Escolha pela maternidade: entre a pressão social e o direito à decisão pessoal

Mulheres enfrentam julgamentos por optarem ou não por ter filhos, um reflexo das imposições sociais e culturais.

Por Plox

06/03/2024 08h50 - Atualizado há 5 meses

A maternidade, frequentemente vista como um marco na vida das mulheres, é atualmente objeto de reflexão e decisão pessoal, desvinculando-se da ideia de ser a única forma de realização feminina. No Brasil e ao redor do mundo, a pressão para que as mulheres assumam a maternidade como parte essencial de suas vidas ainda persiste, alimentada por expectativas sociais arraigadas. 

 

A escolha de ter ou não filhos tornou-se mais consciente e pessoal, especialmente após a disponibilização da pílula anticoncepcional nos Estados Unidos em 1960 e sua chegada ao Brasil dois anos depois, marcando o início de uma era de maior autonomia feminina.

A psicóloga Alaíde Nepomuceno destaca a influência da sociedade patriarcal nessa questão, apontando como mulheres que optam por não serem mães são frequentemente julgadas e discriminadas. A busca pelo autoconhecimento é enfatizada como essencial para que a mulher possa fazer sua escolha de forma livre e consciente, desvencilhando-se das expectativas impostas. Personalidades como Paolla Oliveira, Maju Coutinho, Ana Paula Padrão, Jennifer Aniston e Patricia Pillar são exemplos de mulheres que decidiram publicamente não ter filhos, reforçando a legitimidade dessa escolha.

 

O relacionamento amoroso e a discussão sobre ter filhos também são aspectos importantes nessa questão. A terapeuta de casais Estefânia Maria Gonçalves relata a frequência com que casais procuram ajuda profissional devido a divergências no desejo de ter filhos, destacando a importância do diálogo e da compreensão mútua para a resolução de conflitos. Além disso, a questão da fertilidade e as pressões enfrentadas pelas mulheres que desejam, mas não conseguem ter filhos, são mencionadas como desafios adicionais, necessitando de suporte e acompanhamento psicológico especializado.

 

Em meio a esses debates, o respeito pela escolha individual e o reconhecimento da liberdade de decisão sobre a maternidade emergem como fundamentais. A conscientização e o respeito pelas escolhas pessoais de cada mulher, seja pela maternidade ou por outros caminhos de realização, contribuem para um avanço social em direção à igualdade e ao respeito mútuo, desafiando estereótipos e imposições de longa data.

 

 


 

Destaques