Dívida do Cruzeiro pode pode passar de R$ 1 bilhão, diz Medioli

14/01/2020 14:56

Publicidade

Em um vídeo ao vivo onde responde perguntas e fala com a população, o prefeito de Betim, Vittorio Medioli, ex-CEO do Cruzeiro que entrou junto com os demais integrantes do Conselho de Notáveis, disse que a dívida do Cruzeiro pode ser de mais de R$ 1 bilhão. 
 
O empresário disse que a soma dos R$ 800 milhões, já anunciados anteriormente, não inclui o valor que seria gasto para renegociar o Profut (Programa de Modernização da Gestão de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro), uma renegociação das dívidas fiscais do clube, que chegaria a mais de R$ 200 milhões. 

medioli2 Foto: Reprodução/Redes Sociais

 

Medioli disse também que o refinanciamento da dívida fiscal do Cruzeiro, o Refis, está há três anos sem ser pago. 
 
Vittorio disse que, diferente do vôlei, esporte em que dirige o clube multicampeão SADA Cruzeiro, “no futebol tem dirigente que vai na gandaia junto com atleta”, que estão “tão distraídos em ganhar dinheiro com trambique lá dentro, que não cuida do atleta, não cuida do clube”. Ele finalizou essa parte dizendo de forma enfática que isso tudo “é um caso de polícia”, que a polícia “tem que entrar lá dentro, despoluir e reconstruir” o Cruzeiro. 
 
Cabide de emprego
 
O prefeito de Betim também disse que quando o Conselho de Notáveis assumiu, a folha salarial do Cruzeiro, sem contar os atletas, era de R$ 4,5 milhões. Ele disse também que 100 pessoas foram demitidas, sendo, desses 100, 83 mandados embora por Medioli. “Eu 'canetei' 83 porque eram parentes de conselheiro, cabide de emprego, super-salário”, disse. 

medioli Foto: Reprodução/Redes Sociais

 

Medioli disse que com essas demissões, metade do valor da folha salarial foi cortado. Ele também acusou a antiga diretoria de fazer do clube um “cabide de emprego”. “O torcedor tem que ser informado, tem que ter transparência. Uma gestão transparente ou uma gestão para parente? Lá é para parente! Cabidão de emprego, nepotismo para os amigos. Tem que moralizar”, afirmou. 



Publicidade