Casal é condenado por esquartejar jovem em 14 pedaços após encontro por aplicativo

11/07/2019 14:23

Os dois foram considerados culpados e agora poderão ser sentenciados à pena de morte

Publicidade

Na quarta-feira, em Nebraska, nos Estados Unidos, o casal acusado de assassinar a jovem Sydney Loofe, de 24 anos, foi condenado por esquartejá-la em 14 pedaços que foram separados em sacos de plásticos de lixo, em novembro de 2017. No julgamento, que já dura a mais de um ano, os dois foram considerados culpados e agora poderão ser sentenciados à pena de morte. 

A americana Sydney Loofe, de 24 anos, foi dada como desaparecida após um suposto segundo encontro com Bailey Boswell, que conheceu pelo aplicativo de relacionamento Tinder, em 15 de novembro de 2017. A última notícia que se teve da vítima foi quando ela publicou uma foto em suas redes sociais legendada com a frase: "Pronta para o meu encontro". 

Após dois meses de sua postagem seu corpo foi encontrado em 14 pedaços divididos em sacos plásticos.

Sydney (Foto: reprodução/Facebook)

Sydney (Foto: reprodução/Facebook)

Segundo a acusação, Bailey Boswell, de 25 anos, atraiu Sydney conforme indicações de seu namorado, Aubrey Trail, de 52 anos.

O casal foi condenado por assassinato em primeiro grau. Aubrey também foi considerado culpado por conspiração criminosa e terá um segundo julgamento nesta quinta-feira, definindo se suas ações se aplicam à pena de morte. Bailey ainda aguarda a segunda fase do julgamento. 
 

(Foto: reprodução)

Aubrey Trail e Bailey Boswell. (Foto: reprodução)

No mês passado, após testemunhas dizerem que foram atraídas para um “culto sexual” através do aplicativo por Bailey, Aubrey cortou o pescoço no meio do tribunal. De acordo com uma das testemunhas, o casal falava sobre matar e torturar pessoas para “fortalecer seus poderes”. Aubrey se exaltou e gritou: “Bailey é inocente e eu amaldiçoo todos vocês”. Em seguida ele cortou o pescoço com um objeto - o objeto usado não foi informado. 

Posteriormente, ele foi levado ao hospital e liberado após levar alguns pontos.

A defesa dos dois alega que a morte de Sydney foi acidental e afirma que os três praticaram sexo consensual envolvendo “prática de asfixia”. No entanto, a Promotoria discordou e afirma que o crime foi premeditado.

Atualizado às 15h09.



Publicidade