto imenso sobre como o desenho japonês era uma coisa demoníaca, citando versículos da Bíblia e tudo”, diverte-se.

Rodney, por acaso, é hoje um dos membros fundadores do grupo “Orkut – Back-up” no Facebook, que tem cerca de 14 mil membros e a proposta de armazenar o maior número de momentos divertidos da rede que vai acabar. “Era um grupo de uns 30 amigos que eu inclusive conheci no Orkut, nós brincávamos de mudar seu nome de tempos em tempos. Quando saiu a notícia de que o Google iria encerrá-lo, nós mudamos para o nome atual e ele começou a crescer”, conta.

Os integrantes originais acabaram migrando para um novo grupo e deixaram o antigo para os saudosos do Orkut. A também designer Bela Bordeaux, 24, foi uma das amigas que Rodney chamou para ajudar a administrar o novo formato do grupo, por seu humor parecido com o dele e, obviamente, por ter sido usuária assídua do Orkut.

“Eu usava pra pesquisar assuntos do meu interesse, mas também gostava da idiotice”, diz. Ela também praticava a arte do “stalkeamento” (vigiar a vida dos outros sem que eles soubessem), uma das funções em que o Orkut era mais eficiente – pelo menos antes da ferramenta que passou a denunciar visitas recentes. “Eu ‘stalkeava’ algumas pessoas em quem eu tinha interesse afetivo, mas muitas eu acompanhava sem nem saber quem eram, só porque as achava engraçadas”, lembra.

Última tentativa

Para os usuários que seguem ativos no Orkut até hoje, houve um pequeno sopro de esperança: o estudante paraibano Peter Shelton, 23, criou uma petição online direcionada ao Google no site Avaaz, solicitando à empresa que não encerrasse a rede social. O documento chegou a quase 90 mil assinaturas virtuais, mas o gigante das buscas sequer deu uma resposta aos requerentes.

A boa notícia é que ele encontrou alternativas. “Existe o VK, que é russo e une o útil ao agradável: a linha do tempo do Facebook e as comunidades do Orkut. E tem também o Grupia, que é uma startup brasileira para onde algumas das comunidades têm migrado”, diz.

SALVE SUA HISTÓRIA:

Se você ainda não fez o backup dos seus dados (fotos, recados, depoimentos e participações em comunidades), não precisa sair correndo (se estiver lendo antes do dia 30) ou se desesperar (se for depois desta data). Apesar do fim do Orkut acontecer agora, será possível retirar os dados até 30 de setembro de 2016. Já as comunidades públicas serão preservadas em um “arquivo de comunidades” aberto ao público.

Passo 1: Acesse a página do Google Takeout (no endereço www.google.com/settings/takeout/custom/orkut) e faça login com a conta que você usa no Orkut;
Passo 2: Clique no botão “Não selecionar nenhum” e, em seguida, selecione apenas o Orkut. Clique em “Próxima”;
Passo 3: Escolha o formato do arquivo que será gerado (.zip é o mais indicado) e o método como deseja recebê-lo. Clique em “Criar arquivo”.
Passo 4: Independentemente do método de recebimento escolhido, você pode clicar em “Fazer download” e baixar o arquivo direto da página.

OTempo

segunda-feira, 29/09/2014

Empresário atira em alunos na porta de escola e menino perde visão em MG

[ad]

BELO HORIZONTE - Um empresário de 48 anos foi preso após atirar contra um grupo de alunos, na manhã desta segunda-feira (29), na porta de uma escola do bairro Camargos, na região Noroeste de Belo Horizonte. O suspeito atingiu um estudante de 14 anos, que perdeu a visão do olho esquerdo.

De acordo com a Polícia Militar, o suspeito, que é vizinho da Escola Estadual Elpídio Aristides de Freitas, localizada na rua Maria Antônio Fragola, estaria incomodado com o uso de drogas pelos alunos, o que aconteceria na porta do seu imóvel. Ele já teria pedido que os jovens se retirassem do local, mas não foi atendido.

tiroFoto: Copyright Primeira hora

Nesta manhã, ele saiu da residência com a arma, foi em direção ao grupo e atirou. "Ele chegou perto e disparou. O tirou pegou no olho do menino. Direto eles usam maconha lá na porta e ele já tinha pedido para isso não acontecer", contou um aluno a instituição.

A vítima foi socorrida e encaminhada ao Hospital de Pronto-Socorro João XXIII. Segundo a polícia, o adolescente já foi apreendido várias vezes por roubo e envolvimento com o tráfico de drogas. O agressor foi encaminhado a uma companhia do 5º Batalhão e afirmou que só tinha a intenção de assustar os estudantes. Ele foi preso com uma arma calibre 32 e pode responder por tentativa de homicídio e porte ilegal de arma.

As aulas ocorrem normalmente nesta manhã, mas nenhum responsável ainda falou com a reportagem.

