Ipatinga

lazer

X FECHAR
ONDE VOCÊ ESTÁ?

    Refugiados venezuelanos no Vale do Aço são tema de documentário

    A saga das 37 famílias venezuelanas no Vale do Aço

    Por Plox

    14/06/2021 12h45 - Atualizado há 4 meses

    A saga de 37 famílias venezuelanas que optaram pela imigração para municípios do Vale do Aço é o eixo principal do documentário Refugiados – Vai Ficar Tudo Bem, produzido pela Video-Plus e dirigido por Sávio Tarso com assistência de direção de Matícia Alves. Filmado através do patrocínio da Lei Aldir Blanc de 2020, o média metragem narra em 41 minutos a aventura dos estrangeiros que atravessaram a fronteira do Brasil e seguiram para o interior de Minas Gerais através do Projeto Acolhida do Governo Brasileiro. O lançamento acorrerá no próximo dia 15 de junho, às 19h30, no salão da AIJCSUD – A Igreja de Jesus Cristo do Santos dos Últimos Dias, na rua Diamantina, nº 319, Centro de Ipatinga. A exibição será exclusiva para equipe, entrevistados e colaboradores da produção. 

    O diretor Sávio Tarso explicou a motivação para filmar essa temática. “No ano de 2019, me deparei com várias famílias venezuelanas embarcando para Ipatinga na rodoviária de BH. Aquela imagem me impressionou muito pela quantidade de pessoas de outro país viajando para uma cidade do interior de Minas. Logo quis saber o que estava por trás daquela cena incomum. Foi desse modo que surgiu meu interesse em retratar a história dessa gente. Parecia algo muito especial, até mesmo porque a imigração é o fator preponderante da nossa formação demográfica da nossa região”. 

     

     

    Foto: Reprodução Videoplus

     

     

    INTERIORIZAÇÃO 

    A primeira indagação era porquê aquelas famílias optaram pelo interior do Brasil. Após vários contatos com os próprios refugiados, a equipe do documentário chegou até os membros d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Em conjunto com outras instituições internacionais como a Cruz Vermelha e a Caritas Internacional, a denominação cristã participou do Projeto Acolhida do Governo Federal.

     

     

     

    O objetivo era dar assistência para as milhares de famílias venezuelanas que atravessavam as fronteiras de seu país fugindo do caos humanitário. Há certa altura, decidiu-se dar uma nova oportunidade aos refugiados que se encontravam em precárias condições de vida em Roraima-RO redirecionando-os para outros destinos em diversos estados do Brasil. A partir daí, membros da AIJCSUD de Ipatinga se prontificaram em amparar os venezuelanos em diversas cidades como Mesquita, Santana do Paraíso, Coronel Fabriciano, Ipatinga, Timóteo. 

    Heriton Santos Campos, líder regional da AIJCSUD - A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias falou sobre o engajamento com a causa dos refugiados: “a nossa igreja, outras religiões, empresários e o Governo Federal fizeram o trabalho de interiorização para que essas pessoas pudessem ter uma nova oportunidade de recomeçar a vida profissional e familiar. A história inicial da AIJCSUD nos EUA tem a ver com a imigração, agora é uma benção ver isso acontecer aqui. Pessoas de outros países em situação difícil e nós tivemos o aprendizado de amor ao próximo. Ou seja, colocar em prática as lições do nosso mestre Jesus Cristo.” 

    Além da AIJCSUD, diversos empresários locais, entidades regionais como FIEMG, Rotary e volutários encamparam a missão de acolher os refugiados na região. Mutirões de solidariedade se formaram para alugar imóveis, mobilhar as casas, providenciar roupas, alimentos e remédios para os recém-chegados. 

     

    DOCUMENTÁRIO BILÍNGUE 

    Umas das principais dificuldades para gravar as cenas e os depoimentos foi a barreira da língua. Apesar da proximidade com o espanhol, os imigrantes apontaram o aprendizado do português como o primeiro grande desafio ao entrarem na fronteira brasileira. 

    Para obter profundidade nas entrevistas, o documentário contou com a assistência de direção da geógrafa Matícia Alves que companhou de perto o drama dos refugiados. “Em 2018, visitei o acampamento da ACNUR -Agência da ONU para Refugiados e uma casa abandonada que servia de abrigo clandestino em Roraima. Havia muitas mulheres e crianças, que apesar de já estarem sendo abrigadas e alimentadas, revelavam muito sofrimento no rosto devido à situação na Venezuela e a difícil trajetória até Boa Vista. O sentimento predominante foi de angústia. Me perguntava o que seria daquelas pessoas em um futuro próximo” revelou a geógrafa. 

    Matícia atuou como intérprete da equipe de produção e filmagem. Sobre a tarefa de entrevistar e traduzir fielmente as impressões dos venezuelanos no Vale do Aço, ela afirmou que foi “tocada pelos sentimentos que se passavam enquanto as histórias eram contadas. Difícil não se surpreender com a dor das pessoas ao relatar o desespero até a trajetória a Minas Gerais e o sorriso com o alívio da chegada. São histórias bonitas de acolhimento e solidariedade.”

    VAI FICAR TUDO BEM

     O roteiro do documentário se baseia no sonho de um personagem em especial. O jovem Jonathan Mendonza, 19 anos. Antes de viajar ao Brasil, ele estava muito apreensivo com a aventura deixar a sua terra natal rumo ao desconhecido. Certa noite, após muitas orações, sonhou que na chegada no Brasil e foi recepcionado por uma mulher gentil que o abraçou e disse com clareza a seguinte frase: “vai ficar tudo bem”.


     

    PLOX BRASIL © Copyright 2008 - 2021[email protected]