Morte do filho de Cafu alerta sobre cuidado com o coração mesmo entre jovens

05/09/2019 17:22

Danilo de Moraes tinha apenas 30 anos e morreu após passar mal em partida de futebol

Publicidade

A maioria das pessoas gosta de jogar uma partida de futebol e isso não é novidade. Mas, com a morte do filho mais velho do ex-jogador Cafu, Danilo Feliciano de Moraes, de apenas 30 anos, após passar mal jogando futebol, reacendeu as discussões sobre a importância de se fazer visitas regulares a um cardiologista, ainda que não seja idoso. Segundo familiares, Danilo já havia tido um infarto há alguns anos.

Mas, quem tem pré existência de uma doença cardíaca não precisa deixar de praticar esportes, mas também, não apresentar indícios de problemas cardíacos não exime a pessoa de ficar em alerta e cuidar da saúde do coração, é o que explica o cardiologista Fernando Costa, diretor da Sociedade Brasileira de Cardiologia. 

'Futebolzinho' exige exames periódicos de coração Pixabay

Foto: Pixabay

"Pode ter tido um infarto e jogar? Pode. Pode ter uma arritmia e jogar? Pode. Não tem nada, nenhum sintoma, nenhuma anomalia aparente nos exames? Mesmo assim, o ideal é fazer avaliação todos os anos. Se você tem um carro e faz revisão obrigatória, por que não fazer com você mesmo?", diz.

Para avaliar a saúde do coração, é necessário buscar um médico, que vai medir a pressão arterial, fazer uma avaliação física em geral e principalmente, ver como o coração está funcionando, através de um eletrocardiograma. O exame deve ser feito pelo menos uma vez por ano, quando não há pré existência de doença.

O profissional lembra que é importante ter uma regularidade na atividade física para proteger o coração, com 40 minutos de caminhada por dia. E para entrar em campo ou em quadra, é de suma importância que haja um aquecimento, pois não adianta nada fazer poucos minutos antes. 

Atualizada às 9h33



Publicidade