Médicos comemoram primeira cirurgia íntima com pele de tilápia

13/08/2019 17:17

O procedimento foi feito com uma pessoa do sexo masculino de 36 anos, passando para o feminino

Publicidade

Uma cirurgia inédita  de redesignação sexual (transição) foi realizada em Cali (Colômbia), liderada por brasileiros. O diferencial é que no procedimento foi utilizada pele de tilápia, peixe de água doce bastante consumido no país. A cirurgia foi alvo da empolgação de pesquisadores do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM) da Universidade Federal do Ceará (UFC) e comunidade médica de Cali. “Sucesso total”, afirmaram.

O grupo estuda o peixe como matéria-prima na área da saúde desde 2014. Os resultados sempre têm sido satisfatórios, como afirma o médico Leonardo Bezerra, do Ceará. Ele, que é autor do método, realiza cirurgias de reconstrução vaginal de mulheres não têm o canal vaginal, quem passou por tratamento de câncer e  transexuais. A técnica começou a partir do uso da membrana do peixe para tratar queimaduras, fazendo com que a cirurgia nesses casos seja menos agressiva e mais rápida.

Equipe de médicos e pesquisadores realiza cirurgia ginecológica com pele de tilápia (foto: Arquivo pessoal)

Médicos e pesquisadores realizaram o procedimento inédito-Foto: Arquivo Pessoal

A cirurgia durou cerca de duas horas e foi feita com o aval do Conselho de Ética Médica colombiano, que redesignou uma pessoa do sexo masculino de 36 anos, passando para o feminino. Segundo Leonardo Bezerra, “outras nove cirurgias já estão agendadas para ocorrer naquele país até o fim do ano, com matéria-prima originária do Banco de Peles de Tilápia, instalado no NPDM/UFC”.

Atualizada às 10h38



Publicidade