Ipatinga

acontece

X FECHAR
ONDE VOCÊ ESTÁ?

    Justiça determina plano de saúde a cobrir cirurgia para mudança de sexo em MG

    Mulher trans entrou na Justiça para garantir o procedimento

    Por Plox

    01/08/2022 20h28 - Atualizado há 10 dias

    O juiz convocado da 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), Narciso Alvarenga Monteiro de Castro, modificou a decisão do juiz da 2ª Vara Cível de Poços de Caldas, no Sul de Minas, e determinou que no prazo de 20 dias a contar da publicação da decisão (22/7), a operadora de plano de saúde providencie procedimentos para a mudança de sexo de B.H.F., sob pena de multa diária de R$ 500, limitada a R$ 20 mil.

    B.H.F. ajuizou pedido de tutela antecipada para que a cooperativa de saúde cobrisse os procedimentos da cirurgia de mudança de sexo. O juiz de 1ª Instância postergou a decisão até que a cooperativa se manifestasse nos autos, o que fez a requerente ajuizar um agravo de instrumento no Tribunal de Justiça, questionando tal decisão.

    Relator do processo, o juiz convocado Narciso Alvarenga Monteiro de Castro ponderou que todos os procedimentos requeridos para a cirurgia, como amputação total, orquiectomia, reconstrução perineal com retalhos miocutâneos, neolagina (cólon delgado, tubo de pele) e enterectomia por videolaparoscopia, fazem parte do rol de cobertura do plano de saúde.

    Foto: Ilustrativa

     

    Além disso, o magistrado levou em consideração que a mulher comprovou, por meio de laudos médicos psiquiátricos, que apenas nasceu em um corpo de homem. Todavia, ela se vê completamente com uma mulher, tanto que já trocou o nome e passou a possuir muitas características femininas no corpo. Ela também concluiu que a presença de um órgão sexual masculino lhe causa enorme desgosto, a ponto de levá-la a uma profunda depressão.

    Portanto, segundo o magistrado, a recusa do plano de saúde é ilegal. "Inobstante o procedimento cirúrgico para redesignação sexual não se trate de conditio sine qua non para que a agravante seja reconhecida como uma mulher trans (pois de acordo com seu gênero ela já o é), a adequação do sexo biológico (genitálias) ao seu gênero feminino lhe assegurará o respeito aos direitos fundamentais, à saúde e à dignidade da pessoa humana, permitindo, inclusive, que deixe sofrer por estranhar o próprio corpo", afirma o relator. 
     

    PLOX BRASIL © Copyright 2008 - 2022[email protected]