Vacinação reduz risco de doenças infecciosas e mortalidade em bebês prematuros

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), as taxas de atraso vacinal no Brasil neste grupo variam de 30% a 70%, com tempo médio de atraso entre 6 a 40 semanas

Por Plox

20/11/2020 10h52 - Atualizado há 4 dias

Considerada um dos meios mais eficazes para combate de doenças infecciosas, a vacinação é uma importante ferramenta para a saúde e redução de mortes nos primeiros anos de vida entre bebês que nasceram prematuros. Isso porque, quanto menor a idade gestacional menos desenvolvido é o sistema imunológico ao nascer. Bebês que nascem com menos de 28 semanas de gestação, por exemplo, têm risco 5 a 10 vezes maior de contrair um processo infeccioso. Mesmo assim, de acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), as taxas de atraso vacinal no Brasil neste grupo variam de 30% a 70%, com tempo médio de atraso entre 6 a 40 semanas. 

Foto: Vector Children Hospital/Divulgação

De acordo com documento publicado pela SBP com orientações para pediatras e neonatologistas, um dos principais motivos para adiamento ou atraso da vacinação de pretermos é a falta de conhecimento sobre o funcionamento da resposta imunológica nestes recém-nascidos. As vacinas estimulam a imunidade específica dos bebês, que é exercida pelos anticorpos.

“Apesar de terem uma resposta imunológica mais imatura em relação ao bebê de termo, geralmente os prematuros respondem bem às vacinas, dose e intervalos”, explica Vitor Nudelman, pediatra e imunologista do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.  

A vacinação de prematuros segue o mesmo calendário dos bebês nascidos a termo. A exceção fica por conta da vacina BCG-ID, que só deve ser dada após o recém-nascido atingir 2 Kg. Além disso, pretermos devem tomar uma dose de reforço a mais da vacina para Hepatite B, um mês após a primeira dose, seguindo o esquema 0 – 1 – 2 e 6 meses.

Reações adversas

De acordo com SBP não há contraindicações para vacinação de prematuros, desde que eles não estejam em condições clínicas instáveis ou com algum processo infeccioso em curso, mas é importante acompanhar o bebê de perto no momento e nas horas seguintes à imunização para tratamento de eventuais reações adversas.

Há descrições médicas que mostram que a aplicação da vacina tríplice bacteriana de células inteiras (que protege contra coqueluche, difteria e tétano) em prematuros com idade gestacional menor que 31 semanas está associada ao aumento de episódios de apneia e convulsões. “Por isso, a recomendação é que prematuros recebam preferencialmente vacina tríplice acelular, que é produzida com proteínas e não com células inteiras e oferece menos reações adversas”, diz Nuldeman.

Para a vacina pentavalente (que protege contra difteria, tétano, coqueluche, Poliomelite e Haemophilus e influenzae tipo B) administradas em prematuros com 2 meses idade cronológica, foram registrados eventos cardiorrespiratórios após a aplicação, como diminuição da frequência cardíaca e apneia com percentuais que variam de 11% a 47% de acordo com o tempo gestacional.

“Estratégias como o uso de anti-inflamatórios não hormonais, como a administração de ibuprofeno, trinta minutos antes da vacinação, parecem diminuir o número de eventos cardiorrespiratórios relacionados à vacina pentavalente”, orienta o médico.

Fatores que aumentam as chances de doenças infecciosas em prematuros:

• A própria causa de nascimento pretermo, infecção urinária e outras doenças infecciosas maternas;

• Vias aéreas de menor calibre, que os tornam mais vulneráveis às infecções respiratórias;

• Menor reserva energética;

• Desmame precoce;

• Infecções frequentes;

• Doença pulmonar crônica da prematuridade;

• Necessidade de cateteres e punções frequentes;

• Internação prolongada;

• Anemia;

• Uso frequente de corticosteroides;

• Uso de hemoderivados e transfusões.

Fonte: https://www.otempo.com.br/interessa/vacinacao-reduz-risco-de-doencas-infecciosas-e-mortalidade-em-bebes-prematuros-1.2415113
PLOX BRASIL © Copyright 2008 - 2020