Atriz espanhola Ana Obregón gera polêmica ao se tornar mãe e avó da mesma criança

Barriga de aluguel e uso de sêmen do filho falecido colocam Ana Obregón no centro do debate na Espanha

Por Plox

06/04/2023 17h37 - Atualizado há cerca de 1 ano

Uma fotografia da atriz e apresentadora espanhola Ana Obregón, de 68 anos, deixando um hospital em Miami com uma bebê nos braços, gerou uma grande polêmica na Espanha, envolvendo até mesmo o governo do país. Obregón, conhecida em seu país, tornou-se mãe de uma criança concebida através de "barriga de aluguel" e sêmen de seu filho falecido há três anos.

A polêmica começou quando a revista de celebridades "Hola" publicou em sua capa uma foto de Obregón saindo do hospital, segurando um bebê. A revista afirmou que a atriz havia se tornado mãe de uma criança gerada por outra mulher através de uma "barriga de aluguel", prática legalizada nos Estados Unidos. Ana Obregón tinha apenas um filho, que morreu em 2020 aos 27 anos. A imagem rapidamente viralizou na Espanha.

Ana virou o centro de uma polêmica em seu país. Foto: Reprodução / Instagram.

 

Debate sobre barriga de aluguel

O caso gerou um intenso debate sobre a "barriga de aluguel", prática ilegal na Espanha e no Brasil. Muitos casais buscam países que permitem essa prática, como os Estados Unidos. A ministra espanhola da Igualdade, Irene Montero, criticou Obregón, dizendo: "Nunca se esqueçam das mulheres que estão por trás. Há um viés discriminatório por pobreza claro. Não se esqueçam de que esta é uma prática ilegal na Espanha e uma forma de violência contra as mulheres".

Feministas e outros grupos também criticaram a atriz pela exploração de mulheres com menos condições financeiras e sociais. Obregón defendeu-se, afirmando que a técnica de reprodução assistida é legal em muitos países, mas a Espanha ainda está no século passado.

Capa da revista "Hola" com Ana e o bebê. Foto: Reprodução.

 

Sêmen do filho falecido

Outro aspecto polêmico é o fato de a atriz ter usado o sêmen de seu filho já morto para a fecundação. Obregón, em entrevista à "Hola", alegou que era um desejo de seu filho, que, ao enfrentar um câncer terminal, expressou vontade de ter um filho e teve uma amostra de seu sêmen coletada e congelada.

A inseminação não seria permitida na Espanha, que estabelece um limite de 12 meses após o falecimento para o procedimento. Porém, nos Estados Unidos, onde seu filho Alessandro Lequio faleceu, não há tal limitação.

Mãe e avó ao mesmo tempo

Ana Obregón tornou-se mãe e avó ao mesmo tempo devido ao processo legal. Ela é avó biológica por ser mãe do pai da criança e adotou a menina para ter sua guarda legal. A criança nasceu nos Estados Unidos, mas viverá na Espanha com a apresentadora.


 

Destaques