Cortes orçamentários afetam instituições federais de ensino em Minas Gerais

Universidades e Institutos Federais Enfrentam Desafios Financeiros com Redução de Verbas

Por Plox

17/01/2024 06h28 - Atualizado há 5 meses

As instituições federais de ensino superior em Minas Gerais enfrentam desafios significativos devido aos cortes orçamentários previstos no Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) 2024. A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a maior do estado, viu seu orçamento ser reduzido de R$ 2,34 bilhões em 2023 para R$ 2,19 bilhões em 2024. Esta situação é refletida em diversas outras instituições mineiras, afetando suas capacidades operacionais e comprometendo atividades essenciais

Foto: UFMG/Divulgação

Declarações e Perspectivas dos Dirigentes

Carla Chamon, diretora-geral do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG), expressou preocupação com a situação financeira da instituição: "Nosso orçamento é de 5,5 milhões, o que é mais de 20 milhões menor que há 10 anos". Ela enfatizou a gravidade da redução orçamentária e o impacto negativo sobre as operações e atividades da instituição.

Rafael Bastos, reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG), também mencionou as dificuldades: "Se não tivermos recursos suficientes, não temos condições de desenvolver nossas atividades da forma como devem ser feitas". Ele destacou a necessidade de lutar pela recomposição orçamentária em 2024.

Situação das Outras Instituições

As demais instituições federais mineiras, incluindo o Instituto Federal do Norte de Minas Gerais (IFNMG), o Instituto Federal do Sul de Minas Gerais (IFSULDEMINAS), o Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM), a Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL), a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), a Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), a Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ), a Universidade Federal de Viçosa (UFV) e a Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), também enfrentam reduções orçamentárias. Estas instituições estão buscando recursos extraorçamentários e dialogando com o governo federal e parlamentares para mitigar os impactos dos cortes.

As universidades e institutos federais desempenham um papel crucial na formação acadêmica e no desenvolvimento de pesquisas no Brasil. A redução de recursos afeta diretamente a qualidade e a capacidade dessas instituições de cumprir suas missões de ensino, pesquisa e extensão. As lideranças dessas instituições continuam buscando soluções para garantir a continuidade e a qualidade de seus serviços essenciais.

Destaques