Estudante perde vaga na USP após não ser reconhecido como pardo

Alisson foi informado da decisão adversa durante a recepção aos novos estudantes em 26 de fevereiro, por meio de um e-mail

Por Plox

01/03/2024 15h08 - Atualizado há cerca de 1 mês

Um jovem de 18 anos, Alisson dos Santos Rodrigues, enfrentou a negativa de sua matrícula no curso de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) após a comissão de heteroidentificação contestar sua autodeclaração como pardo. O estudante, oriundo do interior paulista, foi aprovado através do Provão Paulista, um vestibular unificado lançado no ano anterior para instituições públicas de ensino superior em São Paulo, especificamente nas cotas PPI (pretos, pardos e indígenas).

 

Foto: reprodução/ redes sociais

Alisson foi informado da decisão adversa durante a recepção aos novos estudantes em 26 de fevereiro, por meio de um e-mail. A universidade esclareceu que a efetivação da matrícula estava condicionada à aprovação no processo de heteroidentificação, uma exigência para candidatos que se declaram negros, pardos, ou indígenas. Esse processo envolveu o envio de documentos e fotos para validar sua autodeclaração de raça, conforme solicitado pela USP durante a pré-matrícula no final de janeiro.

Laise Mendes dos Santos, tia do jovem e responsável por acompanhar o processo, detalhou que após o envio dos documentos, uma reunião virtual foi agendada para uma nova avaliação de sua autodeclaração. No entanto, a reunião, que ocorreu com atraso e sob condições de iluminação questionáveis, não avançou além da leitura da autodeclaração por Alisson, sem questionamentos adicionais sobre sua identificação como pardo.

A situação gerou comoção e esperança em Alisson e sua família, que aguardam uma resolução favorável. "Sempre me considerei pardo", afirmou Alisson, expressando sua identidade racial com convicção. Este caso, coberto por grandes jornais como a Folha de S. Paulo e o Estadão, destaca a complexidade e os desafios enfrentados por candidatos no processo de validação de cotas raciais nas universidades brasileiras.

Destaques