Eduardo Bolsonaro vê cargo diplomático como "missão de trazer negócios e investimentos"

12/07/2019 14:12

Convite não foi oficializado por Bolsonaro, mas ele teria o aval do ministro das Relações Exteriores

Publicidade

Cogitado como embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), 35 anos, afirmou que caso se concretize sua entrada no cargo diplomático, a experiência será pela sua vivência, e não por ter como pai o presidente da República, Jair Bolsonaro. Nesta sexta-feira, 12 de julho, o senador Nelson Trad será recebido pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que preside a comissão que sabatina candidatos a embaixadores. Eduardo afirmou que aguardará o ato para resolver seu futuro no possível cargo e que o fato de ser filho do presidente não garante uma “vida boa na embaixada lá”, mas para ele, “é uma representação do Brasil. Tem a missão de trazer negócios e investimentos".

Eduardo é cotado para assumir embaixada dos EUA Marcelo Camargo/Agência Brasil 01.02.2019

Eduardo Bolsonaro afirma que aguardará sabatina- Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Eduardo ainda comentou que o convite ainda não foi oficializado pelo chefe do Executivo e se isso vier a ocorrer, tem o aval do ministro das Relações Exteriores, que “expressou apoio ao meu nome por ocasião de uma possível indicação para a embaixada dos Estados Unidos. Acredito que agora só falta conversar com o presidente Jair Bolsonaro e reafirmar se essa é mesmo a vontade dele, se ele mantém o que ele tem dito", afirmou, lembrando que ele está sendo apenas cotado. O deputado elencou o que tem feito como deputado e ressaltou que sua carreira na política não é recente, já que não é “um filho de deputado que está do nada vindo a ser alçado a essa condição, tem muito trabalho sendo feito, sou presidente da Comissão de Relações Exteriores”, disse. Ele ainda comentou sobre suas experiências na ‘terra do Tio Sam’, como o intercâmbio e as coisas simples que fez por lá.

Atualizada às 15h27



Publicidade