Vítimas de Brumadinho destinam indenização para auxiliar Rio Grande do Sul

Associação anuncia doação milionária para apoiar vítimas de enchentes no sul do país

Por Plox

14/05/2024 10h42 - Atualizado há 5 dias

A Associação dos Familiares de Vítimas e Atingidos pelo Rompimento da Barragem da Mina Córrego do Feijão (Avabrum) decidiu destinar R$ 2,2 milhões de indenizações recebidas pela Vale para ajudar as vítimas das severas chuvas no Rio Grande do Sul. Esta quantia é parte dos R$ 400 milhões acordados em indenizações por danos morais coletivos após a tragédia de Brumadinho, ocorrida em janeiro de 2019.

Decisão beneficente A partilha do montante foi decidida pela Avabrum, que anunciou que R$ 2 milhões seriam distribuídos entre o Fundo de Reconstituição de Bens Lesados do Ministério Público e o Governo do Rio Grande do Sul. Os restantes R$ 200 mil irão para a Corrente do Bem da AVSTM (Associação dos Familiares e Sobreviventes da Tragédia da Boate Kiss, em Santa Maria), que também está arrecadando fundos para as vítimas do desastre climático.

Reprodução Redes Sociais 

Repercussão das chuvas A iniciativa surge em resposta às inundações recordes que têm assolado o estado, com o nível do Guaíba subindo 18 cm em apenas 14 horas, aproximando-se de uma marca histórica. As enchentes já resultaram em 147 mortes confirmadas em diversas cidades gaúchas.

Empatia e solidariedade Josiane de Melo, falando pela diretoria da Avabrum, expressou o sentimento da associação: "Para nós, familiares, poder contribuir com as pessoas que estão atravessando esta catástrofe no Rio Grande do Sul aquece o coração. Sabemos o quanto é importante a acolhida, a empatia e a solidariedade no momento de dor". Ela reforçou o valor da ação como uma forma de homenagear as 272 vítimas do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho e as 242 vidas perdidas no incêndio da Boate Kiss.

Gestão das indenizações Os fundos para as indenizações provêm de um acordo que encerrou uma ação do Ministério Público do Trabalho, iniciada imediatamente após a tragédia de Brumadinho. O acordo estipulou também compensações individuais para pais, cônjuges ou companheiros e filhos dos trabalhadores mortos. A administração do fundo de R$ 400 milhões está a cargo de um conselho gestor que inclui representantes da Avabrum, do MPT, do Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais (TRT-MG) e da Defensoria Pública da União.

Destaques