Ipatinga

economia

X FECHAR
ONDE VOCÊ ESTÁ?

    Para este ano, expectativa é que comércio virtual cresça 21%

    É nesta conjuntura que entram em cena os integradores de marketplace, que tornam as atividades dos sellers mais seguras e organizadas

    Por Plox

    03/05/2022 20h08 - Atualizado há 6 dias

    Mesmo com a publicação em Diário Oficial da União anunciando o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin), no dia 22 de abril, e os números de infectados pelo coronavírus retrocedendo cada vez mais, o e-commerce continua ganhando cada vez mais adeptos. E tudo leva a crer que, daqui para frente, o comércio digital se consolidará ainda mais. Isso porque o modelo que vinha sendo implementado timidamente foi acelerado de maneira forçada com as medidas de distanciamento social. E o que antes estava sendo visto como “a única opção”, atualmente é considerado como uma espécie de “modo automático de fazer compras”.

    Para se ter uma ideia, segundo um estudo da empresa de pesquisa de mercado eMarketer, há dois anos, apenas 17,8% das vendas eram feitas a partir de compras on-line. Esse número deve chegar a 21% em 2022, um aumento de 17,9% na participação do mercado de comércio eletrônico em dois anos, e com a movimentação de US$ 5,55 trilhões. Estima-se que o crescimento continuará, chegando a 24,5% até 2025, o que se traduz em um alavancar de 6,7 pontos percentuais em apenas cinco anos.

    É nesta conjuntura que entram em cena os integradores de marketplace, que tornam as atividades dos sellers (loja que deve cumprir a obrigação de entregar o produto ao cliente, no prazo) bem mais estruturadas. Ocorre que muitos vendedores de marketplaces oferecem seus produtos em mais de uma plataforma ao mesmo tempo, como por exemplo – Americanas Marketplace, Mercado Livre, Magalu, Shopee. E, com isso, a gestão das vendas, se for feita de forma individual, pode ser um grande desafio, a começar pelo número de colaboradores, softwares especializados, investimentos.

    Portanto, hoje, não basta apenas ter uma loja virtual: “o comércio eletrônico não é um luxo, nem uma estratégia. Ele é transfronteiriço e se tornou uma necessidade. Portanto, para os comerciantes se faz necessário integrar o seu negócio com marketplaces que ofertarão uma gestão muito melhor das operações, que vão desde o cadastro do produto, passando pela impressão de notas fiscais e etiquetas de forma conjuntas, controle de estoques de CNPJs no mesmo dashboard, precificação e relatórios”, explica Vinícius Ribeiro, Head de Marketing.

    PLOX BRASIL © Copyright 2008 - 2022[email protected]