Força-tarefa captura onça-pintada em Juiz de Fora

O felino está bem de saúde e será levado para uma área florestal que será mantida em sigilo para evitar riscos ao animal

Por Plox

13/05/2019 11h02 - Atualizado há quase 5 anos

Uma equipe do Jardim Botânico da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e outros órgãos conseguiram capturar uma onça-pintada, após aparições em diversos locais de Juiz de Fora desde abril. Foram montadas 10 armadilhas nas dependências do parque botânico para fazer o trabalho de captura do animal, que está bem de saúde e será levado para uma área florestal.  

De acordo com a UFJF, o nome do destino da onça será mantido em sigilo, a pedido do local que o receberá. "Dessa forma, tenta-se evitar a atração de caçadores para a região e de outros agentes que possam representar riscos ao animal", informou a instituição. 

UFJF

Equipe examinou o animal, que está bem de saúde- Foto: Reprodução/UFJF/Raul Mourão e Marcos Perobelli

Uma força-tarefa foi feita para pegar o animal, envolvendo além da UFJF, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Corpo de Bombeiros, a prefeitura local, o Instituto Estadual de Florestas (IEF), a Polícia Militar, o Campo de Instruções do Exército Brasileiro.

Desde o mês passado, vários moradores da cidade relataram ter visto o animal. Em um dos episódios, conforme disse o funcionário de um hotel, o felino rodeou o estabelecimento, mas ao deparar com ele, não esboçou nenhum sinal de ataque. O recepcionista disse que apenas fechou as portas para que a onça não adentrasse, depois o animal desapareceu.

Na semana passada, no entanto, o felino atacou galinhas e um galo do aposentado Francisco Monteiro. O homem disse que antes do ataque ao galinheiro, viu que se tratava de um animal em extinção e que o bicho não reagiu ferozmente a ele, então, se tranquilizou. “Eu pensei que era ladrão, mas quando cheguei era a pobre da onça. Não vou fazer nada com o animal porque ele está em extinção. Eu tive zelo e carinho com ela. Ela também teve carinho comigo porque ela não me agrediu. Eu meti a lanterna nela e ela saiu normalmente. Nem rosnou nem fez nada comigo”, relatou, lembrando que o felino fugiu para uma mata após o ataque. Diversas câmeras de segurança registraram o felino pelas ruas da cidade.

Atualizada às 12h59

Destaques