PF diz que Bolsonaro custeou viagem aos EUA com dinheiro de joias

No final de 2022, ao encerrar seu mandato, o ex-presidente deixou o Brasil e passou uma temporada no exterior

Por Plox

09/07/2024 06h07 - Atualizado há 11 dias

A Polícia Federal (PF) afirmou que Jair Bolsonaro não fez uso dos recursos depositados em suas contas bancárias durante o período em que esteve nos Estados Unidos. No final de 2022, ao encerrar seu mandato, o ex-presidente deixou o Brasil e passou uma temporada no exterior.

Brasília (DF), 18/10/2023, O ex-presidente Jair Bolsonaro, fala com jornalistas, na sede da Polícia Federal em Brasília. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Esquema de venda ilegal de joias

A conclusão faz parte do relatório da PF que indiciou o ex-presidente e mais 11 acusados de participarem de um esquema de venda ilegal de joias recebidas de autoridades estrangeiras durante o governo Bolsonaro. A investigação revelou que entre 30 de dezembro de 2022 e 30 de março de 2023, período em que Bolsonaro esteve fora do país, não houve movimentações em suas contas bancárias, apesar da quebra de sigilo bancário.

uso de recursos obtidos com a venda de joias

"Tal fato indica a possibilidade de que os proventos obtidos por meio da venda ilícita das joias desviadas do acervo público brasileiro, que, após os atos de lavagem especificados, retornaram, em espécie, para o patrimônio do ex-presidente, possam ter sido utilizados para custear as despesas em dólar de Jair Bolsonaro e sua família, enquanto permaneceram em solo norte-americano", declarou a PF.

Joias levadas no avião presidencial

O relatório da PF também apontou que pelo menos três kits de joias foram levados no avião presidencial quando Bolsonaro deixou o país. O primeiro conjunto inclui duas esculturas douradas, uma representando um barco e outra uma árvore, presentes do Bahrein. O segundo kit, da marca Chopard, é composto por uma caneta, um anel e um par de abotoaduras. O terceiro conjunto inclui um anel, abotoaduras e um relógio da marca Rolex.

A defesa de Bolsonaro ainda não se pronunciou sobre as conclusões do relatório.

 

 

 

 

Destaques