Otempo

segunda-feira, 29/09/2014

Aumentam acidentes em trechos em obras da BR-040 e BR-381

[ad]

MINAS GERAIS - O corredor formado por cones e barris laranjas é tão estreito que mal sobra espaço para uma carreta trafegar. Do outro lado dessas barreiras, na lateral da rodovia, caminhões e máquinas pesadas, como rolos compressores, fresadoras e acabadoras, trabalham na pavimentação. Mesmo com dificuldades para circular neste espaço restrito, motoristas imprudentes não se intimidam: deixam de reduzir a velocidade de seus veículos e até trafegam pelo acostamento para tentar escapar das filas. Esse comportamento tem contribuído para aumentar a insegurança nas principais rodovias que passam por Belo Horizonte, as BRs 040 e 381, no momento em que ambas passam por obras de ampliação. Na BR-040, sentido Rio de Janeiro, por exemplo, a velocidade máxima nos trechos em obras é de 40km/h, mas o Estado de Minas registrou em uma manhã que a média de velocidade chegou a 65km/h. Ou seja, a maioria dos condutores trafegava com velocidade 62,5% acima da permitida.

Somadas, as duas rodovias registraram aumento de acidentes e feridos durante o período de intervenções para ampliação, na comparação com o mesmo período do ano passado. Foram 885 acidentes em 2013 (alta de 2%) e 901 neste ano. O número de feridos cresceu de 586 para 719, com aumento de 23%. O número de mortos caiu ligeiramente, de 52 para 49 (-6,1%). A alta nessa estatística leva em consideração um pequeno período de obras na BR-040, a partir de junho, ainda que a rodovia tenha registrado acidentes graves nas áreas de obras, como o tombamento de uma carreta na altura do Km 602, em Congonhas, que deixou a via fechada por 15 horas no último dia 3.

obrasFoto:Beto Novaes/em.da press

Os abusos dos motoristas que passam por lá aumentam o perigo nas duas áreas que recebem intervenções de recapeamento, em Congonhas e em Conselheiro Lafaiete. As placas que antecedem o corredor de cones dos canteiros de obras limitam a velocidade a 40km/h, que, para efeitos de comparação, é o máximo recomendado pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) para vias de trânsito local, aquelas caracterizadas por “garantir acesso local ou a áreas restritas, usadas apenas por veículos restritos ou com algum interesse, como as ruas de um condomínio fechado, por exemplo”, informa o Contran.

“Ninguém respeita os limites que são para nossa própria segurança. Já vi carretas passando por aqui a 100km/h, por cima dos cones mesmo”, conta o encarregado de pavimentação do trecho de Conselheiro Lafaiete Liomar Silva Pereira, de 37 anos. “A gente não escuta direito quando está na obra, por causa do barulho, e acaba se assustando quando vê um caminhão de 20 toneladas passar raspando”, acrescenta. Carlos Augusto Andrade, de 35, técnico em segurança do trabalho no canteiro de obras, afirma que a sinalização tem pouco efeito sobre os motoristas imprudentes. “Nossa sinalização alertando para a obra, para homens trabalhando e restrição de velocidade, começa 1.500 metros antes da intervenção na pista. A 1.000 metros as reduções de velocidade são para 40km/h, mas nada disso consegue fazer os motoristas reduzirem. E o pior são os maiores, os carreteiros”, disse.

Culpa da imprudência

Coube à BR-381, a Rodovia da Morte, fazer a diferença estatística no período das obras, entre maio a julho, comparado ao mesmo intervalo de 2013. Os óbitos em acidentes subiram de 31 para 36 (16%), os feridos de 366 para 488 (33%) e os acidentes de 543 para 561 (3%). De acordo com o doutor em engenharia de transportes e consultor da área Frederico Rodrigues, a realização de obras torna os trechos muito mais perigosos. “Sem dúvida, locais com intervenções aumentam o índice de acidentes, principalmente por causa da imprudência”, afirma. E essa constatação, segundo o especialista, não é apenas uma impressão. “Fiz muitos planos de segurança rodoviária onde tem obras. Mesmo com sinalização e tudo de acordo com os manuais, as pessoas dirigem acima da velocidade segura. Em vez de reduzir, (o condutor) fica irritado por causa da fila ou do fim de uma faixa e age de forma imprudente”, disse.

De acordo com o chefe do Núcleo de Comunicação Social da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Minas Gerais, inspetor Aristides Amaral Júnior, os agentes que cobrem os trechos de rodovias em obras orientam os operários e responsáveis a posicionar placas de velocidade e alertas em locais adequados. “São pontos onde o motorista deve obedecer à orientação da sinalização, que tem sido muito bem feita. Se fizer isso, pode trafegar com segurança, principalmente porque não estão ocorrendo intervenções à noite, o que é mais perigoso”, disse o policial.

Veja abaixo o vídeo postado no site youtube sobre as obras de duplicação:


Estado de Minas

segunda-feira, 29/09/2014

Pesquisa aponta que brasileiros estão em 5º na lista dos mais satisfeitos com a vida

[ad] O Brasil é o quinto país do planeta onde as pessoas estão mais satisfeitas com a vida. Segundo uma nova pesquisa que mede o bem-estar das pessoas pelo mundo, 39% dos brasileiros gosta da vida que leva.

