Tarcísio de Freitas anuncia contratação de 4 mil policiais para enfrentar déficit na Polícia Civil de SP

Medida busca preencher lacuna histórica e revitalizar efetividade das investigações em todo o estado

Por Plox

04/05/2024 11h03 - Atualizado há 19 dias

O governo do Estado de São Paulo, sob liderança de Tarcísio de Freitas, anunciou nesta sexta-feira a contratação de 4.017 profissionais para a Polícia Civil, uma medida que visa preencher um vazio recordista de 17.324 cargos desocupados, conforme últimos dados divulgados pelo Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp) em fevereiro.

Este número representa um déficit de 41% em relação aos 41.912 postos oficiais existentes, marcando um aumento considerável desde dezembro de 2022, quando a gestão anterior, liderada por Rodrigo Garcia, registrou 17.114 vagas não preenchidas.

Foto: Rogério Cassimiro/Secom/GESPO 

O secretário da Segurança Pública, Guilherme Derrite, enfatizou a importância desta convocação para a melhoria dos serviços de segurança pública, uma vez que "a escassez de pessoal na Polícia Civil tem impactado diretamente a eficiência das investigações e o atendimento nas delegacias", segundo declarações de Jacqueline Valadares, presidente do Sindpesp.

Valadares também criticou a recente política de gestão de Derrite, que inicialmente favoreceu a Polícia Militar em detrimento da Polícia Civil, uma estratégia que culminou na exclusão desta última de operações importantes e na tentativa de atribuir aos PMs a elaboração de Termos Circunstanciados, uma função tradicionalmente reservada aos policiais civis.

Após debates intensos e críticas por parte dos sindicatos, o secretário reviu sua decisão e estabeleceu um grupo de trabalho para avaliar a distribuição de competências entre as forças policiais. O objetivo é garantir que não haja sobreposição de funções e que cada instituição possa se concentrar em suas responsabilidades primárias.

O anúncio de Derrite inclui a formação e integração de 2.208 escrivães, 1.260 investigadores, 353 delegados e 196 médicos-legistas, com a previsão de que os novos contratados assumam suas funções dentro de 15 dias após a nomeação. Os futuros agentes passarão por um período de formação na Academia de Polícia, que varia de três a cinco meses, dependendo da função.

Além disso, está em curso um processo seletivo para preencher outras 3.500 vagas nas forças policiais do estado, incluindo 3.135 na Polícia Civil e 365 na Técnico-Científica, reforçando o compromisso do governo estadual em resolver a crise de pessoal e melhorar a segurança pública em São Paulo.

Destaques