Advogada é presa por desvio de dinheiro em empresa de Governador Valadares

Investigação da PCMG apura estelionato, falsificação de documentos e associação criminosa. A ação contou com apoio da PCES em buscas naquele estado

Por Plox

09/04/2021 16h40 - Atualizado há cerca de 3 anos

Na manhã desta sexta-feira (9), a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) deflagrou a operação Iscariotes, com o objetivo de cumprir seis mandados de busca e apreensão contra cinco pessoas, incluindo uma advogada, de 39 anos, apontada como a principal suspeita. O grupo é investigado pelos crimes de estelionato, falsificação de documentos particulares e associação criminosa. As medidas foram cumpridas nas cidades de Governador Valadares e Mendes Pimentel, Leste do estado, além de São Mateus, no Espírito Santo. 

Durante as investigações, conduzidas pela Delegacia Especializada em Furtos e Roubos em Governador Valadares, foi apurado que a mulher, entre os anos de 2017 e 2019, trabalhou em uma grande empresa de distribuição de alimentos da cidade, exercendo função no setor financeiro. Aproveitando-se da confiança depositada por seus superiores, ela teria criado um esquema fraudulento de desvio de dinheiro, que era realizado de duas formas diferentes.

Foto: Galvão/Plox


Uma das maneiras utilizadas pela investigada seria a criação de falsas atas de acordos trabalhistas envolvendo a empresa e supostos funcionários. As decisões judiciais eram remetidas ao setor de pagamentos, a fim de que os valores falsamente estipulados nos acordos fossem transferidos para as contas dos advogados dos trabalhadores. Contudo, a PCMG apurou que os advogados não eram, de fato, profissionais inscritos na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), mas, sim, “laranjas” da mulher, os quais emprestavam suas contas bancárias para desvio das quantias.

A outra forma usada pela suspeita seria a falsificação de documentos que indicavam a prestação de serviços cartorários em favor da empresa, de modo que o setor financeiro era requisitado por ela a realizar a quitação sem nunca o serviço ter sido prestado. Também nesse caso, a investigada teria utilizado um “laranja”, que se passava pelo tabelião do cartório para o recebimento dos valores.

Buscas

Ao todo, foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão domiciliar, sendo quatro no município de Governador Valadares e um em Mendes Pimentel, além de outro na cidade de São Mateus (ES). Para o cumprimento deste último, a PCMG contou com o apoio da Polícia Civil do Estado do Espírito Santo. A Justiça também deferiu medidas cautelares, consistentes na quebra do sigilo bancário das contas identificadas como sendo dos “laranjas”, que facilitarão a identificação do caminho percorrido pelo dinheiro desviado.

Material apreendido. Foto: Galvão/Plox


As buscas realizadas na casa e no escritório da advogada foram acompanhadas por membros da OAB, visando garantir a legalidade e a transparência das ações policiais. Nos endereços a equipe arrecadou diversos documentos. Em continuidade, na residência de um dos suspeitos, de 66 anos, foram apreendidos um revólver calibre 38 e 14 munições de mesmo calibre, sendo o homem autuado em flagrante por posse ilegal de arma de fogo.

Iscariotes

O nome da ação faz referência a Judas Iscariotes, o qual, de acordo com os evangelhos canônicos, foi um dos 12 apóstolos de Jesus Cristo e veio a ser o traidor que entregou Jesus aos seus captores, fazendo alusão à ação criminosa da advogada, que se aproveitou da confiança de seus empregadores. 

Para a operação, coordenada pelos delegados Clériston Lopes e Fábio Sfalcin, com o apoio operacional da equipe da Delegacia em Mantena, foram mobilizados 23 policiais civis. As investigações prosseguirão.

Veja o vídeo da PCMG:

Destaques