Dengue no Brasil: março de 2024 marca recorde histórico de mortes

Pico de mortalidade e aumento de casos evidenciam crise de saúde pública

Por Plox

03/04/2024 08h06 - Atualizado há 20 dias

O mês de março de 2024 entrou para a história como o período com a maior taxa de mortalidade por dengue no Brasil desde o início dos registros em 2000, conforme informado pelo Ministério da Saúde. Durante esse intervalo, o país presenciou 665 fatalidades, representando uma média diária de 20 mortes. Este número supera significativamente os registros de anos anteriores, destacando-se em 19 dos 24 anos monitorados. Desde janeiro de 2024, foram confirmadas 991 mortes, com outras 1.483 sob investigação.

TÂNIA RÊGO/AGÊNCIA BRASIL - ARQUIVO

Registros alarmantes
Comparando-se aos anos anteriores, 2023 registrou o maior número de óbitos, com 1.072 mortes, seguido de perto por 2022, com 1.053. Dados históricos revelam uma curva crescente de mortalidade, especialmente notória no início do ano, culminando em abril e gradualmente decrescendo.

Fatores contribuintes e demografia afetada
Nísia Trindade, ministra da Saúde, apontou as mudanças climáticas e a maior circulação de diferentes sorotipos do vírus da dengue como principais causas desse aumento. O país vive uma "situação atípica", enfrentando um surto precoce da doença, inclusive em áreas anteriormente poupadas. Jovens entre 20 e 29 anos formam o grupo etário mais afetado, com as mulheres representando 55,4% dos casos.

Incêndio da doença no país
Até agora, o Brasil contabilizou um recorde de 2.624.300 casos prováveis de dengue em 2024, superando o pico anterior de 2015. O Distrito Federal lidera em taxa de incidência, seguido por Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná e Goiás, responsáveis por quase 58% dos casos nacionais.

Sinais de esperança
Embora a situação seja crítica, Ethel Maciel, secretária de Vigilância em Saúde, notou uma diminuição nos casos em oito unidades federativas, indicando que o "pior já passou". No entanto, ainda há uma expectativa de continuidade dos casos em diversas regiões, necessitando vigilância e prevenção contínuas por parte da população.

Destaques