Realização de cultos e missas presenciais ainda não têm definição na onda roxa

De acordo com a onda roxa, só o essencial pode funcionar

Por Plox

16/03/2021 16h36 - Atualizado há cerca de 3 anos

A onda roxa, que foi aplicada pelo governador Romeu Zema, em toda Minas Gerais, pelos próximos 15 dias, não especifica sobre a permissão de realização de cultos, missas e celebrações religiosas. 

Apesar disso, algumas igrejas já estão preparadas para a onda roxa. A igreja Cristã Maranata, já na semana passada, havia publicado uma nota informando que as atividades presenciais, de todas as congregações do Brasil, estariam suspensas a partir da segunda-feira (15), até o dia 21 de março, continuando apenas com pregações virtuais. 

Igreja Maranata no bairro Limoeiro, em Timóteo (Foto: reprodução)

A orientação da Diocese de Itabira/Cel. Fabriciano é que os párocos decidam de acordo com o que foi definido por cada governo municipal. Já no segmento evangélico, algumas igrejas já afirmaram que os cultos serão apenas virtuais, respeitando a decisão do governador Romeu Zema.  

É o caso da Igreja Presbiteriana do bairro Recanto Verde (IPRV), em Timóteo, que já informou que irá realizar cultos online. “Para colaborar com a decisão do governador, vamos realizar pregações virtuais e reuniões de grupos pelo Google Meet”, afirma o pastor da congregação, Maurílio Dimas. 

Apesar de igrejas não serem citadas, estão proibidas as realizações de reuniões presenciais e qualquer tipo de evento público ou privado que possa provocar aglomeração.

Destaques