Copasa: prefeito de Ipatinga fala sobre nova licitação

A falta de transparência tem sido um problema persistente, conforme destacou Gustavo Nunes

Por Marcelo Augusto

14/11/2023 11h41 - Atualizado há 5 meses

Durante coletiva de imprensa, na manhã desta terça-feira (14), o prefeito de Ipatinga, Gustavo Nunes, revelou que a abertura do novo edital para a contratação da próxima concessionária de saneamento básico, que atuará na cidade pelos próximos 30 anos, deverá acontecer ainda neste ano. Essa decisão surge após o desejo expressado de não renovar o contrato com a empresa mineira.

 Por força da Lei 14.026/20, o município é obrigado a abrir um novo processo para escolha da concessionária, uma vez que o contrato com a atual já se encerrou.

Foto: Marcelo Augusto / Plox

 

O prefeito expressou sua frustração com a Copasa, enfatizando que a empresa não fornece dados adequados ao município, dificultando a análise e fiscalização dos serviços prestados. 

Foto: Marcelo Augusto / Plox

 

A falta de transparência tem sido um problema persistente, o que preocupa, considerando que Ipatinga possui uma das tarifas de esgoto mais elevadas do estado, ocupando o 5º lugar em termos de cobrança entre 33 municípios analisados.

Foto: Marcelo Augusto / Plox

 

Além disso, o prefeito destacou que mais de 132 mil reclamações foram registradas contra a Copasa, colocando Ipatinga em terceiro lugar no estado em termos de insatisfação dos consumidores. Essas queixas são apoiadas por dados do Sistema Nacional de Informações de Saneamento (SNIS).

Foto: Marcelo Augusto / Plox

 

Um ponto crítico abordado por Gustavo é o desperdício de recursos. Ele citou que 50% do volume de água tratada pela Copasa é desperdiçado, o que representa uma perda anual de cerca de R$ 96 milhões. Segundo o prefeito, esse desperdício é compensado pela concessionária através do aumento das tarifas, penalizando os consumidores pela “ineficiência da empresa”.

Foto: Marcelo Augusto / Plox

 

A Copasa também enfrentou problemas legais, com a aplicação de 218 multas por recomposição e 183 multas ambientais, totalizando R$ 1.563.191,97 em penalidades. No entanto, segundo os dados apresentados, apenas uma fração desse valor, R$ 308.154,52, foi efetivamente paga pela concessionária.

Foto: Marcelo Augusto / Plox

 

A expectativa é que o processo de licitação seja concluído no primeiro semestre do próximo ano.

A reportagem entrou em contato com a Copasa, para que possa ser divulgado o posicionamento da concessionária e aguarda um retorno para atualização da matéria.

Destaques