12º Departamento de Polícia da região de Ipatinga divulga dados de feminicídios de 2020 a 2023

No total, a região teve sete ocorrências no ano, com um caso adicional em cada uma das cidades de Coronel Fabriciano, Mesquita, Santana do Paraíso e Timóteo, destacando-se 2020 como o ano com o maior número de casos, totalizando cinco.

Por Plox

06/03/2024 16h59 - Atualizado há 5 meses

A Polícia Civil do 12º Departamento, com sede em Ipatinga, Minas Gerais, divulgou um relatório detalhado sobre os casos de feminicídios ocorridos na região de 2020 a 2023. O documento revela que, especificamente em Ipatinga, foram registrados três casos de feminicídios em 2023, mantendo o mesmo número de 2021. No total, a região teve sete ocorrências no ano, com um caso adicional em cada uma das cidades de Coronel Fabriciano, Mesquita, Santana do Paraíso e Timóteo, destacando-se 2020 como o ano com o maior número de casos, totalizando cinco.

Foto: Divulgação/PCMG

O delegado-geral Gilmaro Alves explicou a metodologia utilizada para calcular as taxas de feminicídios por 10.000 mulheres na região, que resultou em 0,25 em 2023, indicando que a cada 40.000 mulheres, uma foi vítima de feminicídio. A cidade de Mesquita apresentou a maior taxa da região, com 3,98, enquanto comparações entre diferentes regiões do Departamento mostraram Caratinga com a taxa mais alta (0,45) e Itabira com taxa zero, sem registros de feminicídios em 2023.

Além de Ipatinga, outras cidades como Caratinga, Bom Jesus do Galho e Santa Bárbara do Leste também registraram casos em 2023. O relatório destacou que, ao considerar todas as regiões sob jurisdição do Departamento, houve um aumento de casos em algumas áreas, como Ipatinga e Caratinga, enquanto outras, como Itabira e Manhuaçu, apresentaram queda.

A análise detalhada identificou que a cidade de Acaiaca teve a pior taxa de feminicídios no Departamento, com 4,97. Em resposta, a Polícia Civil de Minas Gerais e outras instituições têm lançado projetos para reduzir a incidência de feminicídios, com o 12º Departamento de Polícia de Ipatinga focando em ações específicas de combate a essa modalidade criminosa nas áreas com aumento de casos.

O delegado Gilmaro Alves ressaltou que os esforços visam alcançar a taxa ideal de zero feminicídios, embora reconheça que os números atuais já são inferiores a muitas outras regiões do Brasil. Ele também esclareceu que os dados referem-se apenas a feminicídios consumados, onde a motivação é o gênero da vítima, diferenciando-se de casos onde a vítima é mulher sem essa especificidade.

Destaques