Ipatinga planeja ações alusivas ao Dia Nacional da Luta Antimanicomial 

17/05/2019 15:49

A iniciativa foi planejada para a véspera do dia em que se comemora nacionalmente a Luta Antimanicomial, 18 de maio

Publicidade

Profissionais e estudantes da área de Saúde participaram nesta sexta-feira (17), dentro da Semana da Enfermagem promovida pela Prefeitura de Ipatinga, de uma roda de conversa com o tema “Paciente psiquiátrico e os desafios do Hospital Geral”. A iniciativa foi planejada para a véspera do dia em que se comemora nacionalmente a Luta Antimanicomial, 18 de maio. 

Ainda neste mês, outras ações relacionadas com o tema estão previstas, sendo realizadas pela Secretaria de Saúde de Ipatinga em parceria com a Associação ‘Loucos por Você’. No dia 24, próxima sexta-feira, às 15h, uma panfletagem será realizada na praça 1º de Maio, no centro da cidade. Já no dia 25, sábado, a partir das 17h, na sede da ‘Loucos’, será promovida uma mesa-redonda que abordará “A reforma psiquiátrica brasileira: trajetórias, desafios e perspectivas”. A entidade fica situada na avenida Rodolfo Bernardelli, 294, no bairro Ideal.  

Roda de conversa sobre Saúde Mental na Semana da Enfermagem (Foto: divulgação)Roda de conversa sobre Saúde Mental na Semana da Enfermagem (Foto: divulgação)

Neste ano, a bandeira do movimento é o combate aos riscos de retrocessos. A data da Luta Antimanicomial, estabelecida em 1987 após um Congresso Nacional de Trabalhadores de Saúde Mental, surgiu em favor da extinção de manicômios e instauração de práticas humanizadas de tratamento. 

A gerente da Seção de Saúde Mental de Ipatinga, Carine Cristina Pereira, explica que “a proposta das ações é reforçar a luta contra o preconceito e desmistificar a doença mental, atentando também para a manutenção das conquistas alcançadas através da Reforma Psiquiátrica, de 1970”. Conforme ela, “a reforma instaurou o tratamento em liberdade, através de serviços como Centro de Apoio Psicossocial (CAPS), centros de convivência, residências terapêuticas, direito ao convívio social, à cidadania e ao protagonismo. Nos serviços, nosso trabalho é garantir uma assistência humanizada, com uma equipe de multiprofissionais, que tem um cuidado especial com os pacientes”, detalhou.

Carine Cristina (Foto: divulgação)Carine Cristina (Foto: divulgação)

Atendimento em Ipatinga
Em Ipatinga, os pacientes que sofrem de transtorno mental contam com uma rede de atendimento multiprofissional gratuito. A Prefeitura mantém o CAPS II, na Clínica Psicossocial, anexa à Policlínica, no bairro Cidade Nobre, que é o serviço de urgência especializado para atendimento aos portadores de sofrimento mental. Já o CAPSi, voltado ao público infanto-juvenil, recebe mensalmente 300 crianças e adolescentes em oficinas e atividades que permitem a permanência durante o dia. 

Nas Unidades Básicas de Saúde, o acolhimento é feito por técnicos de referência em saúde mental. São oferecidas, além de medicação, consultas de controle, acompanhamento familiar e oficinas terapêuticas. O município ainda assegura assistência hospitalar a esse público no serviço de urgência e emergência da cidade: UPA, SAMU e Hospital Municipal.  

Na Clínica Psicosocial, os portadores de sofrimento mental participam de várias oficinas terapêuticas (Foto: divulgação)Na Clínica Psicosocial, os portadores de sofrimento mental participam de várias oficinas terapêuticas (Foto: divulgação)



Publicidade