Alerta sobre medicamentos contraindicados para Dengue

Especialistas enfatizam a importância do cuidado na automedicação frente ao aumento de casos de dengue no Brasil.

Por Plox

07/02/2024 16h40 - Atualizado há 2 meses

Diante do crescimento alarmante no número de casos de dengue no Brasil, que já resultou em 36 óbitos desde o início do ano, autoridades de saúde e especialistas em infectologia lançam alertas importantes sobre a automedicação. A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) ressalta os riscos do uso de certos medicamentos por pessoas com suspeita da doença.

 

Medicamentos Contraindicados

Entrevista com Especialista
Alberto Chebabo, presidente da SBI, em entrevista à Agência Brasil, destacou a contraindicação do ácido acetilsalicílico (AAS), mais conhecido como aspirina, entre outros. A razão é seu efeito sobre as plaquetas, que pode ser prejudicial devido à queda destas no quadro de dengue. Corticoides também são desaconselhados nas fases iniciais da doença.

Tratamento Adequado
A dengue, sendo uma infecção viral sem antivirais específicos, tem seu tratamento focado no alívio dos sintomas. Inclui-se analgésicos, antitérmicos e, em alguns casos, medicamentos para náuseas. Os sintomas mais comuns são febre, dor de cabeça, dores corporais, vômitos e lesões avermelhadas na pele.

Orientações Médicas

Busca por Atendimento
Chebabo alerta sobre a importância de não se automedicar e buscar atendimento médico imediato ao apresentar sintomas. Recomenda-se a avaliação médica precoce para realização de exames e orientação sobre os cuidados, incluindo os sinais de alerta que indicam a necessidade de retorno ao médico.

Sinais de Alerta
Vômitos persistentes, dor abdominal intensa, tonteira, sinais de desidratação, alterações de comportamento e qualquer forma de sangramento são alguns dos sintomas que exigem atenção urgente. A principal preocupação deve ser a hidratação e a observação de sintomas indicativos de complicações graves.

Impacto do Carnaval

Dengue e Festividades
A proximidade do carnaval levanta questões sobre o impacto das festividades na disseminação da dengue. Segundo Chebabo, o carnaval não altera a dinâmica de transmissão da dengue, realizada pelo mosquito Aedes aegypti. No entanto, problemas associados ao carnaval, como traumas, doenças respiratórias e desidratação, podem intensificar a demanda por serviços de saúde.

Conclusão

A conscientização sobre a contraindicação de certos medicamentos e a busca por orientação médica são fundamentais no combate à dengue. As autoridades de saúde continuam a enfatizar a necessidade de cuidados preventivos, especialmente em tempos de alta incidência da doença e durante períodos festivos como o carnaval, para evitar uma maior sobrecarga do sistema de saúde.

 

 


 

Destaques