Lula se torna réu em mais um processo criminal

06/06/2019 16:34

O ex-presidente tenta de livrar de sete processos nos quais figura como réu. Ele foi condenado em duas ações, ainda recorríveis

Publicidade

No momento em que pessoas próximas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva começavam a falar em pedir à Justiça sua saída da prisão, um fato novo pode retardar essa possibilidade. 

Uma denúncia apresentada pelo Ministério Público foi acatada pelo juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília, nesta quarta-feira (5). Com isso, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se torna réu em mais uma ação criminal.

Agência Brasildestaque-587614-agc

Além de Lula, a ação torna réus os ex-ministros Paulo Bernardo e Antônio Palocci e o empresário Marcelo Odebrecht. Segundo a investigações que culminaram com a ação criminal, os três primeiros são acusados de terem recebido propina da construtora Odebrecht, do empresário também citado como réu.

A empresa teria prometido ao ex-presidente em 2010, a quantia de R$ 64 milhões. O valor,  segundo o Ministério Público Federal, foi colocado à disposição do Partido dos Trabalhadores. 

Segundo as investigações, Lula deveria continuar beneficiando a empreiteira em contratos com o Governo Federal.

O ex-presidente tenta de livrar de sete processos nos quais figura como réu. Ele foi condenado em duas ações, ainda recorríveis. 

Fora do Brasil

Segundo as investigações citadas no processo, houve uma ramificação internacional das propinas que beneficiam os indiciados. Uma das contrapartidas a serem oferecidas para a empreiteira seria aumentar o valor das quantias repassadas pelo Brasil a Angola, o país localizado na áfrica, onde a construtora Odebrecht tinha obras em andamento.

Paulo Bernardo era o ministro do Planejamento e o governo brasileiro teria concedido US$ 1 bilhão em empréstimo ao país africano.

Segundo o despacho do juiz federal, há vastas provas no processo comprovando  que "a peça acusatória está jurídica e formalmente apta e descritiva".  Vídeos, mensagens, e-mails, planilhas e outras provas constam da ação.



Publicidade