Com greve de motoristas, Portugal impõe racionamento de combustível

12/08/2019 16:48

Motoristas de transporte de combustível começaram paralisação nessa segunda-feira (12)

Publicidade

Um racionamento de combustível foi imposto pelo governo de Portugal e cerca de 30% dos postos não foram abastecidos nessa segunda-feira (12). Motoristas de transporte de combustível começaram uma greve por tempo indeterminado.

Na última sexta-feira (9), foi declarado uma crise energética pelo governo, permitindo garantir o abastecimento de postos, hospitais, aeroportos e outros consumidores primários. O racionamento de combustível para o público limita os condutores a um máximo de 15 litros de gasolina ou diesel a cada abastecimento em estações específicas, cobertas pelo regime de serviços mínimos decretado pelo governo; e a 25 litros em todas as outras estações.

À imprensa, o primeiro-ministro, Antônio Costa, declarou que “gostaria de salientar como algo positivo que serviços mínimos estão sendo prestados... A situação é de normalidade e civilidade", informou. Ele ainda afirmou que não houve necessidade de recorrer a um plano de apoio para o uso de motoristas do exército e da polícia, embora o governo esteja pronto para adotar essas e outras medidas necessárias caso o fornecimento seja comprometido.

Após as negociações com empregadores do setor privado sobre salários melhores e direitos trabalhistas falharem, os motoristas pararam o trabalho pela segunda vez neste ano. O Sindicato Nacional dos Condutores de Materiais Perigosos, que convocou a greve, disse que cumpriria os serviços mínimos. O Sindicato dos Motoristas de Frete Independente (SIMM) também participará da paralisação.

Antônio pediu que as negociações entre o sindicato e os empregadores sejam retomadas o mais breve possível. Os motoristas informaram que a greve permanecerá até que seja feito uma "proposta razoável". O vice-presidente do Sindicato Nacional dos Condutores de Materiais Perigosos, Pedro Parda Henriques, informou que "até lá, vamos fazer greve por um dia, uma semana, um mês, pelo tempo que for necessário", declarou.

Atualizada às 7h59
 



Publicidade