Eleições 2024: PF e universidade fazem teste em urnas eletrônicas

Testes intensivos são realizados para corrigir falhas antes do pleito de outubro

Por Plox

15/05/2024 13h33 - Atualizado há 30 dias

Nesta quarta-feira (15), investigadores da Polícia Federal e acadêmicos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul iniciaram na sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) os últimos testes de segurança nas urnas eletrônicas, preparando-se para as eleições municipais agendadas para o dia 6 de outubro, com um possível segundo turno em 27 de outubro.

Foto:  Marcelo Camargo/Agência Brasil

Esses testes, que se estendem até sexta-feira, são parte de uma rotina estabelecida em cada ciclo eleitoral para assegurar a integridade e a confiabilidade do sistema de votação. Durante o período, serão realizados testes de confirmação para verificar se as correções das falhas identificadas no último Teste Público de Segurança (TPS), ocorrido entre 27 de novembro e 2 de dezembro do ano anterior, foram eficazes.

No TPS anterior, 33 investigadores, incluindo seis mulheres, tiveram acesso ao código-fonte e realizaram 35 planos de ataque para detectar vulnerabilidades. Embora não tenham comprometido a integridade ou o sigilo dos votos, identificaram falhas como mensagens de erro inesperadas na inicialização das urnas e problemas no processo de carga dos dados dos candidatos e eleitores.

Neste ciclo de testes, uma equipe composta por um professor e três alunos da UFMS encontrou falhas adicionais relacionadas ao controle e aos privilégios de acesso às aplicações na urna. A partir dessas descobertas, foram feitas melhorias, que estão sendo verificadas nos testes atuais.

Julio Valente, secretário de Tecnologia da Informação do TSE, esclareceu que o objetivo dos testes é apresentar tanto os códigos-fonte originais quanto as modificações implementadas para corrigir as falhas encontradas. Rogério Galloro, diretor-geral do TSE, reforçou a importância do TPS para o desenvolvimento contínuo e a transparência do sistema eleitoral brasileiro.

Além dos testes com o software de carga e votação, também serão examinados o gerenciador de dados, a interface com a urna, o sistema de apuração e outros componentes essenciais para o funcionamento das urnas eletrônicas, modelos 2022 e 2020.

Destaques