Artista venezuelana assassinada no Amazonas gera comoção e protestos

Morte de Julieta Hernández, conhecida como palhaça Jujuba, causa indignação e reflexões sobre feminicídio

Por Plox

07/01/2024 12h52 - Atualizado há 5 meses

Julieta Hernández Martínez, artista circense venezuelana de 37 anos, conhecida pelo seu trabalho como palhaça Jujuba, foi encontrada morta no último sábado (6) em Presidente Figueiredo, no Amazonas. Hernández, que estava no Brasil desde 2015, era uma figura admirada em várias regiões do país e parte do grupo Pé Vermei, formado por mulheres que viajam de bicicleta. A artista, que se dirigia à Venezuela para visitar sua família, estava desaparecida desde 23 de dezembro. A Polícia Civil do Amazonas deteve um casal suspeito pelo crime.

 

Foto: Reprodução Instagram / @funarte

Comunidade artística e movimentos sociais reagem

Diversos grupos, incluindo a Fundação Nacional de Artes (Funarte), expressaram profundo pesar pela morte de Hernández. Maria Marighella, presidenta da Funarte, emitiu uma nota ressaltando a trajetória e o legado da artista. "Com toda alegria e irreverência, Julieta viajava com sua arte conduzindo crianças e adultos ao mundo circense e por isso, sempre será lembrada", afirmou Marighella.

O coletivo Pé Vermei e o grupo Circo di SóLadies, ambos ligados à palhaçaria feminista, também manifestaram sua tristeza e indignação. Em nota nas redes sociais, o Pé Vermei lamentou a brutalidade do crime, enquanto o Circo di SóLadies relembrou a influência positiva de Jujuba. "Nos ensinou que é preciso ter a coragem para seguir pedalando", destacou o grupo.

Movimento de Pequenos Agricultores relembra encontro com a artista

O Movimento de Pequenos Agricultores (MPA) compartilhou lembranças de um encontro com Hernández, ocorrido em janeiro de 2022, destacando seu espírito de alegria e liberdade. "Que nossa Floresta Amazônica possa ecoar o riso, a alegria e a liberdade de toda mulher que se sonha livre", enfatizou o MPA, reforçando a luta contra o feminicídio.

Solidariedade e apoio à família da vítima

Os amigos e seguidores de Julieta Hernández, através de campanhas nas redes sociais, estão se mobilizando para arrecadar fundos para o translado do corpo ao país de origem. A Funarte, juntamente com o governo do Amazonas, está prestando apoio à família e acompanhando as investigações. 

Destaques