Iphan reconhece choro como Patrimônio Cultural Imaterial

Originário do Rio de Janeiro na segunda metade do século 19, o choro ou chorinho surgiu das criações de músicos populares da época

Por Plox

01/03/2024 10h02 - Atualizado há cerca de 1 mês

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) recentemente elevou o choro, um dos estilos musicais mais emblemáticos do Brasil, à categoria de Patrimônio Cultural Imaterial do país. Essa distinção coloca o choro ao lado de outros importantes patrimônios culturais tombados, como a Estação Júlio Prestes e a Sala São Paulo no coração da capital paulista, além do terreiro Aganjú Didê, localizado em Cachoeira, Bahia, que é dedicado ao orixá Xangô e foi estabelecido em 1913.

Foto: Cândido Portinari/Reprodução

Originário do Rio de Janeiro na segunda metade do século 19, o choro ou chorinho surgiu das criações de músicos populares da época. A canção "Flor Amorosa", de Joaquim Callado, é frequentemente citada como a primeira composição do gênero. O choro é reconhecido por sua fusão única de ritmos portugueses e africanos, incluindo a valsa europeia e o lundu, contribuindo significativamente para a rica tapeçaria da música popular brasileira. Figuras lendárias como Chiquinha Gonzaga e Pixinguinha desempenharam papéis cruciais no desenvolvimento e na popularização do gênero ao longo dos anos.

Destaques