A TV 3.0 e o futuro da televisão: será necessário trocar de aparelho?

novidade tecnológica promete revolucionar a maneira como assistimos TV, integrando completamente o sinal digital com a internet.

Por Plox

10/04/2024 08h11 - Atualizado há 2 meses

Em uma inovação apresentada pelo Ministério das Comunicações, a TV 3.0, também conhecida como "TV do Futuro", busca integrar definitivamente o sinal digital à internet, oferecendo ao telespectador a possibilidade de interagir com o conteúdo transmitido pelos canais abertos. Previsto para ser concluído ainda neste ano, o desenvolvimento dessa tecnologia antecipa a fabricação e posterior disponibilidade dos aparelhos nas lojas de todo o país.

 Foto: Divulgação/ Ministério das Comunicações

O impacto na tecnologia televisiva atual

Com o avanço para a TV 3.0, os televisores de tubo, característicos pela caixa acoplada ao fundo e que prevaleceram no mercado durante a era analógica, deverão se tornar ainda mais obsoletos. Ainda presentes em algumas residências, esses aparelhos já vinham perdendo espaço com a ascensão do formato digital e agora devem ser gradativamente substituídos.

Por outro lado, as Smart TVs, que já possuem alguma forma de conectividade, deverão ser fortalecidas. A implementação da nova tecnologia permitirá que os modelos mais modernos recebam um conversor especial, proporcionando a experiência interativa proposta pela TV 3.0. Essa opção de conversor, entretanto, não será aplicável aos televisores de tubo, dada a incompatibilidade destes com a conexão à internet. O conversor surge como uma alternativa viável para aqueles que optarem por não adquirir imediatamente um novo aparelho com a tecnologia 3.0 integrada.

Conversores e a transição para o novo formato

Em declaração ao O TEMPO Brasília, Wilson Diniz Wellisch, secretário de Comunicação Social Eletrônica do Ministério das Comunicações, esclareceu que a transição para a TV 3.0 deverá incentivar naturalmente a substituição dos antigos televisores de tubo por versões mais contemporâneas, como as Smart TVs. Relembrando o processo de mudança do sinal analógico para o digital em 2006, Wellisch destacou que a inserção de conversores já havia iniciado a substituição gradual desses aparelhos antigos. Com a chegada da TV 3.0, espera-se um processo similar, onde conversores serão capazes de transformar o sinal digital atual em um sinal compatível com as novas funcionalidades da TV 3.0, possibilitando até mesmo que TVs não-Smart se tornem aptas a oferecer tais interatividades.

Destaques