Caso Miguel: mãe de menino que caiu de prédio era contratada da prefeitura

A informação foi divulgada pelo Jornal do Commercio, de Pernambuco; o TCE-PE já investiga caso

Por Plox

05/06/2020 11h05 - Atualizado há quase 4 anos

A mãe de Miguel, de 5 anos, que caiu de um prédio em Tamandaré-PE, foi contratada para trabalhar como servidora da prefeitura da cidade, porém, ela trabalhava na casa do prefeito Sérgio Hacker Corte Real (PSB). A informação foi divulgada pelo Jornal do Commercio, de Pernambuco.

De acordo com informações, Sérgio Hacker teria colocado a funcionária pessoal no quadro de servidores da prefeitura de Tamandaré, no dia 1º de fevereiro de 2017.

 

miguel-2O menino morreu após cair do prédio onde reside o prefeito e a primeira-dama de Tamandaré, para quem a mãe de Miguel trabalhava. Foto: reprodução
 

Segundo dados divulgados pelo jornal, a mãe de Miguel está registrada em um cargo comissionado, o de Gerente de Divisão CC6, e lotada na divisão de Manutenção das Atividades de Administração.

Conforme o Portal da Transparência de Tamandaré, conta que a empregada recebia um salário da prefeitura de R$ 1.517,57 até março de 2020. Porém, a partir de abril de 2020, o valor pago foi alterado para R$ 1.093,62, valor atual do salário mínimo.

TCE-PE investiga

O Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco informou que deu início as investigações do caso.

De acordo com o contrato, não teria sido exigido comprovante de escolaridade e carga horária registra zero horas semanais, podendo ser interpretada como funcionária fantasma.
 

Destaques