EUA desenvolvem vacinas contra gripe aviária para proteger animais e humanos

Cientistas testam vacinas de mRNA em bezerros e trabalhadores rurais para evitar a mutação e transmissão do vírus

Por Plox

01/06/2024 11h21 - Atualizado há cerca de 1 mês

O surto de gripe aviária em vacas leiteiras nos Estados Unidos impulsionou o desenvolvimento de novas vacinas de mRNA, semelhantes às usadas contra a Covid-19. Essas vacinas estão sendo testadas em animais e pessoas, com o objetivo de prevenir a transmissão do vírus e suas possíveis mutações

Desenvolvimento e testes de vacinas

O Departamento de Agricultura dos EUA, em parceria com pesquisadores da Universidade da Pensilvânia, começará a testar uma nova vacina em bezerros no próximo mês. "Se a vacinação de vacas proteger os trabalhadores rurais, isso pode significar menos chances de o vírus saltar para as pessoas e sofrer mutações", explicam os cientistas. Paralelamente, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos está dialogando com fabricantes sobre possíveis vacinas de mRNA para humanos, que poderiam complementar as milhões de doses de vacina contra gripe aviária já disponíveis.

Richard Webby, pesquisador de gripe no Hospital de Pesquisa Infantil St. Jude em Memphis, destaca: "Se houver uma pandemia, haverá uma enorme demanda por vacina. Quanto mais plataformas de fabricação de vacinas diferentes puderem responder a isso, melhor."

Espalhamento do vírus

Desde 2020, o vírus da gripe aviária tem se disseminado entre diversas espécies de animais em vários países. Em março, foi detectado em rebanhos leiteiros nos EUA, e recentemente foi encontrado em alpacas, marcando a primeira vez que essa espécie foi infectada. Três trabalhadores de fazendas com vacas infectadas foram diagnosticados com gripe aviária, apresentando sintomas leves. Porém, autoridades federais alertam para o risco de mutações que possam facilitar a transmissão entre humanos.

Processos de fabricação de vacinas

Tradicionalmente, vacinas contra gripe são produzidas em ovos de galinha fertilizados, um método que pode ser limitado pelo próprio surto de gripe aviária. Alternativamente, algumas vacinas são fabricadas em fermentadores de células. O CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças) já possui duas vacinas candidatas correspondentes ao vírus da gripe aviária nos rebanhos leiteiros, com centenas de milhares de doses prontas para distribuição, se necessário. Adicionalmente, há antígenos suficientes para produzir cerca de 10 milhões de doses extras.

Avanços em vacinas de mRNA

A tecnologia de mRNA, usada com sucesso nas vacinas contra a Covid-19, está sendo adaptada para combater a gripe aviária. A Moderna já está testando uma vacina de mRNA contra gripe aviária em humanos, e a Pfizer relatou um "aumento notável nas respostas de anticorpos" em voluntários vacinados com uma cepa semelhante ao vírus presente nas vacas.

Estudos em vacas leiteiras

O imunologista Scott Hensley, da Universidade da Pensilvânia, em colaboração com Drew Weissman, pioneiro da tecnologia de mRNA, está liderando os testes em vacas. Testes iniciais em camundongos e furões mostraram altos níveis de anticorpos após a vacinação. Nos próximos meses, cerca de 10 bezerros serão vacinados para avaliar a produção de anticorpos e a eficácia da vacina.

Hensley ressalta a importância da vacina para reduzir o risco de mutações perigosas: "O que me assusta mais é a quantidade de interação entre gado e humanos. Se uma vacina reduzir a quantidade de vírus na vaca, então, no final, reduzimos a chance de que um vírus mutante que se espalha em humanos vá emergir."

A resposta a este surto é crucial para evitar uma nova pandemia e proteger a saúde pública mundial.

Destaques