Novo Salário Mínimo de R$ 1.412 eleva custos empresariais

Reajuste superior à inflação potencializa consumo familiar, menta economia Brasileira

Por Plox

07/02/2024 06h22 - Atualizado há 2 meses

O Brasil iniciou o pagamento do novo salário mínimo de R$ 1.412 neste mês de fevereiro, marcando um aumento de 6,97% em relação ao valor anterior de R$ 1.320. Este reajuste, significativamente acima da inflação de 3,71% registrada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) em 2023, afeta diretamente tanto as despesas quanto as receitas das empresas nacionais.

 

Empresas, especialmente as dos setores de alimentação e serviços gerais, que empregam grande número de trabalhadores com salários próximos ao mínimo, enfrentam aumentos nos custos devido ao reajuste salarial e às consequentes elevações em obrigações trabalhistas e previdenciárias. No entanto, essa elevação do salário mínimo também propicia um aumento na circulação de dinheiro na economia, já que famílias com rendas maiores tendem a consumir mais, impulsionando assim o faturamento empresarial.

 

Diogo Santos, economista e consultor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (IPEAD/UFMG), enfatiza o impacto positivo do aumento do salário mínimo sobre o consumo. "As famílias que tiveram reajustes dos seus salários poderão consumir mais. Isso significa mais vendas, mais contratações de serviços e, portanto, o valor retorna em parte para as empresas com maiores receitas", explica Santos.

 

Contudo, o economista também destaca as dificuldades enfrentadas pelas empresas ao longo do ano, período em que os preços podem aumentar enquanto os salários permanecem estáticos. Esse descompasso entre a inflação dos preços e o reajuste salarial anual força as empresas a absorverem os custos adicionais para manterem suas margens de lucro.

 

A competição no mercado é outro fator que Santos aborda, ressaltando que ela pode impedir que as empresas repassem imediatamente o custo do aumento salarial aos preços dos produtos, dependendo da dinâmica competitiva de cada setor.

 

Por fim, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) estima que o reajuste do salário mínimo beneficiará cerca de 59,3 milhões de brasileiros, resultando em um acréscimo de R$ 69,9 bilhões na renda anual do país. Além disso, espera-se que este aumento resulte em um incremento de R$ 37,7 bilhões na arrecadação tributária anual sobre o consumo no Brasil, evidenciando o papel significativo do salário mínimo na economia nacional.

Destaques