Publicidade

Ipatinga planeja atividades remotas para alunos da rede municipal

14/05/2020 16:46

Com as aulas presenciais suspensas pelo menos até meados de junho, nova modalidade será submetida à aprovação do Conselho de Educação

Publicidade

Em meio às consequências da pandemia do novo coronavírus, como fechamento de escolas e as recomendações de isolamento social, principalmente para professores, alunos e familiares, como medidas de enfrentamento e controle da doença, a Prefeitura de Ipatinga intensifica estudos e trabalhos para viabilizar a retomada das atividades escolares da rede pública municipal de maneira remota.

A medida é uma alternativa para minimizar os impactos ao ano letivo dos alunos. Ontem (13), o Ministério da Educação prorrogou por mais 30 dias a autorização para as instituições de ensino substituírem as disciplinas presenciais por aulas que utilizem meios e tecnologias de informação e comunicação em cursos que já estavam em andamento. A regra começa a valer nesta sexta-feira (15), e a prorrogação vai até 16 de junho. 

“Nesse sentido, e sempre alinhada às decisões do Comitê Gestor de Crise de Ipatinga, a Secretaria Municipal de Educação tem mobilizado equipes nas últimas semanas para se reestruturar e voltar da melhor maneira possível, assim que formos autorizados”, explica a secretária da pasta, Eva Sônia Rodrigues.

FOTO 1Foto: Divulgação PMI
 

O primeiro passo já foi dado. Em abril, além de antecipar o recesso escolar de julho, o município lançou a plataforma “Estude em Casa”. Disponível para os alunos do Ensino Fundamental, o espaço virtual possui materiais didáticos, atividades, vídeos e outros instrumentos pedagógicos digitais sintonizados com a proposta da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), suprindo o tempo de forma educativa.

Agora, a plataforma “Estude em Casa” poderá ofertar também o conteúdo reformulado e exigido pelo calendário letivo para cada série. Para isso, o segundo passo necessário, já em andamento, é o mapeamento dos estudantes que possuem acesso, ou não, a computador e internet em casa. O resultado deste levantamento servirá de base para o terceiro passo, que é a impressão e entrega em mãos das mesmas atividades para quem não tem como estudar em casa pela internet.

Planejamento e aprovação

A estratégia de atividades remotas da Secretaria Municipal de Educação será ainda debatida e aprimorada nas discussões com os diretores das quarenta e duas escolas do município, convocados para um encontro na próxima terça (19). Para evitar aglomeração de pessoas e prevenir contra a covid-19, o dirigentes serão divididos em três turmas, ao longo do dia, no Centro de Formação Pedagógica (Cenfop), no bairro Canaã.

A proposta final do plano para aulas remotas será apresentada ao Conselho Municipal de Educação, em reunião marcada para o próximo dia 27. Se aprovada, a modalidade pode ser iniciada em junho.

Rede Estadual

As aulas da rede estadual de educação de Minas Gerais serão retomadas de forma remota na próxima segunda-feira, dia 18. Serão três as ferramentas adotadas para o ensino não-presencial: apostilas disponíveis na internet, aulas por meio de emissora pública de televisão e um aplicativo que facilita o diálogo entre alunos e professores.

Contudo, além de ser alvo de uma disputa judicial com o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), a proposta do Governo de Minas teve ainda que recuar em pontos polêmicos, como o repasse de algumas atribuições aos municípios. 

“O governo estadual chegou a falar em utilizar as prefeituras para que nós entregássemos as apostilas de planos de estudo para os alunos deles, num momento em que temos nos esforçado muito para dar conta de elaborar e, posteriormente, tentar viabilizar a entrega dos nossos. Uma atitude descabida que, ainda bem, foi corrigida. Eles voltaram atrás e agora o governo estadual disponibilizará recursos para isso”, esclarece a secretária municipal de Educação, Eva Sônia Rodrigues.
 



Publicidade