Estudos apontam que sistema de pontos na CNH altera as atitudes dos motoristas

09/06/2019 21:24

Mudança traz um cenário muito diferente do que ocorre em outras nações, como a Alemanha, que tem um dos sistemas mais rigorosos

Publicidade

O presidente Jair Bolsonaro encaminhou na semana passada para o Congresso Nacional o projeto que pretende aumentar o limite da pontuação de 20 para 40 para a suspensão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Ele defende que o excesso de rigor incentiva a ‘indústria de multas’ no Brasil, afirmando: "Por mim, botaria 60 (pontos)". No entanto, a mudança traz um cenário muito diferente do que ocorre em outras nações, como a Alemanha, que tem um dos sistemas mais rigorosos.

Trabalhos científicos têm mostrado a eficácia do sistema de pontos para conter a violência no trânsito (foto: Ciretran / Divulgação)

Foto: Ciretran / Divulgação

Conforme um levantamento de países europeus, o sistema de controle de pontos na carteira altera as atitudes dos condutores, ajudando na redução de infrações, lesões e mortes no trânsito. 

O estudo científico foi publicado no Journal of Epidemiology & Community Health e diz que “resultados mostram que as penalidades não monetárias baseadas em pontos afetam mesmo aqueles com alta renda e riqueza", sugerem os pesquisadores do estudo. Outro levantamento feito na Espanha sobre o sistema de pontos sobre 29.113 mortes em acidentes de trânsito em sete anos. A estimativa é de que 618 pessoas morreram em acidentes nos 18 meses seguintes à implantação do sistema. 

De acordo com o coordenador da Iniciativa Bloomberg para a Segurança Global no Trânsito e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Pedro de Paula, medidas administrativas são imprescindíveis. “Senão, cria-se outra camada de desigualdade num país já desigual. Quem pode pagar a multa terá salvo conduto", acredita. 

Atualização 8h39



Publicidade