Alemanha inaugura nova era com a legalização do consumo recreativo de maconha

novos horizontes na política sobre drogas

Por Plox

01/04/2024 09h52 - Atualizado há 15 dias

A partir de hoje, a Alemanha se junta a um seleto grupo de países europeus ao legalizar o uso recreativo de maconha para adultos. A legislação permite que indivíduos maiores de 18 anos possuam até 25 gramas da substância em locais públicos, cultive até 50 gramas e tenha permissão para manter três plantas de cannabis por pessoa em casa. Esta medida coloca a nação ao lado de Malta e Luxemburgo, pioneiros na adoção de políticas mais liberais em relação à maconha na Europa.

Foto: Pixabay / Reprodução

espera por compra legal

No entanto, interessados em adquirir maconha legalmente terão que esperar até julho, quando os "clubes sociais de cannabis" começarão a operar, limitando-se a 500 membros e permitindo a distribuição de até 50 gramas por mês a cada integrante. Esta iniciativa visa regular o mercado e conter o comércio ilegal da droga, como explicou Georg Wurth, da Associação Alemã de Cannabis.

Debates acalorados e críticas

Apesar do avanço, a nova lei enfrenta oposição significativa de conservadores e setores da saúde, que alertam para os potenciais riscos especialmente entre os jovens. Especialistas como Katja Seidel e o ministro da Saúde, Karl Lauterbach, enfatizam o perigo do consumo de cannabis para o desenvolvimento cerebral e o aumento do risco de doenças psiquiátricas em jovens.

Para mitigar esses riscos, o governo prometeu uma campanha informativa sobre os perigos do consumo de maconha, mantendo-a ilegal para menores de 18 anos e proibindo seu uso próximo a escolas, creches e parques infantis.

Polícia e judiciário preocupados

A aplicação da lei também preocupa as forças policiais e o sistema judiciário, diante do desafio de garantir o cumprimento das novas normas e processar a anistia retroativa para crimes relacionados à maconha, potencialmente impactando mais de 200 mil casos.

Líderes políticos, como Friedrich Merz da CDU e Christian Lindner do FDP, posicionam-se em lados opostos do debate, com Merz prometendo revogar a lei caso vença as próximas eleições, enquanto Lindner defende a reforma como uma alternativa ao mercado ilegal, descartando previsões de caos.

Destaques