Brasil

veículos

X FECHAR
ONDE VOCÊ ESTÁ?

    O retorno das "portas suicidas" no universo automobilístico: Por que "portas suicidas"?

    Da origem em carruagens à popularização em carros contemporâneos, saiba mais sobre esta característica que gera curiosidade e nostalgia.

    Por Plox

    01/09/2023 09h16 - Atualizado há 6 meses

    O nome peculiar dado às portas traseiras articuladas nos veículos remonta a um passado não muito distante. Tendo sua origem em carruagens puxadas por cavalos, essas portas foram adotadas nos primeiros automóveis no início do século XX. "A principal desvantagem dessas portas era o risco de abertura acidental", o que aumentava o perigo de quedas do veículo, segundo o artigo original. A alcunha de "suicida" provavelmente veio do fato de ser considerado arriscado usar carros com tais portas. Curiosamente, durante os anos 30, nos EUA, essas portas ganharam notoriedade entre mafiosos pela facilidade de empurrar passageiros para fora dos carros em movimento.

    Lincoln Continental "Coach Door Edition" foi edição especial do sedã lançada em 2019 — Foto: Ford/Divulgação

    Aplicações modernas das portas suicidas

    Contrariando a tendência de queda em sua popularidade após a Segunda Guerra Mundial, algumas montadoras, como a Lincoln e a BMW, encontraram formas inovadoras de reutilizar o design das "portas suicidas". A Lincoln lançou uma versão do sedã Continental chamada "Coach Door Edition", enquanto a BMW implementou o design em seu compacto elétrico, o BMW i3. Além delas, marcas de luxo como Rolls-Royce também mantiveram a tradição.

     

    História das portas suicidas no Brasil

    No cenário brasileiro, esse tipo de porta teve seu auge nos anos 50 e 60, sendo usadas em carros como o DKW-Vemag Belcar. Contudo, essas portas eram majoritariamente aplicadas nas portas dianteiras. A Fiat, em uma abordagem inovadora, reintroduziu o design em 2013 no modelo Fiat Strada, buscando facilitar o acesso à segunda fileira de assentos. No entanto, em 2020, com a chegada da 2ª geração da Fiat Strada, a montadora optou por uma configuração mais tradicional de quatro portas.

    Em resumo, as "portas suicidas", apesar da nomenclatura controversa, tiveram uma história rica e variada, oscilando entre a praticidade, o perigo e a nostalgia. E, mesmo com os altos e baixos, seu legado continua a inspirar e intrigar entusiastas automobilísticos.

     

     

    PLOX BRASIL © Copyright 2008 - 2024[email protected]