Cruzeiro divulga balanço financeiro de 2023 com redução expressiva da dívida

Clube apresenta aumento de receita bruta e lucro líquido influenciado por eventos não recorrentes

Por Plox

16/05/2024 15h25 - Atualizado há 4 dias

O Cruzeiro Esporte Clube SAF anunciou nesta quinta-feira os demonstrativos financeiros referentes ao ano de 2023. O relatório destaca uma redução significativa na dívida total do clube, que caiu cerca de R$ 365 milhões desde o início da gestão como Sociedade Anônima do Futebol (SAF).

Vídeo: 

 

Entre os pontos de destaque, o Cruzeiro registrou uma receita bruta de R$ 243,8 milhões em 2023, marcando um aumento de 62% em comparação aos R$ 150,4 milhões do ano anterior. O lucro líquido do período foi de R$ 260,1 milhões, uma reversão notável em relação ao prejuízo de R$ 55 milhões registrado em 2022. Este resultado foi fortemente influenciado por eventos não recorrentes, incluindo R$ 182 milhões em receitas financeiras oriundas da renegociação de dívidas e R$ 193 milhões provenientes da venda de ativos intangíveis.

Foto: reprodução Cruzeiro

 

O EBITDA recorrente (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ficou positivo em R$ 4 milhões, representando 2% da receita líquida, uma queda em relação aos 10% (R$ 15 milhões) de 2022. Essa variação se deve ao ajuste de custos e despesas para se adequar às exigências financeiras da Série A em 2023.

Os gastos com salários, direitos de imagem e encargos da operação do futebol profissional somaram R$ 94,7 milhões, representando 42% da receita líquida, excluindo despesas com intermediação, aquisição e formação de atletas.

Desde o início das operações da SAF, a dívida do Cruzeiro Associação foi reduzida em aproximadamente R$ 249 milhões, graças a renegociações e pagamentos efetuados pela SAF. Além disso, a SAF auxiliou o clube com mais R$ 116 milhões em pagamentos e ausência de fluxo de caixa de receitas antecipadas, totalizando uma redução de cerca de R$ 365 milhões na dívida original. Estes pagamentos cobriram principalmente dívidas trabalhistas, cíveis e fiscais.

Destaques