O levantamento “Global Well-Being Index” foi realizado pela consultoria Gallup and Healthway e entrevistou mais de 133 mil pessoas em 135 países. Foram levados em consideração os quesitos propósito, social, financeiro, comunidade e físico. O primeiro do ranking foi o Panamá, onde 61% das pessoas consideraram ótimos três ou mais fatores.

“A impressão que eu tenho é que se trata mais de uma forma de ver a vida. Apesar dos problemas sociais e estruturais, as pessoas estão felizes”, diz a doutoranda em antropologia Claudia Fioretti Bongianino, que mora no Panamá.

Costa Rica e Dinamarca ficaram em segundo e terceiro lugares. No fim da lista está a Síria: 99% consideraram sofríveis três ou mais dos quesitos. O penúltimo país em nível de bem-estar é o Afeganistão.

Essa percepção tem efeito amplo. “Pessoas com mais bem-estar se recuperam mais rapidamente, são mais capazes de cuidar de suas necessidades básicas, de contribuir para o sucesso de suas comunidades, empresas ou países”, afirma o relatório da pesquisa.

 

Fonte: O Tempo

 

 

segunda-feira, 29/09/2014

Representante do Ceará é eleita Miss Brasil 2014

[ad]

CEARÁ - Com 1,68 metros de altura, e exalando simpatia e beleza, a modelo Melissa Gurgel, 20 anos, representante do Ceará, venceu o Miss Brasil 2014, realizado no Centro de Convenções do Ceará, na noite de sábado (27). Coroada pela Miss Brasil 2013, Jakelyne Oliveira, Melissa vai  representar o país no Miss Universo 2014, que será realizado em Miami Beach, nos Estados Unidos, no dia 18 de janeiro de 2015.

Melissa  foi eleita a mais bela do Brasil, após disputar o título com outras  candidatas   de estados brasileiros e do Distrito Federal.  As modelos se apresentaram com cinco trajes diferentes: típico, casual, biquíni, gala e maiô. Elas também responderam perguntas feitas pelos jurados, sobre diversos assuntos, entre eles a educação do país.

missFoto:Facebook/ reprodução
Fernanda Leme, de São Paulo, conquistou o segundo lugar do concurso. Em terceiro, Deise Benício, representante do Rio Grande do Norte. As duas ganharam uma viagem para o México.

Melissa, além da coroa avaliada em R$ 14 mil, foi agraciada com um carro 0km, no valor de R$ 40 mil, e um vestido de gala.

 

Otempo

segunda-feira, 29/09/2014

Homem invade hotel em Brasília e coloca colete com explosivos em refém

[ad]

BRASÍLIA - Um hotel no centro de Brasília foi esvaziado no início da manhã desta segunda-feira (29) depois que um homem algemou um funcionário e o vestiu supostamente com um colete com dinamites. De acordo com testemunhas, ele fez o check-in por volta das 7h30. Às 8h, subiu para o 13º andar e bateu de quarto em quarto mandando os hóspedes descerem e informando que se tratava de uma ação terrorista.

Agentes do Corpo de Bombeiros e das polícias Civil e Militar isolaram a área e terminaram de retirar os cerca de 300 hóspedes. Até as 10h40, o refém havia sido exibido cinco vezes na sacada do hotel.

Um publicitário de Ribeirão Preto (SP) que está no DF a trabalho conta que foi abordado pelo homem às 8h40. "Ele bateu na porta do meu quarto e mandou juntar todas as coisas e descer. Estava armado e com o mensageiro já algemado, cheio de bombas no corpo", diz.

refemFoto:Polícia civil/ Divulgação

Segundo o publicitário, que não quis se identificar, o homem passou em todos os quartos mandandos os hóspedes descerem. O publicitário desconfiou que fosse um assalto.

"Depois, enquanto eu terminava de juntar as coisas, ele voltou no meu quarto e disse que não era roubo nem nada, era terrorismo. Que ele não estava brincando", concluiu.

O delegado Marcelo Fernandes disse que o homem já foi identificado, mas não revelou o nome dele. De acordo com Fernandes, o homem já teve um cargo eletivo no Tocantins, mas ele também não revelou quando nem qual era o cargo.

Apesar de manter o mensageiro do hotel refém, o delegado afirmou que o homem não tem uma “postura agressiva” com ele. O delegado disse ainda que todas as falas do homem têm relação com política. Ele pede, entre outras coisas, “a queda da Dilma”, disse Fernandes. A interlocução com o sequestrador é feita por três negociadores da polícia.

Curiosos se aglomeravam debaixo do bloco do prédio dos Correios, em frente ao hotel. Eles reclamavam da falta de informações. Hóspedes também diziam que não sabiam quando poderiam buscar as malas.

Hóspede de um hotel vizinho, um homem que não quis se identificar disse que soube do sequestro enquanto tomava café da manhã. "Eu achei bizarro, isso é bizarro. Vim aqui e vejo isso. Não dá para acreditar."

G1



Política de Privacidade | Entre em contato
© 2008-2014 plox.com.br Todos os direitos reservados. Primeiro portal de notícias e entretenimento do Vale do Aço