Maioria dos mineiros rejeita retorno a lojas com mau atendimento, revela pesquisa da FCDL-MG

Estudo aponta que 68,6% dos consumidores em Minas Gerais desistem de compras devido a experiências negativas no varejo.

Por Plox

02/02/2024 14h34 - Atualizado há 4 meses

Um levantamento recente conduzido pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de Minas Gerais (FCDL-MG), em janeiro, demonstrou que a qualidade do atendimento ao cliente é decisiva para a fidelização do consumidor no estado. Segundo a pesquisa, 76,1% dos consumidores mineiros afirmaram que não retornariam a um estabelecimento após serem mal atendidos, destacando a importância do bom serviço ao cliente no setor varejista.

 

Foto: Pixabay/Reprodução

A análise, que ouviu pessoas de diversas regiões de Minas Gerais, revelou ainda que 68,6% dos entrevistados optam por abandonar a compra quando não recebem um atendimento adequado. Em contrapartida, apenas 55,3% dos consumidores se sentiram bem atendidos durante suas últimas experiências de compra, evidenciando uma área crítica para melhorias.

O estudo detalhou também a reação dos clientes diante de um atendimento insatisfatório: enquanto uma minoria (10,1%) escolhe reclamar diretamente no local, 8,8% preferem desistir da compra momentaneamente, mas consideram retornar mais tarde, e somente 5% recorrem a reclamações em redes sociais ou serviços de atendimento ao consumidor.

Além disso, o tempo de espera por atendimento mostrou influenciar a percepção do consumidor, com 45,9% dos participantes da pesquisa relatando uma espera excessiva, apesar da média de espera ser de 11 minutos. Este dado ressalta a necessidade de otimização do tempo de serviço ao cliente nas lojas físicas.

Vinícius Carlos Silva, economista da FCDL-MG, enfatizou a relevância desses achados, sugerindo um momento de reflexão para os comerciantes sobre a essencialidade de um time de vendas qualificado e bem treinado. "Os dados chamam a atenção pela expressividade do percentual de experiências negativas e seus desdobramentos. Isso deve acender um alerta para os lojistas a respeito da importância de uma equipe bem treinada e capacitada", destacou Silva.

A pesquisa ainda apontou que a maior parte dos consumidores mineiros (57,9%) ainda depende da assistência de vendedores para escolher produtos, enquanto uma parcela realiza pesquisas online antes de finalizar a compra nas lojas. Essa tendência sublinha a necessidade de investimento em capacitação dos colaboradores, especialmente em um cenário onde o e-commerce ganha cada vez mais espaço.

Silva conclui, reiterando a importância do planejamento e investimento em treinamento por parte dos empregadores, visando um atendimento personalizado que se destaque como um diferencial competitivo. "Portanto, cabe aos lojistas investirem na capacitação de seus colaboradores, oferecendo cursos e oportunidades para que estejam cada vez mais bem preparados", finaliza o economista, salientando a necessidade de um atendimento que atenda às crescentes exigências do consumidor moderno.

Destaques