Líder do PCC diz que o "PT tinha diálogo com nóis cabuloso"

10/08/2019 16:05

Força-tarefa, batizada de Operação Cravada, teve início após indícios de ligação da facção com partidos políticos

Publicidade

Um líder do Primeiro Comando da Capital (PCC) afirmou, durante áudio grampeado pela Polícia Federal, que a organização criminosa “tinha um diálogo ‘cabuloso’” com o Partido dos Trabalhadores (PT). Ainda na interceptação, o integrante da facção criticou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. 

A escuta telefônica entre dois presos foi alvo da PF e transcrita pelo órgão em um relatório, em operação que buscou o desmantelamento do sistema financeiro do PCC. A conversa que faz vínculo entre o PT e a facção partiu do detento Alexsandro Roberto Pereira, conhecido como ‘Elias’ e também como ‘Veio’. Os áudios foram divulgados pelo jornal O Estado de S. Paulo e pelo Jornal da Record. 

PT

Líder de facção faz referência ao Partido dos Trabalhadores, em conversa interceptada- Foto: Reprodução

Segundo Alexsandro, desde o começo do governo atual, “não há diálogo” e que o ministro Moro “veio para atrasar”. Em um trecho, o criminoso diz: “Com ‘nóis’ já não tem diálogo, não, mano. Se vocês estava [sic] tendo diálogo com outros, que estava na frente, com ‘nóis’ já não vai ter diálogo, não. Esse Moro aí, esse cara é um filha da p***, mano. Esse cara aí é um filha da p*** mesmo, mano. Ele veio para atrasar”, afirma.

Na sequência, o detento afirma que com o Partido dos Trabalhadores havia boa comunicação, como declarou: “Ele começou a atrasar quando foi pra cima do PT. Pra você ver, o PT com ‘nóis’ tinha diálogo. O PT tinha diálogo com ‘nóis’, cabuloso, mano, porque... Situação que nem dá pra ‘nóis’ ficar conversando a caminhada aqui pelo telefone, mano. Mas o PT, ele tinha uma linha de diálogo com ‘nóis’ cabulosa, mano”.

Operação Cravada

A força-tarefa, batizada de Operação Cravada, teve início após indícios de ligação da facção com partidos políticos. O núcleo financeiro da organização criminosa teria a atribuição de receber e gerenciar as contribuições para o PCC em todo o país, conforme informou a Polícia Federal. Os envolvidos atuavam em presídios de vários estados do país. Segundo a PF, foram detidas 28 pessoas suspeitas e foram bloqueadas 400 contas que teriam vínculo do PCC.

Resposta do PT

O PT, por meio de sua assessoria, disse que as conversas se tratam de uma "armação" e acusou o ministro da Justiça, lembrando as supostas mensagens vazadas em julho por um site: “Esta é mais uma armação como tantas outras forjadas contra o PT, e vem no momento em que a Polícia Federal está subordinada a um ministro acuado pela revelação de suas condutas criminosas. Quem dialogou e fez transações milionárias com criminosos confessos não foi o PT, foi o ex-juiz Sergio Moro, para montar uma farsa judicial contra o ex-presidente Lula com delações mentirosas e sem provas. É Moro que deve se explicar à Justiça e ao país pelas graves acusações que pesam contra ele.”

Atualizada às 16h08
 



Publicidade