Crianças e jovens estão entre os mortos por coronavírus, afirma OMS

16/03/2020 14:56

Doença já matou milhares de pessoas em todo o mundo; casos no Brasil aumentam a cada dia

Contrariando o senso geral de que o coronavírus só é letal para idosos, o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou nesta segunda (16) que a pandemia de Covid-19 já matou crianças e jovens e que, portanto, eles também podem ser vítimas fatais da doença que se alastra pelo mundo.
 
Tedros Adhanom confirmou que os casos ainda mais susceptíveis são os que envolvem pessoas com mais de 60 anos, mas que a doença também pode ser fatal em todas a idades. "Esta é uma doença séria. Embora a evidência que temos sugira que aqueles com mais de 60 anos correm maior risco, jovens, incluindo crianças, morreram", disse Tedros.

WhatsApp Image 2020-03-16 at 14.12.17 Foto: José Cruz/Agência Brasil
 
A entidade apoia a estratégia de distanciamento social, que tem levado autoridades a fecharem escolas, teatros, e outros locais de aglomeração.
 
O diretor da entidade reafirmou que é muito importante testar todos os casos suspeitos. “Não se consegue combater um incêndio com os olhos vendados. Você não consegue parar essa pandemia se não souber quem está infectado", destacou Tedros.
 
"Teste, teste, teste. Teste todo caso suspeito. Se for positivo, isole e descubra de quem ele esteve próximo", enfatiza.
 
Isolamento 
 
Outra estratégia defendida pela OMS é o isolamento. É o que assegurou a diretora técnica da entidade Maria van Kerkhove. Ela defende que esse procedimento seja mantido. "[É necessário] achar todos os casos e seguir todos os contatos e testar os contatos. Dá para parar a transmissão entre as pessoas", afirmou.
 
Para a OMS, até mesmo os casos leves devem ser isolados em centros de Saúde. Os diretores afirmam saber que em alguns países a falta de estrutura tem feito as pessoas se isolarem em suas próprias casas, o que pode colocar em risco os próprios familiares. Para evitar essas consequências, Tedros destacou a importância de seguir as recomendações da OMS.



Publicidade