Ipatinga

polícia

X FECHAR
ONDE VOCÊ ESTÁ?

    Mulher que queimou ex-namorado vivo é condenada a 17 anos em Minas

    Acusada, de 56 anos, não aceitou o término com o homem, de 35

    Por Plox

    15/09/2021 00h41 - Atualizado há 11 dias

    O júri popular condenou uma mulher acusada de dopar o namorado e queimá-lo vivo a 17 anos e seis meses de prisão, em regime fechado, em Belo Horizonte, nesta terça-feira (14). O caso foi julgado no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

    De acordo com o TJMG, a sessão teve início pela manhã e foi encerrada às 16h24. Conforme o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Maria Lúcia França Coelho, de 56 anos, não aceitava o fim da relação com Bruno César Correa, de 35 anos.

    Julgamento teve início pela manhã no Tribunal do Júri, na capital. Foto: divulgação/ Marcelo Almeida/TJMG

     

    "Por essa razão", a mulher chamou o homem para ir à casa dela e, na ocasião, em 4 de outubro de 2012, diluiu dois comprimidos em um copo com leite e café, e serviu à vítima. O caso ocorreu no bairro Olhos D'Água, na região Oeste da capital.

    Em seguida, ela esperou que os remédios fizessem efeito e jogou álcool no corpo do companheiro. Ele não conseguiu reagir e foi queimado. Segundo o órgão, a acusada ficou no local observando a vítima ser carbonizada e deixou a casa sem pedir ou prestar socorro.

    Julgamento

    Maria Lúcia afirmou que a própria vítima pediu o remédio e que ela tinha costume de usar o medicamento para dor de cabeça. A mulher também afirmou que a situação aconteceu de forma rápida e que eles haviam brigado momentos antes.

    Nesta terça, a acusada admitiu ter colocado fogo no homem, mas afirmou que não dopou a vítima. O Ministério Público defendeu que o homicídio foi praticado por motivo torpe e mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

    PLOX BRASIL © Copyright 2008 - 2021[email protected]