Incertezas em momentos de desastre favorecem desinformação

Pesquisas revelam aumento de notícias falsas em meio a eventos climáticos extremos

Por Plox

14/05/2024 13h15 - Atualizado há 5 dias

Durante períodos de crise, como os desastres naturais, a normalidade é interrompida, gerando uma atmosfera de incerteza que favorece a disseminação de notícias falsas. Fabio Malini, pesquisador da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), destaca como as redes sociais se tornam ambientes propícios para a proliferação de desinformação em tais situações. Malini, que lidera o Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic), observa esse fenômeno particularmente em relação ao recente desastre climático no Rio Grande do Sul.


Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil

Segundo Malini, o caos informacional é uma consequência direta dos desastres, que desestabilizam o equilíbrio social. "As pessoas são forçadas a abandonar suas casas e se abrigar em locais temporários, enfrentando a incerteza sobre seu futuro imediato. Esse cenário é um terreno fértil para rumores e informações incorretas", explicou o pesquisador. Ele ressalta que esse padrão é comum em eventos de grande escala, como desastres naturais ou atentados terroristas, onde a incerteza se eleva consideravelmente.

O Labic realizou um estudo sobre as mensagens circuladas na rede social X (antiga Twitter) na última semana, notando uma significativa mobilização para ajudar os afetados pela tragédia, o que é um aspecto positivo. No entanto, o levantamento também apontou a circulação de numerosas fake news que confundem e podem comprometer os esforços de assistência às vítimas.

Um exemplo citado por Malini foi o boato de que caminhões de doações estavam sendo retidos por autoridades até que impostos fossem pagos. Essa notícia falsa ganhou força com a ajuda de influenciadores digitais e contribuiu para a hesitação de potenciais doadores, que ficaram em dúvida se as contribuições realmente chegariam aos necessitados.

Além dos rumores simples, a desinformação pode se manifestar através de generalizações perigosas. "Às vezes, um incidente isolado de violência em um abrigo é apresentado como se fosse um problema generalizado, afastando as pessoas desses espaços de refúgio", observa o pesquisador. Da mesma forma, alegações infundadas sobre roubos generalizados podem levar as pessoas a retornarem prematuramente para suas casas, colocando suas vidas em risco.

O estudo de Malini também indicou que as fake news frequentemente são tingidas por motivações políticas, onde influenciadores e políticos da oposição aproveitam para desacreditar ações governamentais. "Em momentos de grande estresse emocional, é comum a atribuição de culpa às autoridades, o que pode enfraquecer ainda mais a confiança nas respostas do estado aos desastres", conclui o pesquisador.

Destaques