Prefeitura lança campanha de enfrentamento à violência na zona rural de Ipatinga 

09/05/2019 10:52

Pesquisas de cunho documental e de campo possibilitarão conhecer o território de intervenção e a forma como o fenômeno violência se manifesta nele

Publicidade

No Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, 18 de maio, a Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS) de Ipatinga, por meio do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), lança a Campanha de Enfrentamento às Violências 2019 no Ipaneminha na Zona Rural. O projeto-piloto pretende realizar ações que promovam a prevenção, identificação e proteção de crianças, adolescentes, idosos, pessoas com deficiência e mulheres no que se refere à violência. 
 
No dia 25 de abril aconteceu o primeiro encontro na escola Mario Casassanta, entre os agentes da Rede de Atendimento à Criança, Adolescente, Pessoa Idosa e à Mulher em Ipaneminha, alunos e membros da comunidadeNo dia 25 de abril aconteceu o primeiro encontro na escola Mario Casassanta, entre os agentes da Rede de Atendimento à Criança, Adolescente, Pessoa Idosa e à Mulher em Ipaneminha, alunos e membros da comunidade. (Foto: divulgação)

O diagnóstico vai considerar o território onde vive o público-alvo, e tem como um dos objetivos tornar os agentes da rede de atendimento, lideranças locais e a comunidade de uma forma geral mais fortalecidos na relação direta ou indireta com o fenômeno violência. 
 
O projeto-piloto será realizado na região do Ipaneminha. A secretária Adjunta da pasta da Assistência Social, Cláudia Castro, disse que futuramente a administração municipal pretende expandir as ações e alcançar as demais áreas rurais de Ipatinga, como Tribuna e Pedra Branca e também a área urbana. 
 
“A opção de darmos início a esse projeto no Ipaneminha se deu a partir de uma demanda recorrente ao CREAS. Foi apontada a necessidade de uma atenção específica e especializada ao território, dadas as características peculiares que contribuem para uma significativa vulnerabilidade à ocorrência de violência na localidade”, explicou a secretária Adjunta. 
 
Também são parceiros do projeto o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Território IV, a Unidade Básica de Saúde local do Ipaneminha, Polícia Militar, incluindo a equipe do Programa de Prevenção à Violência Doméstica e Conselho Tutelar.
 
Desenvolvimento do projeto
Para implantação efetiva do projeto na comunidade do Ipaneminha, os profissionais envolvidos na elaboração do diagnóstico contaram com a parceria da Escola Municipal Professor Mario Casassanta. 
 
No dia 25 de abril aconteceu o primeiro encontro nas dependências do educandário. Estavam presentes agentes da Rede de Atendimento à Criança, Adolescente, Pessoa Idosa e à Mulher em Ipaneminha, mais alunos da escola e membros da comunidade. Na oportunidade a secretária Adjunta Cláudia Castro e os técnicos do Centro de Referência Especializado de Assistência Social explicaram como seria o desenvolvimento e a execução do projeto nas salas de aula. 
 
Campanha de enfrentamento a violência (Foto: reprodução)Campanha de enfrentamento a violência (Foto: divulgação)

“É importante ressaltar que para a boa execução deste Projeto nós tivemos o apoio total da direção da escola Mário Casassanta, que abraçou a causa. Desde a primeira reunião, onde detalhamos a importância do projeto, eles estão realizando trabalhos com alunos dentro de sala de aula. No decorrer da realização desta atividade, a própria comunidade escolar vai dar um nome específico para essa campanha. Entendemos que a melhor forma de falar sobre os diferentes tipos de violência é ensinando e inserindo os alunos, pais e sociedade dentro do contexto”, pontuou. 
 
Paralelo às atividades desenvolvidas em sala de aula, também está sendo realizado um diagnóstico territorial do Ipaneminha. Pesquisas de cunho documental e de campo possibilitarão conhecer o território de intervenção e a forma como o fenômeno violência se manifesta nele. “Concluída esta fase, serão realizadas as intervenções com o público-alvo a partir das informações advindas do diagnóstico”, explica Cláudia. 
 
Além dos trabalhos realizados em sala e do diagnóstico construído durante a execução do projeto, a iniciativa também conta com a criação de camisas e faixas sobre o tema e eventos públicos com atrativos para as crianças, como cama elástica, algodão-doce, pipoca e piscina de bolinhas. 
 
Atuações     
Por atender um público-alvo extenso, o projeto foi dividido em três ações macro. Entre os meses de maio e junho, serão realizadas atividades voltadas ao tema violência contra a criança e o adolescente.

Violência infantil (Foto: divulgação)Violência infantil (Foto: divulgação)
 
Também no mês de junho e estendendo para julho, serão abordados os temas de enfrentamento à violência contra a pessoa idosa e com deficiência. No segundo semestre, entre os meses de agosto e setembro, o grupo abordará o enfrentamento à violência contra a mulher.



Publicidade