A controvérsia das fotos da prefeita de Atalaia (Alagoas) por tirar fotos em meio a enchente

Uma usuária do Twitter questionou se a prefeita estaria usando a tragédia como cenário para dar a impressão de solidariedade.

Por Plox

10/07/2023 07h07 - Atualizado há cerca de 1 ano

As recentes chuvas que assolaram Alagoas, deixando um rastro de destruição e afetando mais de 22 mil pessoas, desencadearam uma onda de críticas direcionadas à prefeita de Atalaia, Cecília Hermann (MDB). A polêmica surgiu após Hermann compartilhar fotos suas no meio das águas das enchentes, onde é vista com água acima da cintura.

 

Foto: Redes Sociais / Reprodução

Os comentários mais contundentes vieram das redes sociais. Uma usuária do Twitter questionou se a prefeita estaria usando a tragédia como cenário para dar a impressão de solidariedade. "A prefeita de Atalaia acha que enchente é um editorial de moda. Vejam só as fotos e me digam. Não é possível que só eu esteja vendo isso", afirmou a internauta. Outro usuário destacou o perigo da atitude da prefeita ao se inserir no meio da enchente.

Contudo, Hermann também recebeu apoio. Um comentarista, que se identificou como residente de Atalaia, defendeu a gestora, ressaltando que a prefeita e os funcionários municipais estiveram nas ruas desde o início das inundações prestando assistência aos afetados.

Defesa da Prefeitura de Atalaia

Após a repercussão das fotos e a subsequente remoção das mesmas das redes sociais, a Prefeitura de Atalaia se pronunciou. Segundo nota oficial, a prefeita Cecília Hermann não posava para as fotos e as críticas eram "infundadas". A nota afirmou que as fotos foram tiradas enquanto a prefeita estava trabalhando, auxiliando a população no caos provocado pela enchente.

A administração municipal salientou ainda que a prefeita já havia agido de forma semelhante em enchentes anteriores, mostrando seu comprometimento com a comunidade, dentro ou fora da água.

Enquanto a polêmica se desenrolava, o estado de Alagoas enfrentava uma de suas piores crises climáticas. Desde a última sexta-feira, as chuvas forçaram cerca de 22 mil pessoas a deixarem suas casas. A situação se agravou tanto que o governador Paulo Dantas (MDB) aumentou o número de municípios em situação de emergência de 22 para 31. A previsão, no entanto, é que o volume de chuvas diminua a partir desta segunda-feira, aliviando a pressão sobre os rios e lagunas inundados.

Destaques