Funcionários demitidos na embaixada húngara após divulgação de imagens de Bolsonaro

Demissões após vazamento de imagens de Bolsonaro

Por Plox

03/04/2024 10h24 - Atualizado há 14 dias

A embaixada da Hungria no Brasil dispensa funcionários após divulgação de imagens de Bolsonaro, . Após a revelação de vídeos que mostram o ex-presidente Jair Bolsonaro nas dependências da embaixada húngara em Brasília, durante o feriado de Carnaval de 12 a 14 de fevereiro, a representação diplomática optou pela demissão de dois colaboradores brasileiros. Bolsonaro, que havia tido seu passaporte apreendido sob investigação de um suposto golpe, justificou sua estadia no local como uma oportunidade para encontros com autoridades da Hungria.

Foto: The New York Times / Reprodução

Investigação em andamento e suspeitas de asilo

Polícia Federal investiga motivo da estadia de Bolsonaro na embaixada. A permanência do ex-presidente no território diplomático húngaro suscitou especulações de que ele buscasse evitar uma possível ordem de prisão, refugiando-se em um local onde a lei brasileira não poderia alcançá-lo. Além disso, Bolsonaro foi visto divulgando um vídeo que convocava seus apoiadores para um ato em São Paulo, pouco antes de se dirigir à embaixada.

Repercussões diplomáticas e defesas

Embajador húngaro presta esclarecimentos ao Itamaraty. Miklos Tamás Halmai, acompanhado por Bolsonaro durante a hospedagem, foi convocado para explicar a situação ao Ministério das Relações Exteriores do Brasil. Halmai ecoou as justificativas de Bolsonaro sobre a necessidade dos encontros diplomáticos. A cobertura do incidente e a subsequente demissão dos funcionários foram primeiramente reportadas pela CNN Brasil, destacando a tensão e as implicações diplomáticas do caso.

 

Destaques