Cigarro compromete mecanismos de defesa do corpo contra o câncer, revela estudo

Pesquisa do Instituto de Pesquisa do Câncer de Ontário expõe como o tabagismo afeta o DNA e a eficácia do tratamento oncológico

Por Plox

07/11/2023 09h59 - Atualizado há 5 meses

Um estudo conduzido pelo Instituto de Pesquisa do Câncer de Ontário (OICR) iluminou as maneiras pelas quais o cigarro prejudica a capacidade natural do corpo de combater o câncer. A pesquisa, divulgada na revista científica Science Advances, descreve como o tabagismo provoca mutações específicas no DNA que podem interromper a produção de proteínas essenciais na prevenção do crescimento celular anormal.

REPRODUÇÃO PIXABAY

Detalhamento das Alterações Genéticas

Os danos causados pelo tabaco, denominados “mutações stop-gain”, cessam prematuramente a síntese de proteínas vitais, afetando genes supressores de tumor. Estes são cruciais para a produção de proteínas que normalmente suprimiriam a proliferação descontrolada de células, um dos principais mecanismos pelo qual o organismo previne o desenvolvimento de tumores malignos.

Ligação entre Cigarro e Câncer Pulmonar

A investigação examinou mais de 1.200 amostras tumorais de 18 tipos diferentes de câncer e encontrou uma associação notável entre as mutações prejudiciais e o câncer pulmonar. A extensão do consumo de tabaco mostrou-se diretamente proporcional à gravidade e quantidade dessas mutações, o que pode resultar em uma doença mais agressiva e resistente aos tratamentos convencionais.

Efeitos Além do Câncer Pulmonar

O estudo também identificou mutações stop-gain em outros genes relacionados a diferentes tipos de câncer, como o de mama. A pesquisa sugere que, além do tabagismo, fatores como dieta inadequada e consumo excessivo de álcool podem levar a alterações no DNA semelhantes às causadas pelo cigarro.

Destaques