Direto de Brasília, deputada faz mais denúncias ao ministro e “dá nome às laranjas”

17/04/2019 08:23

Que o ministro Marcelo Álvaro Antônio seja condenado, é que a deputada Alê Silva afirma estar desejando

Publicidade

A deputada Alê Silva, do PSL, em entrevista exclusiva ao Plox, na tarde dessa terça-feira (16), fez mais acusações ao ministro do Turismo Marcelo Álvaro, também do PSL. 

A parlamentar recebeu o Plox em Brasília, na Câmara dos Deputados, em seu gabinete.

Ela reafirmou ter sido ameaçada de morte por Marcelo Álvaro. Reafirmou também a existência de um esquema de candidaturas falsas com o objetivo de desviar dinheiro do fundo partidário que, segundo Alê Silva, teria sido coordenado pelo ministro, à época, candidato a deputado federal por Minas Gerais, pelo mesmo partido da deputada.

Alê Silva disse que tentou levar o caso ao presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, mas ele não lhe deu ouvidos. Segundo a deputada, Bivar também estaria envolvido em um esquema de candidaturas laranja em Pernambuco.”Luciano Bivar, ao invés de analisar melhor os fatos e a consistência de tudo isso, ele preferiu me ameaçar de me excluir de um grupo de WhatsApp. Eu tô rindo até agora, porque eu já saí de lá tem muito tempo”, disse.

Foto: PLOXAle-silva

Alê Silva também abordou a denúncia de um esquema de candidaturas falsas em Minas Gerais. Ela disse que investigou e confirmou que quatro mulheres, que foram candidatas, estariam na eleição como parte de um esquema de desvio de dinheiro do fundo partidário. Esse esquema para fraudar seria coordenado pelo ministro Marcelo Álvaro. 

Ainda segundo a deputada, as envolvidas são suas colegas de partido: Lilian Bernardino, Camila Fernandes, Débora Gomes, e Natfali Tamar, todas postulantes a cargos legislativos pelo estado de Minas Gerais.  “Havia uma suspeita de escândalo com uma gráfica lá no Vale do Aço. Isso me chamou muito a atenção. Fui investigar. identifiquei as 4 [candidatas] laranjas. A Lílian, a Mila, a Débora e a Nat. Mulheres que tiveram suas campanhas eleitorais, a princípio, financiadas 100 % com dinheiro público e tiveram votação mínima. O dinheiro saiu da conta delas e foi direto para a conta de empresas que pertencem aos assessores de Marcelo Álvaro Antônio”, denuncia a deputada.

Perguntamos a deputada o que ela gostaria que ocorresse após as suas denúncias:

“Que seja tudo apurado e que Marcelo Álvaro Antônio seja condenado, principalmente a devolver o recurso que ele desviou do erário público, que é dinheiro do cidadão brasileiro”, disse.



Publicidade